Quais são os ativadores mentais da sua felicidade? Começamos fazendo essa pergunta porque nós passamos grande parte das nossas vidas nos perguntando se realmente estamos satisfeitos com a vida que levamos e o que poderíamos fazer para mudá-la para melhor.

A maioria das pessoas pensa muito e realiza pouco.  Você é realizado na sua vida? Está feliz no ambiente onde trabalha? Está satisfeito com os seus colegas? Sente prazer na sua vida profissional, ou nota que algo precisa mudar? E na sua vida pessoal? Você vive plenamente feliz? O que é a felicidade para você?

Saiba que existem 6 ativadores mentais, ou seja, recursos que estão presentes aí na sua mente, que podem nos ajudar a ativar a nossa neuroplasticidade e a reprogramar a nossa vida, de modo a nos tornarmos cada vez mais satisfeitos com a vida que levamos. Ficou curioso? Então, continue a leitura e descubra esses poderosos ativadores!

Os 6 ativadores mentais da felicidade

O conceito de felicidade é bastante problemático. Existem psicólogos que sequer gostam dessa palavra, pois ela pode sugerir a ideia de um estado pleno, em que tudo dá certo e em que não há problemas. Isso não existe na experiência humana. O que existe é um estado de bem-estar relativo, em que nos sentimos bem, mesmo sabendo que os altos e baixos fazem parte da trajetória de qualquer pessoa.

Nesse sentido, há 6 ativadores mentais que nos ajudam a desenvolver esse estado de bem-estar. Confira!

1. Calma

Antes de qualquer coisa, acima de qualquer problema que possa surgir na nossa caminhada, é imprescindível que sejamos capazes de manter a calma. Ela é o 1º ativador mental pra despertar a plena felicidade. Quando nos mantemos calmos, a nossa frequência cardíaca se mantém estável, o nosso organismo não se estressa, e nós conseguimos pensar mais racionalmente em soluções para os problemas que possam surgir no nosso dia a dia.

PSC Renascimento

Um exemplo simples de que a calma pode ser uma grande aliada no nosso dia a dia é: se, no café da manhã, comermos torradas com margarina calmamente, mastigando devagar e prestando atenção a cada mordida, as chances de derrubarmos margarina e farelos nas nossas roupas são mínimas. Por outro lado, se comermos rápido, mastigando desesperadamente, poderemos nos sujar e sujar também o ambiente ao nosso redor.

2. Conexão

2º ativador mental a ser trabalhado é a conexão.  Devido à rapidez com que a tecnologia vem se desenvolvendo e os novos recursos que vem surgindo, estamos cada vez mais condicionados a nos conectarmos com as pessoas e com o mundo via internet, WhatsApp, celular e redes sociais. Estamos em uma era tão tecnológica, que estamos perdendo a habilidade de nos conectarmos uns com os outros quando estamos frente a frente com outras pessoas.

A conexão real, face a face, ajuda a ativar a neuroplasticidade, uma vez que, ao fazermos contato com pessoas, e não com máquinas, teremos uma infinidade de informações para observar, absorver, analisar e decifrar — tanto no nosso interlocutor quanto no ambiente em que estaremos inseridos.

3. Competência

3º ativador é o da competência e está diretamente relacionado à nossa habilidade de tomar decisões sábias e agir rapidamente.   Quanto mais aprendemos, mais queremos aprender. É um ciclo em que o conhecimento nunca é demais e em que, quanto mais aprendemos, mais sábios nos tornamos.

Há pessoas que fingem competência e criatividade, mas que roubam ideias de outras pessoas. Quando não demonstramos competência ou quando roubamos a ideia de alguém, cedo ou tarde seremos pegos. Em síntese, até agora, sabemos que, para despertar a plena felicidade, devemos nos manter calmos e conectados, além de potencializar os nossos conhecimentos e competências.

4. Coragem

4º ativador é a coragem, ou como dizia o leão de “O Mágico de OZ” gaguejando quando estava com medo, “Co co co coragem”.  E coragem significa ter perseverança, independentemente do que aconteça.

Muita gente ainda pensa que o corajoso é aquele que não tem medo. Isso é inverídico. Na verdade, não existe um ser humano que não tenha medo de nada. O corajoso, de verdade, é aquele que ouve os seus medos apenas para se preparar e minimizar os riscos aos quais estiver exposto. Assim, ele não desiste de agir, apenas age com cautela, sem fugir dos seus desafios.

5. Compaixão

5º ativador é a compaixão. Ter compaixão significa “sentir com os outros”, é ter empatia e aceitar quem somos, além de aceitar que somos perfeitamente imperfeitos e que isso não nos faz menos adoráveis.  Dalai Lama dizia: “Amor e compaixão são necessidades, e não luxos. Sem eles a vida, como conhecemos, não sobreviverá”.

Ter compaixão é entender que, assim como você almeja a felicidade, os outros também estão almejando a mesma coisa. Por isso, cada um tem direitos e deveres, e ninguém pode interferir no direito de ninguém. Ao contrário, é mais fácil ser feliz quando todos se respeitam e se ajudam.

6. Clareza

Por fim, o 6º e último ativador é a clareza. Uma das funções da clareza é nos possibilitar sair de uma percepção para uma perspectiva, o que nos permite manter o foco e compreender o que está acontecendo conosco e o que podemos fazer nessa situação. Sem a perspectiva, não podemos estabelecer objetivos, e, sem objetivos, não é possível chegarmos a lugar algum.

A clareza é a coisa mais importante das nossas vidas. Sem ela, nada de novo acontece.  Quando temos clareza, nos tornamos mais confiantes para criar uma visão e, quando temos uma visão sobre um determinado assunto, somos capazes de realizar qualquer coisa. Deus nos dá a vida, mas cabe a nós decidir o que fazer com ela em todas as suas áreas.

Utilizar a neuroplasticidade para restabelecer padrões nos possibilita abrir portas para a felicidade plena. Mesmo que algumas pessoas afirmem que ela não existe, podemos, sim, por meio desses 6 Cs, nos aproximar mais da plena felicidade.

E você, querida pessoa, já pensou no significado dessa palavra? O que é felicidade para você? O que você tem feito para ser feliz? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!