Yin Yang é um símbolo bastante famoso, mas que poucos conhecem o seu real significado. Trata-se de um conceito originado no Taoísmo, uma filosofia chinesa criada na Antiguidade, que, basicamente, representa a dualidade de tudo o que existe no universo. 

Como se pode perceber ao observar a imagem, dentro de cada uma das partes existe um núcleo na cor contrária, mostrando que, mesmo diferentes, possuem características que estão relacionadas ao seu oposto. Neste artigo, vamos entender melhor o significado desse símbolo e como podemos colocar em prática toda a filosofia que o embasa. Confira!

O que é Yin Yang? O que significa?

O símbolo Yin Yang é uma representação da dualidade presente na natureza. Assim, o yin, que é o lado da cor preta, representa, entre outras coisas, calma, intuição, sombra, a lua e o feminino. Enquanto isso, o yang, lado branco, simboliza energia, racionalidade, luz, ordem, sol, o masculino. 

Vale lembrar que esses são apenas alguns exemplos de representação, já que a ideia central não é retratar elementos predeterminados, mas mostrar o equilíbrio existente entre coisas que são opostas, contudo, complementares.

O universo é composto por inúmeras forças que, muitas vezes, são opostas, mas que, ainda assim, coexistem e se complementam. O dia precisa da noite para existir, a sombra precisa da luz, o masculino precisa do feminino, e vice-versa, o caos precisa da ordem e assim por diante. Esses e tantos outros elementos opostos se alternam e, dessa maneira, funcionam de maneira equilibrada. Acredita-se que esse equilíbrio entre yin e yang esteja presente em tudo o que compõe o universo.

Um ponto importante a ser considerado é que nem yin e nem yang representam sozinhos o bem ou o mal. O bem, por exemplo, é simbolizado pelo equilíbrio que deve existir entre as duas partes, que é o que torna possível a coexistência entre os lados opostos. Já o mal é fruto do desequilíbrio e da desordem entre essas forças.

Qual é a origem desse conceito?

PSC Renascimento

Yin Yang é um conceito filosófico chinês que descreve duas forças complementares e interconectadas que estão presentes em todas as coisas do universo. O símbolo Yin Yang, também conhecido como Taijitu, é a representação gráfica desse conceito.

De acordo com a filosofia chinesa, o Yin e o Yang são opostos complementares que se equilibram mutuamente. O Yin é associado a características femininas, como escuridão, passividade, frio e introversão, enquanto o Yang é associado a características masculinas, como luz, atividade, calor e extroversão. Apesar de opostos, eles não são considerados como forças negativas ou positivas, mas sim como diferentes aspectos que se complementam.

A origem do símbolo Yin Yang remonta à Antiguidade chinesa. Ele está relacionado com a filosofia taoísta, e as suas raízes podem ser encontradas no livro chamado “Yijing” (ou “I Ching”), também conhecido como “Livro das Mutações”. O “Yijing” é um texto clássico chinês que descreve princípios de dualidade e mudança.

O símbolo Yin Yang é composto por um círculo dividido em duas partes, uma preta (Yin) e outra branca (Yang). Cada parte possui um pequeno ponto em sua área oposta, indicando que há uma semente do oposto dentro de cada aspecto. Além disso, as partes Yin e Yang estão em constante movimento, mostrando que o equilíbrio entre elas é dinâmico e mutável.

O Yin Yang tornou-se um símbolo amplamente reconhecido em todo o mundo, inclusive no ocidente, e é frequentemente associado à harmonia, ao equilíbrio e à interconexão de forças opostas. É usado não apenas na filosofia chinesa, mas também em várias áreas, como a medicina tradicional chinesa, artes marciais e diversas práticas espirituais.

Como podemos aplicar essa filosofia no dia a dia?

Dentro da filosofia do Taoísmo, não há nada que seja considerado completamente bom ou ruim. Para os seus seguidores, todos devem aprender tanto do lado yin quanto do lado yang, a fim de que sigam o seu caminho em equilíbrio. Dessa forma, ao viverem em harmonia com os seus opostos, não precisarão ir contra o fluxo natural do universo. Para entender melhor, veja algumas atitudes necessárias para viver isso na prática.

  • Viva com equilíbrio

Assim como o Yin e o Yang estão em constante equilíbrio, nós podemos buscar um equilíbrio saudável nas nossas vidas. Isso envolve equilibrar o trabalho e o descanso, o tempo com os outros e o tempo sozinho, a atividade física e o descanso, entre outros aspectos. Reconhecer a importância de ambos os lados e buscar um equilíbrio entre eles pode nos ajudar a viver de forma mais harmoniosa. Para isso, conheça e viva um pouco de tudo, sem pecar pela falta ou pelo excesso.

