A autoconfiança é fundamental na vida de qualquer pessoa, afinal de contas, apenas depois de confiar em si mesmo é que se torna possível ir em busca de objetivos e evoluir cada vez mais. Entretanto, como acontece com tudo na vida, o excesso de confiança deve ser evitado, porque compromete o julgamento de um indivíduo e pode levá-lo a meter os pés pelas mãos.

Quer saber mais a respeito dos perigos do excesso de confiança e como evitá-lo? É só continuar a leitura!

O que excesso de confiança causa?

Para que entenda melhor o quanto o excesso de confiança é problemático, vamos imaginá-lo dentro do contexto do trânsito. Um bom condutor é aquele que está preparado para dirigir, mas continua ciente de que deve estar atento aos outros veículos, às placas, radares e assim por diante.

Já o motorista com excesso de confiança acha que sabe tanto sobre o trânsito que não precisa se ligar aos detalhes, não respeita a sinalização, não olha com atenção ao redor, dirige depois de ingerir bebidas alcoólicas e, assim, coloca a si e aos outros em risco.

O mesmo se aplica à vida de forma geral, a pessoa com excesso de confiança se esquece de se atentar a detalhes que são importantes. Isso sem contar que ela pode se tornar arrogante, comprometendo seus relacionamentos e seu desenvolvimento, já que acha que sabe tanto que não tem mais nada a aprender.

E a vida é um eterno aprendizado, devemos buscar evoluir para fortalecer nossa autoconfiança, acreditar em nós mesmos, no nosso potencial, mas nunca achar que já sabemos tudo. É através do equilíbrio que conseguimos ser confiantes sem nos tornarmos arrogantes.

Algumas atitudes que o excesso de confiança pode gerar incluem:

PSC

Falta de atenção aos detalhes: assim como no trânsito, muitas situações da vida requerem atenção aos detalhes. Com o excesso de confiança, diversos aspectos são ignorados, o que pode resultar em situações desastrosas.

Otimismo utópico: ser otimista é esperar que o melhor aconteça, mas sempre dentro do que é possível e real. Um indivíduo excessivamente confiante corre o risco de apresentar níveis de otimismo fora da realidade, o que irá comprometer suas expectativas e decisões.

Achar que é melhor em algo do que realmente é: uma pessoa autoconfiante é aquela que reconhece o seu potencial e usa isso a seu favor. Existem algumas que não estão verdadeiramente preparadas, mas sentem como se estivessem, com isso, estão sujeitas a cometer muitos erros, prejudicando a si e aos outros.

Ousar de forma irreal: a ousadia é uma característica positiva em muitas situações, indivíduos ousados são corajosos e buscam ir além quando acreditam que são capazes. Mas, ao mesmo tempo em que isso pode render muitas conquistas e desenvolvimento, pode resultar em frustração se a pessoa não agir com os pés no chão e ciente da realidade.

Negligenciar riscos: qualquer atitude que tenhamos possui riscos, em uns casos eles são maiores e em outros menores, mas sempre estão lá. É claro que não devemos pensar neles o tempo todo, mas algumas situações requerem certos cuidados especiais que o excesso de confiança pode comprometer.

Dicas para ter confiança em si mesmo na medida

Depois de conhecer os perigos do excesso de confiança, aproveite para conferir dicas de como ser uma pessoa confiante na medida, acreditando em si mesmo, mas sempre tendo os pés no chão.

1 – Reconheça seu potencial

Em primeiro lugar, é preciso que busque se conhecer e reconheça o seu potencial, atentando-se também aos pontos que precisa desenvolver. O autoconhecimento é a melhor maneira de se tornar consciente sobre quem é de verdade e tomar decisões com sabedoria, sem pecar pela falta ou pelo excesso de confiança.

2 – Tenha sempre o desejo de aprender

Enquanto estivermos neste mundo podemos aprender e isso é fantástico! Se você tiver esse desejo forte em seu interior, não correrá o risco de se tornar excessivamente confiante. Por isso, procure ser uma pessoa curiosa, evite se contentar com o que já sabe, isso te fará muito bem e trará benefícios para todas as áreas da sua vida.

3 – Peça feedbacks para pessoas próximas

Ouvir feedbacks de terceiros é um tabu para muitas pessoas que não conseguem lidar com críticas. Se tem esse problema, comece pedindo a opinião de entes queridos, indivíduos com os quais tem intimidade. Com o tempo verá que, quando um comentário é feito com o objetivo de te incentivar a evoluir, não há o que temer.

4 – Avalie as consequências das atitudes

Pessoas com excesso de confiança se tornam inconsequentes porque ignoram o que as suas atitudes podem gerar. Dessa forma, é sempre importante avaliar se o seu comportamento pode render algum prejuízo a você ou um terceiro. Ao fazer isso, lembre-se de ter empatia e se colocar no lugar do outro.

5 – Tenha a humildade como um valor em sua vida

A humildade é um valor fundamental para quem não deseja se perder pelo excesso de confiança. Ser humilde não é se colocar como inferior em relação aos demais e sim ter a consciência de que não é superior a ninguém. Quando o indivíduo tem essa característica, entende que não sabe tudo e que deve tomar certos cuidados.

6 – Use os erros para aprender e evoluir

Quando uma pessoa com excesso de confiança erra, encontra formas de se eximir da culpa, terceirizando-a. Se não deseja que isso aconteça contigo, aceite quando falhar e use essas experiências para aprender lições importantes sobre a vida e evoluir. O erro não te torna uma pessoa pior, ele faz parte do processo de desenvolvimento de cada ser humano, é a forma como se lida com ele que faz a diferença.

7 – Preze pelo equilíbrio em todas as áreas da sua vida

Para concluir, busque prezar pelo equilíbrio sempre, em todas as áreas da sua vida. Isso te ajudará a manter o excesso de confiança longe, além de garantir que também confie em si mesmo, mas, claro, de forma saudável e realista.

O personagem Luke Skywalker, da série de filmes Star Wars, tem uma fala muito interessante sobre o assunto, que diz: “Seu excesso de confiança é sua fraqueza”. Pense nisso e aproveite para compartilhar o artigo em suas redes sociais!