Querida pessoa, você já se sentiu ferido em algum momento da sua vida? Não estamos falando de feridas em sentido literal, mas de feridas da alma. Muitas vezes, somos feridos por aquilo que alguém faz ou diz. Às vezes, isso acontece de forma acidental, às vezes intencional.

O fato é que as feridas podem acontecer a qualquer pessoa e a qualquer momento, cabendo a cada um de nós saber como lidar efetivamente com eles. Se você sofre porque alguém o feriu ou porque você, de alguma maneira feriu a si mesmo, continue a leitura a seguir. Confira o que podemos aprender nesses momentos tão delicados!

Por que as feridas nos atingem?

Deus não nos fere propositalmente para gerar sofrimento. No entanto, Ele permite que o sofrimento apareça em alguns momentos das nossas vidas. Ele não nos concede o que queremos, mas o que precisamos para crescer e evoluir, e isso nem sempre é agradável a princípio. É como cuidar de crianças: elas não querem comer vegetais ou tomar banho, mas devemos forçá-las a esses itens, pois são necessários — mesmo que não pareçam prazerosos.

Além disso, as pessoas que nos ferem podem fazer isso por duas maneiras: porque querem nos prejudicar ou porque querem nos ajudar. Quem nos fere para nos prejudicar exala toxicidade. Quem nos fere para nos ajudar, por sua vez, faz aquela crítica dolorosa, mas altamente construtiva. É como aquela bronca do médico, que diz que você precisa mudar o seu estilo de vida imediatamente. 

Por isso, lidar com as feridas demanda discernir o que é tóxico do que é construtivo, o que envolve uma análise das pessoas de quem essa ferida partiu. É desse discernimento que vêm os aprendizados que nos conduzem ao progresso.

Há algum lado bom em ser ferido?

As feridas são as cicatrizes que provam tudo aquilo que nós já superamos. É como a musculação: submetemos os nossos músculos a dores e processos inflamatórios justamente para que eles cresçam e se fortaleçam — são as provas da nossa dedicação e da nossa superação.

PSC Renascimento

Uma pessoa que sofreu por amor, por exemplo, carrega consigo essa ferida, mas, quando cicatrizada, ela se transforma em aprendizado e em força: não confiar em qualquer pessoa, manter as expectativas sob controle, não fazer ao outro aquilo que eu não gosto que façam comigo etc.

Quem foi ferido pode carregar consigo valiosos aprendizados, justamente para que não seja ferido novamente — ao menos não da mesma forma.

O que podemos aprender com as feridas da vida?

Agora que você já compreende o que são e por que ocorrem feridas ao longo da nossa vida, descubra o que podemos aprender com elas.

1. Que nem todos querem o nosso bem

Quem é ferido pode se dar conta, de uma maneira amarga, que nem todo mundo quer o seu bem. Há pessoas que nos ferem por medo, ingratidão, egoísmo ou inveja. Há até mesmo aqueles que, na nossa frente, evitam nos ferir, mas fazem isso pelas nossas costas. 

Sim, é comum que o inimigo lhe dê apenas aquilo que você deseja, não por lealdade, mas por pura falsidade. A ferida real vem logo em seguida. Quem sofre com essa ferida aprende a não confiar em todo mundo e a selecionar melhor quem entra na sua vida.

2. Que nem sempre nós sabemos o que é melhor

Como citamos acima, às vezes acontece de nós ferirmos a nós mesmos, acidentalmente. Isso pode ocorrer porque deixamos de prestar atenção à nossa saúde física, à nossa saúde mental, às nossas finanças, aos nossos relacionamentos, aos nossos estudos, ao nosso trabalho, e por aí vai. 

Ferir a si mesmo é um sinal de que estamos negligenciando a nós mesmos e de que precisamos cuidar de nós com mais carinho. Não se trata de egoísmo, mas de amor-próprio e autocuidado.

3. Que os erros são fontes de aprendizado

A criança que coloca o dedo na tomada e toma um choque se fere e aprende a nunca mais fazer isso. O mesmo vale para as feridas emocionais da vida: elas nos ensinam comportamentos que não devem ser repetidos daqui para frente. 

Mais do que isso, elas podem até mesmo revelar que precisamos de mudanças: de emprego, de amigos, de amores, de atitudes, de hábitos, e por aí vai. Aquilo que dói é sintoma de um problema e, portanto, o primeiro passo para alcançar a cura — desde que estejamos dispostos a aprender com os nossos sentimentos.

4. Que a dor pode nos fortalecer

Quando uma pessoa passa por um momento muito doloroso, ela pode cair, desabar, desanimar e sofrer. No entanto, com o passar do tempo, as suas forças físicas e emocionais são recuperadas — por conta própria ou com a ajuda de profissionais (seja da saúde física, seja da saúde mental). Assim, além dos aprendizados racionais, as feridas também geram inteligência emocional. Quando superamos essas dores, descobrimos que somos mais fortes, corajosos, resilientes e capazes do que imaginamos.

5. Que é na adversidade que testamos a nossa fé e as nossas competências

Ter fé em Deus quando tudo vai bem é fácil. Todavia, quando o namorado nos trai, quando os amigos desaparecem, quando a saúde é abalada e quando o dinheiro acaba, tudo fica mais difícil. Por isso, saiba que as feridas da vida são também provas de fé, como a própria Bíblia relata com diversos personagens. É na dor que descobrimos o tamanho da nossa fé, entre outras competências: inteligência, criatividade, comunicação, tomada de decisões, planejamento estratégico, e por aí vai.

6. Que nenhum mal dura para sempre

Onde há ferida, há cicatrização. Por mais que o nosso corpo nunca mais seja o mesmo, a ferida diminui, assim como a dor que vinha junto. Dessa forma, fica um grande e valioso aprendizado: não há mal que dure para sempre. Tudo na vida passa, inclusive os momentos difíceis, que parecem insuportáveis e eternos. Isso é um convite para que sejamos mais pacientes e persistentes, sabendo que sempre vem uma calmaria depois de uma tempestade. Não desista!

7. Que nós também ferimos, mas devemos evitar

Por fim, a dor da ferida também desenvolve em nós a humildade. O sofrimento que sentimos nos ajuda a nos colocar no lugar de outras pessoas que também sofrem. É assim que desenvolvemos a empatia. Quem sofre, na maioria dos casos, sabe que isso é terrível e, portanto, evita causar esse sofrimento a outras pessoas. Assim, as feridas que sofremos nos ajudam a não ferir os outros. É dessa forma que nos fortalecemos enquanto sociedade, nos tornando mais solidários e altruístas.

O propósito deste artigo não é, de forma alguma, romantizar a ferida. Sabemos que as dores e decepções geram incômodo e sempre queremos evitá-los. Entretanto, se você ficar mais atento aos 7 pontos destacados acima, certamente conseguirá passar por essas adversidades com mais leveza, serenidade e força de vontade. Que as suas feridas cicatrizem rapidamente, gerando apenas aprendizado e evolução!

E você, ser de luz, como lida com as suas feridas? O que tem aprendido com elas? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!