“O todo é mais do que a soma das partes”, já dizia a Gestalt, uma famosa doutrina de psicologia surgida na Alemanha, no século XX. Assim, uma cadeira é mais do que a simples soma de um encosto com quatro pernas, tornando-se um objeto com identidade e funcionalidade específica para as pessoas.

O mesmo vale para as organizações: elas não são apenas um somatório de pessoas e departamentos, mas também das diferentes competências, conhecimentos e fluxos de trabalho que transitam no meio de todos esses agentes. Sendo assim, o pensamento sistêmico é aquele que compreende a função de cada parte, mas que consegue relacionar cada uma delas no todo, adquirindo uma perspectiva geral e completa.

Dessa forma, o profissional de marketing de uma organização, por exemplo, não pode pensar apenas em marketing, mas também no comportamento humano, nas finanças da empresa, no departamento de vendas, nas ações concorrentes, nas características do mercado em que está inserido, enfim, em todas as variáveis internas e externas que podem impactar o seu trabalho. Isso é desenvolver o pensamento sistêmico.

Neste artigo, você vai compreender melhor este conceito, a sua importância e como pode ser desenvolvido nas organizações. Siga em frente e tenha uma ótima leitura!

Preparamos um teste para VOCÊ descobrir o quanto
é FELIZ! Clique aqui e conheça nosso
“Termômetro da Felicidade” !

O que é o pensamento sistêmico e qual é a sua importância?

O pensamento sistêmico é uma forma mais ampla de ver o mundo e a realidade à nossa volta. Na prática, este conceito, datado do século XX, nos convida a enxergar todas as coisas de modo mais abrangente. Isso nos permite fragmentar suas partes e analisá-las de modo mais completo, compreendendo assim, todas as faces de uma mesma questão.

À primeira vista, essa ideia pode até parecer complexa, mas, quando a contextualizamos, com certeza ela se torna mais simples do que podíamos imaginar. O conceito de pensamento sistêmico vem sendo amplamente difundido nas empresas e é uma competência comportamental que é cada vez mais exigida no mercado de trabalho.

PSC

Nesse sentido, podemos dizer que, se um profissional, antes de tomar uma decisão importante, busca avaliar todas as suas variáveis, possibilidades e consequências, ele possui a visão sistêmica. Do mesmo modo, o líder que, antes de delegar uma tarefa mais complexa, estuda e avalia qual entre os profissionais de sua equipe é o mais preparado para executá-la também possui esse pensamento.

Por meio desses exemplos, podemos perceber que o pensamento sistêmico deve estar presente na conduta de todos os colaboradores de uma empresa. Esse comportamento é o que nos permite tomar decisões assertivas, construir melhores relacionamentos com nossos colegas e gestores e trabalhar olhando para o todo, ou seja, para que todos os resultados sejam plenamente alcançados.

Como desenvolver o pensamento sistêmico?

Quando a empresa constrói o seu planejamento estratégico, com certeza, a organização está pensando de forma sistêmica. É nesse plano que ela define todos seus os objetivos, como também as ações que precisam ser tomadas, em determinado período, para obter o sucesso esperado.

Em nossa vida pessoal, devemos sempre fazer o mesmo, isto é, pensar fora da caixa e expandir a nossa mente. Assim, quando nos percebemos envolvidos em problemas ou dúvidas, podemos recorrer à nossa visão sistêmica e avaliar de maneira global todas as vantagens e desvantagens que cada situação nos traz.

Entretanto, para desenvolver a visão sistêmica, é essencial acumular cada vez mais competências comportamentais, técnicas e emocionais. Também é preciso utilizar as suas experiências de vida, os seus erros e acertos, e todas as suas vivências para construir um banco de dados mental, que lhe permita enxergar todas as dimensões de uma mesma situação e decidir com mais eficácia.

Essa ação leva você a outro patamar pessoal e profissional, em que você pode estar mais preparado para lidar com os desafios diários e vencê-los com mais facilidade. Desenvolva o seu pensamento sistêmico e ouse conquistar resultados extraordinários. Na sequência, você vai conferir 4 dicas para desenvolver esse tipo de pensamento na sua organização.

1. Promova a integração de todos os colaboradores

Desde que um novo colaborador é contratado e chega para trabalhar pela primeira vez, é primordial que ele seja acolhido e integrado aos demais trabalhadores. Por isso, a empresa precisa, de tempos em tempos, fazer eventos, como uma reunião geral com os colaboradores de todos os departamentos.

O objetivo dessa reunião é reforçar (ou apresentar, no caso dos novos colaboradores), a missão, a visão e os valores da empresa. Abrigar todos os funcionários sob esses três itens é uma ótima maneira de estimular a visão sistêmica. Por mais que cada um tenha uma função e um departamento ao qual reportar, todos estão juntos e dependem uns dos outros para obter bons resultados.

2. Contextualize a sua empresa

Depois de apresentar a missão, a visão e os valores, é importante que cada colaborador tenha conhecimentos claros sobre o seu cargo, a sua função e como ela é importante para o seu departamento e para a empresa como um todo. No caso dos trabalhadores recém-contratados, é importante explicar a cada um deles como os trabalhos que eles desenvolverão influenciarão e serão influenciados pelos trabalhos dos outros.

Assim, apresente a empresa, explique como a sua estrutura está dividida em seções e departamentos e mostre como o fluxo de trabalho se dá entre essas subdivisões. Além disso, faça também uma contextualização externa, explicando todos os fatores de fora da empresa que impactam as suas atividades: aspectos políticos, legais, econômicos, socioculturais, ambientais e tecnológicos. Não se esqueça de citar os concorrentes diretos e indiretos.

3. Realize treinamentos de capacitação

Além da base teórica que constitui a visão sistêmica na empresa, é importante treinar cada colaborador para que faça um bom uso dessa visão em seu dia a dia de trabalho. Para que isso ocorra da melhor maneira possível, é fundamental promover cursos e treinamentos de capacitação profissional, desenvolvendo competências específicas.

Além das habilidades típicas de cada cargo, é importante também desenvolver competências comportamentais, como a criatividade, a clareza de comunicação, a proatividade, o bom relacionamento interpessoal e a pontualidade, por exemplo. Em todos esses processos, é essencial a participação ativa do departamento de recursos humanos.

4. Adote um sistema de comunicação interna eficaz

O pensamento sistêmico é beneficiado em uma organização quando a informação transita entre as pessoas e entre os departamentos com facilidade. Assim, os diferentes setores cooperam uns com os outros para que os objetivos organizacionais sejam alcançados, sem haver grandes entraves entre um departamento e outro.

Para que isso ocorra, é primordial contar com soluções eficazes em comunicação interna e em gerenciamentos de projetos, de modo que toda a empresa esteja conectada e consiga estabelecer comunicação facilmente entre quaisquer funcionários.

As 4 dicas acima são o básico para que uma empresa seja mais integrada e para que cada colaborador desenvolva essa visão holística, isto é, esse pensamento sistêmico e contextualizado na empresa, que lhes permite tomar decisões mais claras e sensatas, sempre correlacionando o seu trabalho com o dos demais colaboradores.

E você, querida pessoa, trabalha com o pensamento sistêmico em seu ambiente profissional, ou por lá ainda funciona o modelo “cada um no seu quadrado”? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Por fim, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!