Você sabia que o cérebro humano demora alguns minutos para “pegar o embalo” em qualquer atividade que realiza? Isso quer dizer que sempre que uma distração interrompe aquilo que estamos fazendo, a mente precisará, novamente, daqueles minutos para recuperar o fio da meada.

Isso lhe parece familiar? Pois saiba que você não está sozinho. A verdade é que a vida contemporânea nos oferece uma série de estímulos e distrações a todo instante, como o telefone que toca, a tentação de checar as redes sociais, a televisão, e por aí vai. Se você sofre com esse problema e se percebe que ele tem roubado a sua produtividade, continue a leitura deste artigo e confira as dicas que separamos!

Potencialize suas habilidades e permaneça em constante desenvolvimento!
Clique aqui e descubra como isso é possível! Acesse “Tudo sobre Coaching”!

1. Tenha uma agenda

Ter uma agenda é um hábito transformador para a produtividade das pessoas. Por meio desse “mágico objeto”, elas podem organizar melhor o seu tempo, definindo datas e horários para absolutamente tudo o que devem fazer. Isso permite que as pessoas não se sobrecarreguem, pois serão capazes de distribuir os seus compromissos adequadamente ao longo da semana e também ao longo do dia.

Quando as pessoas têm consciência de tudo o que precisam fazer ao longo do dia, elas tendem a monitorar melhor as suas atitudes em relação às distrações. Além disso, olhar para um cronograma oferece aos indivíduos uma sensação de controle, o que lhes dá mais tranquilidade e autoconfiança.

Em contrapartida, aquela pessoa que não faz ideia do que tem que fazer no dia ou na semana pode ficar com a sensação de “já estou atrasado mesmo, então vou me distrair um pouco”. Esse pensamento é um gatilho perigoso, mas o simples fato de utilizar uma agenda pode colocar-lhe um fim.

2. Organize os espaços

O cérebro é um órgão que gosta de organização. Ele precisa compreender sistemas lógicos e organizados para que funcione em sua máxima capacidade. Em compensação, quando estamos em um ambiente bagunçado e desorganizado, esse poderoso órgão fica incomodado, perdendo muito da sua energia apenas tentando compreender onde estão os itens de que necessita.

PSC

Por isso, antes de iniciar qualquer atividade, organize o espaço e providencie todos os materiais de que você necessitará. Assim, você não precisará interromper a atividade para pegar a ferramenta que esqueceu.

A organização e a limpeza dos ambientes em que estamos tornam os locais menos estimulantes às distrações. Se você está estudando em seu quarto, mas, ao seu lado, há uma pilha de roupas sujas, por exemplo, ela será um lembrete constante de que você precisa lavá-las — um pensamento que tende a distraí-lo da sua atividade. Por isso, organize o seu ambiente.

3. Faça uma coisa de cada vez

O estilo de vida moderno muitas vezes divulga e incentiva o fato de realizar várias tarefas ao mesmo tempo. Existe até mesmo um termo em inglês para isso — o multitasking (multitarefa). É claro que há casos em que isso é inevitável, como quando estamos preparando o jantar, mas temos que cuidar do bebê que começou a chorar.

No entanto, sempre que possível, evite fazer mais de uma coisa de uma vez. Como citamos anteriormente, o cérebro gosta de economizar energia. Quando fazemos coisas diferentes ao mesmo tempo, ele precisa ficar “ajustando” o seu modo de funcionar a todo instante, pois tarefas diferentes exigem habilidades diferentes. Isso é extremamente cansativo e promove perda de energia, como se uma atividade fosse uma distração para a outra.

Cansados, acabamos por não executar com qualidade nenhuma das atividades iniciadas. Isso nos gera cansaço e frustração, dois gatilhos enormes para uma distração, como as redes sociais. Portanto, evite esse comportamento e faça uma coisa de cada vez.

4. Faça pausas

Se o cérebro demora algum tempo para “pegar o embalo” e mergulhar completamente numa atividade específica — o chamado “estado de flow” —, também é fato que essa atenção plena não dura muito tempo. Os especialistas divergem em relação ao valor exato, mas, em média, considera-se que uma pessoa não consiga permanecer 100% focada num mesmo aspecto por mais de 10 minutos.

Agora, imagine você, sentado na cadeira do escritório, executando a mesma tarefa há duas horas? É pedir para distrair-se, não é mesmo? Portanto, para combater esse cansaço da mente, faça pausas. Levante-se da sua cadeira de trabalho/estudo, caminhe por alguns minutos, tome um café, converse sobre amenidades com os colegas.

Como um mecanismo de recompensa, faça durante a pausa tudo aquilo de que você tem vontade, como checar as redes sociais ou bater um papo informal. No entanto, cronometre essa pausa, de modo que não ultrapasse os 15 minutos. Atente-se em especial às redes sociais, pois elas foram feitas exatamente para que você perca a noção do tempo e não saia mais delas. Só entre nesses sites durante a pausa.

5. Afaste-se dos gatilhos

O problema da distração é que a vontade de fazer qualquer outra coisa surge no meio das nossas obrigações. Nesse sentido, é importante saber que toda distração tem um gatilho, ou seja, um fator que estimula a sua ocorrência.

Dessa forma, reconhecer e eliminar todos os gatilhos são maneiras de evitar a tentação de distrair-se por algum motivo. Quer ver alguns exemplos?

Se você trabalha diretamente no computador, não fique logado nas suas redes sociais. Entre e saia delas apenas durante as pausas;

Se você fica curioso toda vez que uma notificação de celular chega, desabilite-as. Os sons e as mensagens que aparecem na tela são gatilhos para que você abra as notificações para descobrir a que se referem;

Se a vontade de ligar a televisão na hora de estudar for grande, tire o equipamento da tomada e deixe o controle remoto do outro lado da sala;

Se o seu vizinho está dando uma festa na piscina, feche as janelas da sua casa/apartamento para não se distrair com o som e com a “visão” do evento.

Os exemplos acima são alguns dos principais gatilhos e métodos de bloqueá-los. Assim, analise os momentos em que você se distrai e identifique os gatilhos da sua rotina. Faça o possível para contê-los.

6. Entre “na bolha”

Entrar na bolha significa isolar-se do mundo ao seu redor. Por exemplo, se você trabalha em um ambiente em que as pessoas são naturalmente mais falantes, mas o seu trabalho exige concentração, coloque fones de ouvido com uma música instrumental que estimula a atenção plena. Essa é uma maneira de “entrar na bolha”.

Se estiver em casa e precisar realizar uma atividade mais complexa, vá para um cômodo mais silencioso, feche a porta e peça, por gentileza, para que as pessoas que convivem com você não o interrompam. Se possível, peça-as também para que atendam aos telefonemas e toques da campainha, de modo que você não precise interromper a sua tarefa.

Aprenda a entrar na bolha e fique imune às distrações ao seu redor. Contudo, entenda que nem tudo será perfeito. Vivemos num mundo naturalmente cheio de estímulos. Uma moto barulhenta ou um cachorro latindo podem passar pela rua, sem que você possa controlar esses fatores. Portanto, seja realista: administre as distrações que você pode evitar, mas entenda que nem tudo está sob o seu controle. Seja paciente e flexível!

Que as dicas acima possam auxiliar-lhe no combate às distrações e numa rotina mais produtiva! Se você gostou delas, deixe o seu comentário no espaço abaixo. Por fim, compartilhe este artigo com todos os seus amigos, colegas, familiares e com quem mais possa se beneficiar deste conteúdo, por meio das suas redes sociais!

Imagem: Por fizkes