  • Aceite as dualidades da vida

Reconhecer que há aspectos positivos e negativos em todas as situações e em nós mesmos é importante. A vida é composta por altos e baixos, luz e escuridão. Aprender a aceitar e a integrar essas dualidades nos permite desenvolver uma perspectiva mais ampla e compreensiva. Não podemos viver no 8 ou 80. A vida é mais complexa do que essas crenças absolutas. Aliás, o próprio ser humano é mais complexo do que qualquer categoria que nós mesmos criemos.

  • Compreenda as interconexões

O conceito de Yin Yang nos lembra de que tudo está interconectado. Dessa forma, as nossas ações têm consequências e afetam não apenas a nós mesmos, mas também as pessoas e o ambiente ao nosso redor. Desenvolver uma consciência das interconexões pode nos levar a tomar decisões mais conscientes e a considerar o impacto que temos uns nos outros e no mundo. Para isso, reflita, analise as possibilidades de ação e aja sempre de forma estratégica.

  • Abrace as mudanças

Assim como o Yin Yang está em constante movimento, a vida também está em constante mudança. Aprender a se adaptar às mudanças e a fluir com elas, em vez de resistir, pode nos ajudar a lidar melhor com os desafios e a aproveitar as oportunidades que surgem. A vida não é permanente. Nenhum momento é definitivo. Quando entendemos que a realidade é efêmera, equilibramos as nossas ações e emoções, entendendo que o futuro pode ser bem diferente do hoje ou do ontem.

  • Reconheça as nossas complementaridades

O Yin e o Yang são complementares, e reconhecer a importância de ambos os aspectos em diferentes situações pode ser útil. Em vez de ver as diferenças como opostas e conflitantes, podemos buscar a integração e encontrar maneiras de aproveitar as qualidades de ambos os lados para obter melhores resultados. Os seres humanos são naturalmente diferentes, e são essas diferenças que nos fortalecem enquanto grupo. Seríamos mais fracos se todos fossem iguais, não acha?

  • Ouça mais e discuta menos

Quando você entra em uma discussão com alguém e faz de tudo para forçar a pessoa a concordar com a sua opinião, está causando um desequilíbrio, pois o seu lado yang está tentando ocupar o espaço do yin. Por isso, o melhor a fazer é evitar discussões que você, no fundo, sabe que não servirão para nada, a não ser causar estresse e até mesmo desentendimentos e inimizades.

A atitude mais sábia que qualquer pessoa pode ter é ouvir mais e fazer isso na essência, dedicando toda a sua atenção para escutar o que o outro tem a dizer. Assim, estará permitindo que yin e yang permaneçam em equilíbrio e poderá realmente entender o lado do seu interlocutor. O ato de ouvir promove o diálogo sadio, que é o que leva ao entendimento.

  • Recue quando necessário

Insistir em algo que não está dando certo ou não esperar o tempo para as coisas acontecerem é outro exemplo de desequilíbrio entre yin e yang. Saber quando recuar, esperar ou mudar de caminho é uma atitude essencial para se equilibrar novamente. Muitas vezes, dar um passo para trás ou ter paciência para aguardar os resultados das suas ações é o que fará com que você consiga progredir mais rapidamente.

Isso se aplica a planos profissionais, vida pessoal, ou mesmo a circunstâncias do dia a dia, como no trânsito. Lembre-se sempre de que a pressa é inimiga da perfeição e que querer fazer de tudo para chegar mais rápido pode levá-lo a situações que o farão parar e aguardar, mesmo contra a sua vontade. Por isso, aja sempre com sabedoria e saiba quando o melhor a fazer é recuar.

  • Não se preocupe em ser o melhor, mas sim em ser você

Buscar a evolução é maravilhoso e algo que todos devem sempre fazer. Contudo, isso deve ser motivado por questões pessoais, e não por status ou pelo desejo de ser superior em relação aos demais. Essa busca desenfreada por ser o melhor pode afastá-lo do equilíbrio e da maior riqueza que você tem, que é a sua essência.

Evite medir o seu sucesso pela régua dos outros. Descubra qual é a sua própria métrica e utilize-a para aprender, se desenvolver, evoluir e superar a si mesmo continuamente. Ninguém precisa ser o melhor para ser feliz, basta que seja o melhor que puder ser, sempre se comparando apenas com o que você já foi um dia, e não com outras pessoas. Cada indivíduo é único.

