Homem no por do sol, lendo um livro de pé e exercitando sua espiritualidade

Viacheslav Boiko’s/Shutterstock Quando corpo, mente e espírito estão em sintonia podemos exercer de fato nossa espiritualidade.

Muitas pessoas costumam confundir o conceito de espiritualidade e religiosidade. Para definir esses conceitos, é necessário muito estudo e leitura a respeito dos temas. A confusão começa pelo fato de que a espiritualidade foi conceituada ao longo dos anos de diversas maneiras, tanto na literatura quanto em diversos campos de estudo. Dentro da literatura acadêmica, até hoje não existe um conceito definitivo respeito do termo.

Existem maneiras variadas de conceituar a espiritualidade:

  • “A resposta humana ao chamado da graça de Deus para um relacionamento com este”.
  • “Uma experiência subjetiva do sagrado”.
  • “Uma maneira de ser e experimentar que se dá através da consciência de uma dimensão transcendente e é caracterizada por certos valores identificáveis ​​no que diz respeito a si mesmo, a vida e tudo o que se considera ser Supremo”.
  • “Uma dimensão transcendente dentro da experiência humana, descoberta em momentos em que o indivíduo questiona o sentido da existência pessoal e procura se colocar dentro de um mais amplo contexto ontológico”.

Quer vivenciar uma oportunidade extraordinária na sua vida?
Acesse o meu curso “Introdução ao Coaching”, é um presente!

Expandindo os Conceitos de Religiosidade e Espiritualidade

Podemos dizer que a espiritualidade está relacionada a uma jornada pessoal e relacional, portanto encontrar um conceito global para o termo não é uma tarefa fácil. Além disso, existe outro aspecto que contribui para a falta de clareza relacionada ao conceito de espiritualidade: A religiosidade.

O interesse em práticas religiosas orientais, como a meditação e a yoga vem crescendo cada vez mais. Em estudos, os pesquisadores Hood e Zinnbauer, destacam o crescimento da quantidade de indivíduos nos Estados Unidos que definem a espiritualidade de maneira a rejeitar o contexto religioso tradicional que Hood denominou “místicos espirituais” e Zinnbauer identificou como “espirituais, porém não religiosos”.

As pessoas que se consideram “espirituais, porém não religiosas” percebem a religião como o maior inimigo da espiritualidade autêntica. Essas pessoas criam sua espiritualidade individual. Elas buscam e escolhem crenças e práticas de uma gama variada de religiões e filosofias alternativas, percebendo a espiritualidade como uma jornada relacionada com o alcance do crescimento e desenvolvimento individual.

PSC Renascimento

Com o surgimento dessa percepção, religiosidade e espiritualidade passaram a ser conceituadas de maneiras diferentes. O conceito de religiosidade ficou mais ligado a instituições religiosas estruturadas e a um conjunto determinado de crenças, enquanto que a espiritualidade passou a ser utilizada para descrever experiências individuais relacionadas com significados pessoais e transcendência.

Durante a última metade do século XX, surgiram outras formas de distinguir religião e espiritualidade, relacionadas às esferas: pública e privada: A espiritualidade estaria mais relacionada à esfera privada de pensamentos e experiências, enquanto a religiosidade estaria mais associada à esfera pública das instituições e doutrinas oficiais.

Apesar de a religiosidade ser vista como um conceito mais objetivo e institucionalizado, e a espiritualidade ser vista como um conceito mais subjetivo e interiorizado, alguns autores e estudiosos contestam a dualização dos conceitos, pois consideram que ambos são fenômenos conectados. Dessa maneira, tendo cada indivíduo o direito de interpretar o mundo como desejar, de acordo com suas crenças e sua visão, cabe a cada um de nós escolher a maneira como difere religiosidade e espiritualidade.

De modo geral, a grande maioria das pessoas opta pela diferenciação feita por Zinnbauer, que coloca que “a espiritualidade é definida como uma busca pessoal ou em grupo pelo sagrado” e “a religiosidade é definida como a busca pessoal ou em grupo pelo sagrado que se desenrola dentro de um contexto sagrado tradicional”.

De forma prática, religião pode ser definida como “crença em Deus ou deuses a serem adorados, geralmente expressada em conduta e ritual” ou “qualquer sistema específico de crença, adoração, e outros conjuntos de dogmas e/ou doutrinas que envolvam um código de ética”.

Quer vivenciar uma oportunidade extraordinária na sua vida?
Acesse o meu curso “Introdução ao Coaching”, é um presente!

 Espiritualidade x Religiosidade

Espiritualidade pode ser definida como “a qualidade ou fato de ser espiritual, não físico” ou “caráter predominantemente espiritual, geralmente demonstrado no modo de pensar, viver, se relacionar, entre outros que tenham tendência ou tom espiritual”.

Resumidamente, religiosidade é um conjunto de crenças e rituais que clamam colocar seus seguidores em um relacionamento correto com Deus, e espiritualidade é o foco em coisas espirituais e no mundo espiritual ao invés de em coisas terrenas e físicas.

Apesar de ambos os termos estarem relacionados à busca constante do contato com o Divino, a religiosidade ocorre dentro de um contexto tradicional, uma forma mais organizada de tradição que inclui um sistema específico de crenças, práticas e valores. Já a espiritualidade, é tida como mais abrangente por não se ater a apenas um sistema de regras, e sim, ser desenvolvida com base em uma coletânea de várias práticas, crenças e valores.

Existe uma gama infinita de conceitos relacionados à religiosidade e a espiritualidade. Cabe a cada um de nós, por termos o livre arbítrio, escolher no que acreditar.  Em que você acredita? Que conceito de religião e espiritualidade faz mais sentido para você?  Reflita…