Você gosta de abraçar as pessoas que fazem parte do seu convívio? Esse gesto consiste em acolher o corpo do outro com os braços, ao mesmo tempo em que ele acolhe o seu. É uma troca de energias, proporcionada pelo acolhimento e pelo toque.

Em geral, abraçamos as pessoas com as quais temos mais contato e intimidade, como os pais, os filhos, os irmãos, os amigos, os parceiros amorosos e até mesmo alguns colegas de trabalho. Por meio desse gesto, expressamos afeto, cuidado, carinho, amizade e amor. Expressamos também congratulações e alegrias compartilhadas, bem como força e resiliência nas horas difíceis.

Neste artigo, vamos compreender a importância dos abraços e os benefícios que esse gesto tão simples pode oferecer. Siga em frente e tenha uma ótima leitura!

As origens dos abraços

Os braços são partes importantes do corpo, criadas para que, desde os primórdios da nossa espécie na Terra, o ser humano fosse capaz de executar diversos trabalhos e atividades, como a caça, a pesca, a coleta, a construção de moradias, enfim, tarefas que garantissem a sua sobrevivência e a sua prosperidade. Os braços são, até hoje, símbolos de força, de ação e de criação.

No entanto, diferentemente de outros animais, os seres humanos são seres culturais, ou seja, capazes de atribuir novos significados e utilidades ao corpo. Por isso, os braços que trabalham e constroem também adquiriram uma função muito importante: os abraços. Na mesma lógica, a boca que foi feita apenas para a fala e para iniciar o processo de digestão também ganhou o gesto cultural do beijo, repleto de significados de afeto e de romantismo.

Assim, passamos a utilizar essas partes do corpo não apenas com a funcionalidade física para as quais foram projetadas, mas também para novos usos, que integram as pessoas e que fortalecem os laços afetivos que as envolvem.

A atribuição de novos significados aos abraços

Conforme citamos, os abraços se tornaram um gesto cultural, ou seja, uma atitude criada pelos seres humanos para expressar diferentes significados. Esses significados podem variar de uma cultura para a outra, mas, no Brasil, não podemos negar que o abraço faz parte de diversos contextos.

PSC

Somos um povo naturalmente afetivo e que demonstra esse afeto por meio de diferentes linguagens. Talvez seja por isso que os abraços façam parte de forma tão intensa das nossas interações diárias, mais do que em muitas outras localidades. Podemos identificar esse gesto em diversas situações, como as que listamos a seguir:

  • Gesto de saudação com pessoas com as quais temos mais intimidade;
  • Cumprimento e acolhida daqueles que não víamos há muito tempo;
  • Despedidas afetivas;
  • Congratulações e celebrações de conquistas e momentos felizes;
  • Encorajamento e apoio diante da dor e do sofrimento.

Em todos esses contextos, podemos compreender que os abraços são manifestações de afeto, mas que variam muito. Há diferentes intensidades, durações, situações, mas há sempre uma demonstração de afeto envolvida nos abraços. Por isso, trata-se de um gesto cultural, utilizado para expressar respeito, carinho e amor, em uma linguagem prática, pois nem sempre as palavras conseguem expressar com clareza a totalidade daquilo que sentimos.

Os benefícios desse gesto

Os abraços são uma linguagem do amor. Diversos teóricos, músicos, poetas, escritores, filósofos e até mesmo psicólogos deram as suas versões sobre os significados dos abraços. Esse gesto promove uma aproximação física, mas também emocional. O encontro, o toque, o acolhimento e o afeto são os efeitos daquilo que sentimos quando abrimos os braços e acolhemos o outro, ao mesmo tempo em que o outro também nos acolhe.

É uma troca de afeto e proteção, um gesto mútuo de carinho, marcado pela menor distância existente entre dois corações. Alguns estudos apontam que, quando isso ocorre, a frequência cardíaca e o ritmo da respiração dos envolvidos se sincronizam, revelando a harmonia e a conexão existentes entre as duas pessoas. O gesto do abraço tem um significado muito forte, transmitindo sensações como: segurança, proteção, carinho, acolhida, força, tranquilidade e alegria.

Além dos significados emocionais que atribuímos ao gesto, a psicologia e a ciência têm descoberto benefícios físicos associados ao abraço. Alguns estudos promovidos por cientistas revelaram que esse gesto aumenta a produção de ocitocina, uma substância conhecida como “o hormônio do amor”, pois produz sensações de bem-estar, confiança, empatia e generosidade, além de aliviar o estresse.

Aliás, se você pensar nos abraços que recebeu e nas situações em que isso ocorreu, certamente reconhecerá que essas sensações positivas de fato foram potencializadas pelo gesto e pelo contato afetivo com o outro.

Abrace quem você ama

Diante dos benefícios citados acima, podemos concluir que os abraços compõem a linguagem gestual do amor. Eles são gestos utilizados para expressar e demonstrar sentimentos positivos em relação ao outro que, muitas vezes, não são tão bem comunicados por meio das palavras. É por isso que os abraços surgem em tantos contextos diferentes.

Dessa forma, entenda que abraçar é levar carinho, força, amor, tranquilidade, apoio e alegria, ao mesmo tempo em que você recebe todas essas emoções das energias que emanam do outro. É um gesto simbólico de toque, de troca e de sensibilidade, sendo que a própria ciência já tem descoberto os benefícios que oferece aos relacionamentos e à saúde física e mental.

Portanto, não hesite. Abrace aqueles que são importantes para você e jamais negligencie essa poderosa linguagem do amor que é o abraço. Com os seus familiares, amigos, vizinhos e até colegas de trabalho, utilize o abraço como um canal de comunicação e de demonstração de afeto. Isso fará a diferença no seu dia e também no dia de todas essas pessoas!

E você, querida pessoa, gostar de dar e receber abraços? Quais são as emoções que esses gestos despertam em você? Em quais contextos você costuma abraçar? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!