  • Preze sempre pela simplicidade

As complicações nos distanciam do que é necessário para alcançar o equilíbrio, e isso se aplica a todas as áreas da vida. Atitudes, sentimentos, objetos, pessoas: quanto mais complicado, mais desequilibrado. Grande parte dos problemas e excessos que muitas pessoas carregam é fruto da falta de autoconhecimento. Como elas não conhecem a sua real essência, tomam atitudes movidas por valores e desejos alheios, tentando preencher a vida com coisas materiais — que têm a sua importância, mas não tanta.

Nesse sentido, é importante que cada um busque refletir a respeito do seu comportamento, conheça os seus sentimentos e emoções e, assim, viva de forma descomplicada. É claro que não existe uma receita pronta para ser feliz, contudo, ouvir o seu eu interior e agir de acordo com ele certamente fará com que você se aproxime cada vez mais da sua felicidade.

  • Seja flexível, mas sem abrir mão dos seus princípios

Para os taoístas, as pessoas mais sábias são aquelas que sabem se adaptar de acordo com a necessidade e que são flexíveis. Ao observar o símbolo yin e yang, perceba que, se não houvesse flexibilidade, as duas partes não conseguiriam coexistir em equilíbrio. Na vida, em muitas situações, adaptar-se é uma atitude muito mais sábia do que bater de frente com algo. 

No entanto, jamais confunda ser flexível com ser acomodado, pois são ideias completamente diferentes. Há momentos em que você realmente deve defender as suas ideias e valores, sem abrir mão deles. Tenha sempre esse discernimento.

  • Evite a impulsividade

Pessoas nervosas são impulsivas. Falam/agem e depois é que vão pensar. Em uma situação em que o nervosismo esteja superando o equilíbrio, pare e respire. Escolha outro momento para agir. As emoções são importantes para compreendermos os fatos, mas não é bom agir quando elas estiverem em forte intensidade. Lembre-se de que tudo é passageiro, o que inclui os sentimentos. Assim, respire fundo e tenha em mente que o pensamento racional em breve retornará para embasar decisões mais sábias.

  • Cuide da sua saúde física e mental

Procure dormir o suficiente. Beba menos café, pois ele tem cafeína e dificulta o sono. Pratique exercícios físicos, escolha os alimentos mais saudáveis para as suas refeições e em horas adequadas. Isso fará com que você reponha a sua energia, aumente a sua capacidade de raciocinar, diminua a ansiedade e mantenha-se em equilíbrio. 

Além disso, faça mais aquelas atividades que lhe dão prazer, como os seus hobbies, a prática esportiva, os passeios e viagens e a convivência com amigos e familiares. Ouvir música também faz bem, pois relaxa. No entanto, cuidado na escolha das músicas. Procure aquelas que o acalmem, e não as que podem deixá-lo mais triste ou mais agitado.

  • Equilibre o seu tempo

Em casa, procure ocupar-se com o que traz paz e alegria. Não trabalhe em casa ou leve tarefas incompletas para terminar no seu lar. Procure sair com os amigos e com a família. Isso fará com que você volte para o trabalho no dia seguinte sem estresse. O tempo é um recurso precioso, e nós precisamos distribuí-lo adequadamente entre as diferentes áreas da vida: trabalho, estudos, lazer, descanso, família, amigos, autocuidado etc. As suas 24 horas devem contemplar tudo isso.

  • Escolha as suas “batalhas”

Questione em vez de debater. Questione você mesmo. Isso fará com que mantenha a calma, mesmo se o clima estiver tenso. Avalie a situação sob outros contextos. Essa atitude vale para o ambiente de trabalho e em casa. Há um ditado em inglês que diz choose yout battles, ou “escolha as suas batalhas”. Há confrontos que precisam ser vividos, mas há discussões que podem ser evitadas. Analise as situações para decidir cada caso e não se desgastar de forma desnecessária.

Por mais que o conceito de yin e yang pertença a um tipo de cultura bastante diferente da nossa, a filosofia taoísta tem muito a nos ensinar. Entender as semelhanças que estão por trás das diferenças é um ótimo caminho para se conhecer melhor e ir além do que mostram as aparências. Saia do 8 ou 80 e entenda que somos complexos. O universo é um conjunto de forças antagônicas, mas que se revezam e se complementam, pois precisamos de todas!

E você, querida pessoa, o que pode aprender com a filosofia do yin e yang? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!