Formação acadêmica, títulos, carreira, perfil empreendedor… são importantes, mas não suficientes para alcançar riqueza e prosperidade. Quando falamos em uma mente milionária, estamos falando de uma metáfora de riqueza. Sendo metáfora, ela terá um jeito próprio de fazer sentido para você, como também para mim e para cada um.

Volume de dinheiro pode passar da riqueza à avareza. Muito dinheiro pode ser sinônimo de um tipo muito raso de riqueza, e não de uma riqueza que seja sinônimo de bem-estar, de felicidade — essa é a diferença entre uma pessoa rica e uma pessoa próspera.

Muito dinheiro, para uma mente focada no ego, na individualidade e na avareza, jamais será sinônimo de prosperidade. Uma mente milionária e próspera deve compreender não apenas as leis que regem o universo físico, material, mas também as leis dos universos mental e espiritual. O desconhecimento dessas leis provoca bloqueios que você poderá ver ao longo de sua jornada rumo à abundância. Uma das leis que regem os universos mental e espiritual é o que chamamos de “lei da percepção correta”.

Ela está relacionada à forma como percebemos o mundo à nossa volta e é essa percepção que formará nosso próprio universo. Quando percebemos o Universo como um sistema mecânico, sem vida, limitado e finito, ele será da mesma forma. Contudo, quando percebemos o mundo como possibilidades, como pulsante, vivo, ilimitado e infinito, ele assim será. De um lado, temos um mundo repleto por obstáculos.

De outro, temos um mundo cheio de possibilidades. Qual das duas direções você escolhe? Em qual das duas direções você acredita que está a vida próspera? Esse Universo ilimitado é consciência, assim como tudo o que existe. E a consciência é senciente, ou seja, tem a plena capacidade de sentir. Todos nós percebemos o mundo por meio dos sentidos, isso é ser senciente.

O mundo construído ao nosso redor é o mundo como o percebemos por meio dos sentidos. Dessa forma, se percebemos um mundo como um copo meio vazio, repleto de escassez e de falta de oportunidade, nos veremos diante de oportunidades limitadas. Em contrapartida, a vida próspera é atingida com a percepção do copo meio cheio, quando sentimos e nos permitimos vivenciar o mundo extraordinário. Como exemplo, temos a história de um homem simples e seu filho.

Esse homem vendia hambúrgueres e seu negócio ia muito bem, até o dia em que seu filho lhe explicou sobre recessão econômica. A partir desse momento, o homem, que já contava com certo sucesso, com uma rede de lanchonetes, se preocupou com a forma como aquela recessão poderia afetar seu negócio e ficou com medo. Como resposta, ele emitiu ordem para reduzir os custos, o que diminuiu também a qualidade de seus produtos. Como consequência dessa redução, seu negócio, que um dia foi grande, voltou a ser pequeno, como em seu início. Qual lição podemos tirar da história desse homem e de seu filho?

PSC Renascimento

Será que saber sobre a crise econômica melhorou ou piorou sua vida? Cheryl Strayed, em sua autobiografia Livre, conta sobre a viagem que fez pelo Oeste dos Estados Unidos para conseguir superar a morte da mãe, nos relata como superou o medo que a acometia quando pensava que estaria sozinha na viagem. Ela diz: “O medo, de certa forma, nasce da história que contamos a nós mesmos, portanto escolhi contar uma história diferente da história a que as mulheres estão acostumadas.

Decidi que estava segura. Que era corajosa. Que nada podia me vencer”. Ela, assim, mudou sua percepção de mundo, deixando de lado tudo que tinha aprendido desde pequena sobre a violência sofrida pelas mulheres e vendo o mundo como receptivo e acolhedor. Lembre-se sempre de nunca se esquecer de sempre se lembrar que não é uma sugestão para ignorar o mundo a nossa volta, nos fechando às notícias e a tudo o que acontece. Pelo contrário, é um convite a nos abrirmos ao novo e àquilo que nos acrescenta e contribui para nossa evolução como seres humanos.

Quando realmente compreendemos as leis universais, nos tornamos capazes de compreender também que a nossa percepção de mundo influencia diretamente nossas emoções, a forma como agimos, o modo como tomamos decisões e o destino a que chegamos. Somos a consequência da qualidade do que pensamos e sentimos. Sabendo disso, convido você a refletir por um momento: como você tem percebido o mundo? O que significa vida para você? Ela é uma rotina ou uma montanha-russa?

Ela é uma bênção pela qual você é grato? Qual é a sua percepção de riqueza? Como você lida com ela? Essas duas últimas questões são primordiais quando se trata de criarmos abundância. Existe uma grande diferença entre ganhar dinheiro e gerar riqueza. Quando o objetivo de nossa vida é ganhar dinheiro, estamos buscando uma atividade não iluminada, pois o dinheiro deve ser uma consequência, não o estado desejado. Todas as empresas e os empresários devem ter como objetivo fazer diferença no mundo e não apenas o desejo de lucrar.

