Boas oportunidades

Monkey Business Images/Shutterstock O Empreendedor deve ser um observador nato e enxergar boas oportunidades de negócio onde ninguém mais vê

“A oportunidade nunca é perdida. Alguém sempre vai aproveitar as que você perdeu.” Essa frase, atribuída ao poeta inglês William Shakespeare, ilustra bem como os empreendedores devem estar sempre atentos ao seu redor para não perder boas oportunidades de alavancar ou mesmo de abrir o seu próprio negócio.

Entretanto, é importante deixar claro que nem sempre essas chances batem à nossa porta. Muito pelo contrário. Na maioria dos casos, elas exigem sensibilidade para serem identificadas. Por isso, é essencial estar sempre atento para não deixar que excelentes possibilidades sejam aproveitadas por outros.

Mas como identificar uma boa oportunidade? Como saber se uma chance é mesmo boa? E mais, como perceber se um negócio pode ser sucesso? Essas são perguntas comuns no universo do empreendedor de primeira viagem. Para descobrir as respostas, continue a leitura deste artigo!

Conheça a metodologia capaz de potencializar seus resultados!
Clique aqui e acesse meu ebook “Leader Coach”, é um presente!

Dicas para reconhecer as oportunidades interessantes

1. Observe a sua realidade

Comece desenvolvendo o seu senso de observação. Olhe ao seu redor, em seu bairro, na sua cidade ou mesmo em sua própria casa e veja em quais locais existem necessidades a serem atendidas e oportunidades que ninguém valorizou. Isso é importante para compreender os diferentes cenários, mercados, nichos, perfis de pessoas e os seus principais desejos de compra.

Acompanhe também as inovações que as empresas promovem em outros países. Verifique se as soluções que estão ocorrendo por lá também podem ser, de alguma maneira, implementadas por aqui. É claro que isso, provavelmente, exigirá certas adaptações, afinal de contas, existem diferenças entre o comportamento do consumidor entre um local e outro.

2. Não queira reinventar a roda

PSC

Lembre-se de que todos os produtos e serviços, antes de serem inventados, tinham como objetivo atender a alguma necessidade específica. Essa máxima vale para uma simples vassoura de limpar a casa como também para um avião com capacidade para 300 pessoas.

E sabe por quê? Porque se hoje existem empresas que fabricam estes produtos e seus compradores, é porque alguém observou essas necessidades e criou uma forma de atendê-las plenamente.

O empreendedor deve, então, buscar ver o que ninguém mais vê; acreditar em suas ideias e também em sua intuição. Essa é a diferença entre um empresário e um cliente, a forma como enxergam as lacunas. De um lado está aquele que deseja sanar algo e, de outro, o que tem aquilo que vai resolver o problema.

Portanto, ao avaliar oportunidades de negócios, não entre no jogo para fazer o que todo mundo já faz. Você não precisa criar obrigatoriamente um produto novo, mas precisa oferecer benefícios adicionais, que diferenciem o seu negócio dos que já existem.

3. Faça um bom planejamento: ferramenta 5W2H

Para poder identificar as oportunidades, é preciso observar e estudar o mercado, saber se existe uma demanda reprimida (que não está sendo atendida), aplicar a ferramenta 5W2H e criar produtos e serviços adequados, inovadores, sustentáveis, ou seja, que realmente atendam ao que o público busca e deseja.

Em outras palavras, faça pesquisas de mercado, estude as suas possibilidades, prepare-se, intelectual e financeiramente, conheça as regiões que são carentes de artigos como os que você deseja criar e vender e planeje as suas ações.

Nesse sentido, a ferramenta 5W2H é a base de qualquer planejamento estratégico em uma oportunidade de negócios. Ela promove uma análise profunda, a partir de 7 perguntas simples, para que você analise a viabilidade de um negócio:

  • W — What (O que?): O que será feito? Em que consiste esse negócio?
  • W — Why (Por quê?): Por que esse negócio é importante? Quais fatores justificam a sua existência?
  • W — Where (Onde?): Em quais lugares esse negócio vai funcionar?
  • W — When (Quando?): Quando esse negócio começará a funcionar? Qual é o prazo de realização de cada etapa?
  • W — Who (Quem?): Quais pessoas ou departamentos ficarão responsáveis por cada etapa? Quem será beneficiado por esse negócio?
  • H — How (Como?): Como esse negócio será executado? Quais estratégias nortearão a sua realização?
  • H — How much (Quanto?): Quanto será necessário investir nesse negócio? Quais as perspectivas de retorno financeiro para essa ação?

4. Faça um bom planejamento: análise SWOT

A análise SWOT, assim como o 5W2H, é uma ferramenta que permite analisar a viabilidade de um negócio. Trata-se de uma sigla, composta por quatro palavras em inglês: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças).

O eixo SW, composto pelas forças e fraquezas, diz respeito aos fatores internos da empresa. Como forças, podemos citar: tradição da marca, liderança no mercado, qualidade nos produtos, tecnologia avançada, mão de obra qualificada etc. Já entre as fraquezas, podem ser citados: preços elevados, qualidade inferior à da concorrência, localização ruim, alta rotatividade de funcionários, entre outros.

O eixo OT, por sua vez, diz respeito aos fatores externos, ou seja, que não dependem da empresa, podendo ser positivos (oportunidades) ou negativos (ameaças). Entre as oportunidades, podem ser identificados aspectos como: economia aquecida, redução de impostos, aprovação de leis que beneficiam o setor, pouca concorrência, inovações tecnológicas etc. Já entre as ameaças, os exemplos são: estagnação do mercado, presença de alta concorrência, crises políticas, mudanças no comportamento do consumidor etc.

5. Avalie os negócios que já existem

As pesquisas de mercado e as ferramentas citadas acima (5W2H e análise SWOT) são muito úteis para quem deseja abrir um negócio próprio, mas não apenas para essas pessoas. Para quem deseja investir em negócios que já existem, fazer essas pesquisas e utilizar essas ferramentas também são ações importantes.

Análises desse tipo permitem saber se, daqui para a frente, é vantajoso ou não investir em determinada empresa ou setor. Tudo depende dessa avaliação de cenários internos e externos, com a elaboração de um diagnóstico que contemple também as projeções futuras.

Nesse sentido, lembre-se de que bons resultados no passado não são garantia de que eles vão se repetir depois. Há variáveis externas, que não estão sob o controle da empresa, que alteram as dinâmicas do mercado a todo instante. Isso quer dizer que investir em algum negócio é sempre um risco. Contudo, a aplicação das ferramentas acima pode perfeitamente amenizar os riscos que corremos.

Por fim, entenda uma coisa: mais importante do que saber reconhecer é saber aproveitar as oportunidades. Invista em seu desenvolvimento, reúna mais e mais conhecimento e faça das suas possibilidades chances reais de criar ideias e negócios verdadeiramente extraordinários!

E você, o que achou das dicas acima? Tem mais alguma sugestão de boas práticas para identificar oportunidades de negócio interessantes? Então, deixe o seu comentário no espaço abaixo. Além disso, não se esqueça de compartilhar este artigo com aquele seu amigo que está pensando em empreender, mas que não sabe por onde começar!

Imagem: Por Rawpixel.com