A inteligência humana tem sido alvo de muitos estudos científicos. O assunto é tão complexo que pode ser difícil até mesmo definir o conceito de inteligência, antes mesmo de pensar em como avaliar os seres humanos dentro desse aspecto.

Alguns estudiosos sobre o tema afirmam que a inteligência humana tem 4 níveis, sendo que a maior parte da população permanece apenas nos 2 primeiros. Mas o que há de diferente no nível 3 e no nível 4? Como as pessoas podem alcançar esses níveis? Será que apenas alguns seres humanos são geneticamente destinados a uma inteligência superior? Ou qualquer pessoa pode desenvolver-se continuamente?

Esses são alguns dos questionamentos sobre os quais discutiremos no artigo a seguir. Continue a leitura e saiba mais sobre o tema!

O complexo conceito da inteligência humana

Antes de falarmos em níveis da inteligência humana, precisamos definir esse conceito. Em uma rápida consulta a um dicionário, você provavelmente vai se deparar com definições como estas:

  1. Faculdade de conhecer, compreender e aprender;
  2. Capacidade de compreender e resolver novos problemas e conflitos e de adaptar-se a novas situações;
  3. Conjunto de funções psíquicas e psicofisiológicas que contribuem para o conhecimento, para a compreensão da natureza das coisas e do significado dos fatos;
  4. Modo de interpretar; de julgar.

Dessa forma, podemos compreender que a inteligência nada mais é do que a nossa capacidade de adquirir conhecimento e de colocar esse conhecimento em prática para resolver os nossos problemas e alcançar os nossos objetivos nas diferentes áreas da vida.

Como já citamos em alguns artigos aqui do blog, há diferentes tipos de inteligência que toda pessoa carrega dentro de si, embora um ou outro sempre seja predominante. Por isso, há diversos elementos que potencializam a inteligência de um indivíduo: leitura, escrita, cálculos matemáticos, análise de fenômenos naturais, artes, música, memória, administração das próprias emoções e capacidade de construir bons relacionamentos com as outras pessoas.

PSC Renascimento

Cada pessoa se destaca de alguma forma, mas o fato é que todas essas potencialidades estão dentro da mente humana.

Todo mundo pode ser inteligente?

A americana Michelle Mack nasceu com apenas metade do cérebro. O hemisfério esquerdo, por algum motivo, simplesmente não se desenvolveu durante a gestação. No entanto, por mais que ainda haja alguma dificuldade, Michelle consegue se locomover e falar normalmente.

A ciência atribui essa evolução do comportamento de Michelle ao hemisfério direito do cérebro, que provavelmente assumiu funções que eram originalmente atribuídas ao lado oposto. Por conta disso, Michelle consegue jogar tênis, andar, conversar e lembrar-se de fatos com facilidade. A sua memória é, na verdade, bastante impressionante.

O cérebro é o órgão que coordena a mente humana. O exemplo de Michelle mostra o quanto esse órgão é plástico, ou seja, capaz de se adaptar e de se desenvolver a partir dos estímulos que recebemos. Por isso, se o cérebro de Michelle alcançou esses feitos incríveis, o que podemos esperar do seu, com 2 hemisférios funcionais, 86 bilhões de neurônios e 100 trilhões de sinapses?

A inteligência de qualquer pessoa pode e deve ser desenvolvida continuamente. Na verdade, as células do nosso cérebro fazem conexões do primeiro ao último instante das nossas vidas, o que sugere que toda pessoa pode evoluir continuamente. Tudo depende de como estimulamos a nossa mente!

Os 4 níveis de inteligência humana

Os especialistas no assunto apontam que a inteligência humana pode se desenvolver em até 4 níveis, de acordo com as características a seguir.

  • Primeiro nível

O primeiro nível da inteligência humana é o chamado “cérebro reptiliano”. Nele, estão armazenadas as informações fundamentais do processo de evolução da nossa espécie, responsável por garantir a nossa adaptação ao meio e, consequentemente, a nossa sobrevivência. É o caso do mecanismo de luta ou fuga, que nos protege de forma automática dos perigos aos quais nos expomos. É o tipo de inteligência que se desenvolve nos primeiros anos de vida e que nos acompanha até o fim.