No entanto, quando nosso objetivo é gerar riqueza, estamos diante de um estado desejado espiritual, porque riqueza não tem relação só com dinheiro, mas também se refere à habilidade de reconhecer realmente o valor das pessoas e das coisas Quando nós focamos nosso objetivo de vida na criação de riqueza e o fazemos com inteligência e integralidade, automaticamente, atraímos dinheiro. Sendo assim, para que a abundância e a prosperidade entrem em nossa vida, devemos compreender que o dinheiro deve ser uma consequência da riqueza, e não o objetivo central.

A geração de riqueza está diretamente ligada a um propósito de vida, a sentir que estamos expandindo nossa visão de mundo para uma visão mais universal e mudando a realidade em que vivemos e de todos que estão ao nosso redor. Ganhar dinheiro está para o trabalho, assim como geração de riqueza está para carreira, e você sabe que trabalhar é sofrimento, trata-se apenas de ganhar o dinheiro que pague as contas do mês. Carreira é propósito, é sonho, é estado desejado. Trabalho é superficial, carreira é senso de propósito, é significado de vida.

Ter um propósito é entender que tudo o que fizermos por nós influenciará a vida de todo mundo, o nosso crescimento é também o crescimento e engrandecimento da humanidade. A abundância e a prosperidade serão consequências naturais de uma vida que tem como intuito impactar no mundo e não apenas viver nele. Nesse sentido, como podemos expandir nossa percepção e transformar nosso Universo limitado em um Universo ilimitado que nos traga abundância e prosperidade?

Podemos aprender com Harv Eker, autor do livro Os Segredos da Mente Milionária, que essa percepção de um mundo cheio de bloqueios tem base em crenças limitantes. Elas são alimentadas desde a infância e apreendidas como verdades. As ditas “verdades absolutas” são diariamente influenciadas por três principais fatores: nossa programação verbal, os exemplos que recebemos em vida e as experiências pelas quais passamos. A programação verbal relaciona-se a tudo o que ouvimos de nossos pais.

Inconscientemente, nós carregamos as crenças limitantes de nossos pais para a vida adulta e isso impacta qualquer âmbito de nossa vida, inclusive a vida financeira e a geração de riquezas, pois repetimos os mesmos pensamentos, comportamentos e até mesmo as frases dos nossos pais, parentes ou avôs. É como uma repetição de padrão no qual fundamentamos a nossa percepção de mundo. Os exemplos, aquilo que vemos os outros fazendo, são essenciais para nos inspirar e nos ajudar a evoluir ou nos limitar.

Pense um pouco sobre sua família: eles lidavam bem com o dinheiro? Sempre reclamavam sobre a falta de sucesso? O dinheiro era fonte de felicidade ou de preocupação? Esses exemplos influenciam muito a forma como nos relacionamos com a prosperidade, com o dinheiro e com o sucesso. Exemplos positivos geram comportamentos, decisões e ações positivas, já exemplos negativos alicerçam sua percepção sobre riqueza em emoções negativas. Por fim, as nossas experiências de vida complementam nossa programação mental, pois quando, por exemplo, passamos por traumas relacionados ao dinheiro (perda de patrimônio, mudança de status financeiro, dificuldades, separação dos pais em decorrência de problemas com dinheiro), acabamos fortalecendo crenças limitadores e passamos a ter dificuldades para lidar com ele.

Por isso, para termos pensamentos de riqueza, comportamentos condizentes com a prosperidade na vida pessoal e profissional, precisamos, urgentemente, mudar nosso mindset financeiro, ou seja, nossa percepção. Há quatro passos que podemos seguir para reprogramar nossa mente e começar a perceber o mundo pleno em suas possibilidades:

Encontrar a origem das crenças limitantes;

Compreender as crenças limitantes;

Libertarmo-nos da percepção de um mundo limitado;

Ressignificar as nossas crenças.

1. Origem das crenças limitantes:

identifique a origem de sua percepção limitada do Universo e de suas crenças limitantes. Aceite que elas, mesmo que de forma inconsciente, afetam diretamente seus comportamentos e boicotam os seus resultados.

2. Compreensão das crenças limitantes:

compreenda que essa percepção é fruto dos três fatores. Não se culpe pelas crenças limitantes passadas pelos seus criadores.

3. Libertação da percepção de mundo limitado:

liberte-se das crenças negativas que limitam a sua percepção. Estabeleça uma separação entre a imagem de seus pais e a sua própria imagem, pois os hábitos, ideias e resultados deles com relação ao dinheiro não são, e não serão, os mesmos que o seu.

4. Ressignifição das crenças:

Ressignifique a percepção de mundo limitado, pois, quando você ressignifica as crenças negativas com as quais construiu seu mundo, você o transforma em algo positivo. Trata-se de reprogramar a sua mente de forma positiva. Permita-se aprender com os erros, tirar algo de bom das suas experiências de vida e ouse fazer diferente.

Copyright: 1240929880 – https://www.shutterstock.com/pt/g/dolgachov