“Aprendeu? Ótimo, agora faz de novo!”.

Quem é que nunca ouviu essa frase em algum momento da vida, não é mesmo? Ela aparece em academias, escolas, autoescolas, faculdades, ambientes de trabalho, ginásios esportivos e até mesmo quando pais estão ensinando os filhos a andar de bicicleta.

E por que é importante “fazer de novo”? A verdade é que a repetição é um mecanismo de aprendizagem e de fixação do conhecimento. Muitas vezes, as pessoas creditam o sucesso de alguém aos seus dons, ou seja, àquilo que já apareceu como aptidão natural. No entanto, se esquecem de quantas vezes essa pessoa precisou treinar e repetir alguma atitude para ganhar a excelência na tarefa em questão.

É isso o que faz um jogador de futebol acertar o pênalti, um jogador de basquete acertar a cesta, o aluno do ensino fundamental acertar a tabuada e o seu filho enfim andar de bicicleta.

Neste artigo, reunimos os motivos que fazem da repetição, e não o talento puro, o grande segredo do sucesso. Confira como esse mecanismo pode ser benéfico a seguir.

1. Memorizar conceitos e práticas

Quando aprendemos algo novo, leva algum tempo para que o cérebro processe a informação. Quanto mais estivermos expostos àquele dado, mais a mente será capaz de fixar e compreender o seu funcionamento.

Quer um exemplo prático? Quando as pessoas aprendem a dirigir, elas precisam aprender a sentar na posição correta, colocar o cinto de segurança, travar as portas, ajustar os espelhos do carro, ligá-lo, pisar na embreagem, engatar a primeira marcha, soltar o freio de mão, acelerar com cuidado ao mesmo tempo em que tira o pé da embreagem e iniciar o movimento.

PSC

Talvez você tenha feito tudo isso hoje sem nem prestar atenção. No entanto, em algum momento da vida, o seu cérebro preciso entender e memorizar tudo isso, o que só foi possível por meio da repetição. Seguir todo esse processo uma vez só não é suficiente para você dizer que aprendeu a dirigir. É necessário repeti-lo incontáveis vezes para internalizar essa prática.

2. Corrigir vícios e erros

Em qualquer processo de aprendizagem, cometer erros é muito mais regra do que exceção. Por falar em exceção, você se lembra quando foi que aprendeu a escrever essa palavra? Nas primeiras vezes, certamente você escreveu algo do tipo: “eceção”, “exeção”, “excessão”, “esceção”, e por aí vai.

Quando aprendemos a escrever, temos um instinto natural de tentar reproduzir nas letras exatamente o som que ouvimos na palavra falada, daí a confusão em determinadas palavras, como “exceção”, que é bem complicada.

A correção desses vícios e erros só é possível por conta da repetição. A frequência com a qual lemos e escrevemos a palavra “exceção” é o que efetivamente nos leva a compreender a sua complexa escrita com XC e ainda um Ç no final. Isso vale para a gramática e para diversas outras questões da vida. É tentando que identificamos os erros que cometemos e que conseguimos, com persistência, corrigi-los.

3. Ganhar confiança

Os benefícios da frequência e da repetição são identificados não apenas em âmbito cognitivo, mas também emocional. Isso quer dizer que a prática torna as pessoas não apenas mais eficazes naquilo que se propõem a fazer, mas também mais seguras, autoconfiantes e tranquilas.

Mesmo que o aluno da autoescola já saiba perfeitamente o que tem que fazer para dirigir um carro, é natural que ele sinta medo nas primeiras vezes em que se aventurar pelo trânsito intenso das cidades. Entre subidas, descidas, semáforos, lombadas, faixas de pedestres, rotatórias, carros, caminhões, pedestres e motociclistas, precisamos prestar atenção a dezenas de coisas ao mesmo tempo.

O medo, a ansiedade e a insegurança só são vencidos com muita prática. Sempre que nos expomos a uma atividade, promovemos um fenômeno conhecido na psicologia como dessensibilização, que é o ato de perder gradativamente as emoções negativas diante de um fato que antes nos colocava muito medo. Por isso, a repetição nos torna mais autoconfiantes.

4. Aperfeiçoar técnicas

Você já teve a oportunidade de ver alguma cena de início de carreira de um ator ou atriz que hoje é considerado uma verdadeira estrela? Não necessariamente as primeiras cenas desse indivíduo tivessem erros, mas, certamente, o tempo foi capaz de fazer com que ele aperfeiçoasse as suas técnicas de atuação, por meio da prática e da experiência prolongada.

Por isso, a repetição e a frequência com que nos expomos a determinadas atividades são importantes não apenas para que deixemos de cometer erros, mas também para que possamos desenvolver técnicas e estilos pessoais que tornam o resultado ainda melhor.

Isso acontece com profissionais de diferentes áreas: cantores, esportistas, atores, escritores, cabeleireiros, médicos, psicólogos, e por aí vai. Em toda profissão, existem conceitos que ensinam o certo e o errado, mas só a prática permitirá que o indivíduo encontre o seu próprio estilo e aperfeiçoe as suas técnicas para trabalhar mais e melhor.

5. Aumentar a produtividade

Um redator em início de carreira, dos que escrevem artigos como este que você lê agora, pode produzir 3 textos de 1000 palavras por dia, por exemplo. Pode parecer pouco, mas precisamos considerar que o trabalho de redação envolve a definição de um tema, a pesquisa do assunto (o que é particularmente complicado se a pessoa não estiver familiarizada com a temática), o planejamento da estrutura do texto, a redação propriamente dita e a revisão geral do que foi escrito.

Com o passar do tempo, a tendência é que esse redator ganhe mais conhecimento, aperfeiçoe as suas técnicas e tenha mais confiança em suas próprias habilidades — ou seja, todos os fatores que citamos até aqui. Isso produz uma consequência muito interessante, que é a capacidade de produzir mais em menos tempo, ou seja, a produtividade.

Assim, quando esse redator estiver mais experiente, poderá produzir 4 ou talvez 5 textos de 1000 palavras por dia, o que facilitará o seu crescimento profissional. Esse ganho de produtividade, contudo, não se vê apenas no trabalho. O tempo que alguém experiente gasta para cozinhar ou limpar a casa, por exemplo, pode ser muito menor do que gastava quando ainda não tinha prática nessas atividades.

A persistência leva à perfeição

O ditado popular acima resume bem a ideia apresentada neste artigo. Basicamente, a repetição e a frequência com que fazemos algo são o que nos leva a alcançar melhores resultados. Ainda que tecnicamente a perfeição não exista, repetir uma tarefa nos leva a memorizar conceitos, ganhar confiança em nós mesmos, corrigir erros, aperfeiçoar técnicas e, em consequência de tudo isso, ganhar mais produtividade. Se o seu “eu bebê” não fosse persistente e desistisse na primeira queda, você não saberia andar até hoje!

E você, querida pessoa, como tem lidado com a persistência nas diferentes áreas da sua vida? Tem feito da repetição a sua aliada ou tem desistido no primeiro erro? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Por fim, que tal levar esta reflexão a todos os seus amigos, colegas, familiares e a quem mais possa se beneficiar dela? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!