  • Segundo nível

O segundo nível de inteligência já tem a ver com a capacidade humana da cultura, ou seja, de atribuir significados às coisas. Nesse nível, conseguimos desenvolver a leitura, a escrita, a compreensão de informações simples, a identificação de relações de causa e efeito, a memorização de palavras e números, e por aí vai. O processo ainda pode ser muito intuitivo, mas já com um desenvolvimento cerebral expressivo. Aqui, também aprendemos a reconhecer as nossas emoções e a construir relacionamentos com as outras pessoas.

  • Terceiro nível

No terceiro de nível de inteligência, já temos uma proporção menor de seres humanos que o alcançam. Aqui, encontramos pessoas que aperfeiçoam o primeiro e o segundo nível, por meio do esforço e da repetição. Em geral, são indivíduos com maior capacidade de questionar, de investigar, de analisar e de interpretar as informações recebidas, sem acreditar em tudo aquilo que veem ou que ouvem. Esse nível é marcado por estudos aprofundados e especializações em determinadas áreas do conhecimento.

  • Quarto nível

Por fim, o quarto nível da inteligência humana é um nível que, segundo os especialistas, poucas pessoas conseguem alcançar. Trata-se de um condicionamento do cérebro que potencializa a memória, o raciocínio lógico e a capacidade produtiva de forma exponencial. É um estágio em que a pessoa pode aprender de forma rápida e autodidata tudo aquilo que desejar: idiomas, instrumentos musicais, habilidades específicas etc. Um sonho, não é mesmo?

Por que ainda não alcançamos o quarto nível?

Os especialistas sugerem que a baixa quantidade de pessoas que alcança esse quarto nível da inteligência humana se deve aos próprios métodos tradicionais de aprendizagem. Na escola, por exemplo, o aprendizado é considerado muito passivo, em que os estudantes recebem os conteúdos dos professores, os memorizam, realizam atividades avaliativas e, logo em seguida, esquecem-se de tudo o que memorizaram.

A memória é importante, mas não podemos atribuir a ela toda a responsabilidade pela inteligência das pessoas. É importante compreender os conceitos para relacioná-los de forma lógica. Compreender é diferente de decorar, de modo que, quando uma pessoa compreende as informações, ela terá muito mais dificuldade de se esquecer delas do que ao simplesmente memorizá-las.

Assim, para compreender as informações de fato, há diferentes técnicas às quais as pessoas recorrem, identificando aquela que é mais compatível consigo: ler, escrever, explicar em voz alta, desenhar, fazer esquemas visuais, responder questionários, e por aí vai. É por isso que há tantas teorias sobre a inteligência humana, já que a complexidade da nossa espécie não pode limitar a nossa inteligência a apenas um tipo ou a um modo de desenvolvê-la.

A importância do autoconhecimento e do coaching

Diante do exposto, fica nítida a relação entre a inteligência e o autoconhecimento. Cada pessoa é única, de modo que cabe a você, que agora lê este texto, identificar o seu tipo de inteligência predominante e os meios mais apropriados para si para desenvolver as suas capacidades mentais.

Não existe uma “fórmula mágica”. O que existe é o autoconhecimento, bem como o exercício do seu cérebro — que, como qualquer outro, melhora as suas funções quanto mais é estimulado. Por isso, estimule a sua mente: leia, escreva, desenhe, explique processos, faça cálculos, crie algo, aprenda a tocar instrumentos musicais, estude outros idiomas, enfim, faça um bom uso da sua massa cinzenta. Sair um pouco da rotina pode ampliar os seus horizontes, o que obriga o seu cérebro a realizar novas conexões neurais.

É assim que uma pessoa amplia a sua inteligência e alcança o quarto nível. Nesse sentido, lembre-se sempre de que o coaching está aqui para potencializar as capacidades que já estão dentro de você, apenas esperando o estímulo adequado. O coaching se utiliza de conhecimentos de diferentes áreas (psicologia, administração, recursos humanos etc.) para fazer com que as pessoas conheçam melhor a si mesmas, definam objetivos claros e os alcancem de modo estratégico.

Para desenvolver o seu potencial total, entre em contato com o IBC — Instituto Brasileiro de Coaching e leve a sua mente ao quarto nível da inteligência. Assim, você certamente será capaz de alcançar resultados extraordinários em todas as áreas da sua vida!

E você, querida pessoa, está em qual nível da inteligência? O que está faltando para você desenvolver todo o seu potencial? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!