A análise SWOT foi criada na década de 1960, na Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, como uma forma de analisar forças, fraquezas, oportunidades e ameaças no cenário em que as empresas estavam inseridas. Essa ferramenta é bastante utilizada no âmbito corporativo para traçar estratégias mais assertivas para que as companhias possam se consolidar no mercado.

Há algum tempo, a análise SWOT vem sendo aplicada também em nível pessoal por profissionais que desejam entender mais amplamente as possibilidades de crescimento que possuem diante de si. Para quem deseja expandir seus horizontes e aproveitar mais oportunidades de carreira, a dica é continuar lendo para entender o conceito de SWOT pessoal.

Uma das chaves para o sucesso é conhecer a si mesmo!
Quer se conhecer melhor? Clique aqui e baixe meu ebook!

O que é SWOT pessoal?

Como mencionei acima, SWOT é uma ferramenta de análise de cenário corporativo utilizada por empresas de todos os segmentos de atuação. A sigla significa: Strenghts (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças). Quando levada para o contexto de análise pessoal, preserva a sua aplicabilidade mantendo o foco na identificação de forças e fraquezas e oportunidades e ameaças.

O objetivo do uso dessa ferramenta é delinear um planejamento estratégico, assim como acontece com as companhias, no entanto, para a carreira do analisado. Em resumo, ao invés de fazer a análise de produtos ou processos, será feita a observação de pontos fortes e fracos do indivíduo em questão, além das oportunidades e ameaças que estão à sua disposição.

Para que a análise SWOT pessoal serve?

A partir de uma análise detalhada de forças, fraquezas, oportunidades e ameaças que te cercam, é possível chegar a um nível elevado de autoconhecimento. Tomar decisões e se posicionar assertivamente na carreira torna-se muito mais fácil com o entendimento mais amplo das ferramentas que se tem para trabalhar em prol do seu crescimento e de como driblar eventuais dificuldades.

O profissional que passa por uma análise SWOT define metas realísticas e mais interessantes para o seu futuro. Muitas pessoas têm dificuldade de perceber que precisam dar outro rumo para sua carreira e/ou que não estão aproveitando suas qualidades devidamente para o seu sucesso. Visualizar graficamente todos os componentes envolvidos em sua trajetória e como eles interagem entre si pode ser bastante transformador.

Aplicações da SWOT pessoal

PSC

A ferramenta SWOT pode ser aplicada a diferentes contextos pessoais para chegar a um entendimento mais completo de âmbitos distintos da vida. Enfoquei em apresentar as vantagens desse método para a carreira profissional, no entanto, também pode ser aplicado para compreender as relações familiares, para mudar seu estilo de vida, ter mais equilíbrio emocional, entre outros.

Como a análise SWOT pessoal é feita?

Com certeza você está se perguntando como a análise SWOT empresarial é adaptada para uma análise pessoal. A seguir vou te explicar como essa conversão é feita através de um passo a passo de aplicação.

Primeiro passo: decifrando a estrutura

A análise SWOT (tanto a empresarial quanto a pessoal) é representada por meio de uma matriz com quatro quadrantes que se relacionam entre si. A ferramenta considera dois tipos de ambientes para análise: interno e externo.

Ambiente interno: na SWOT pessoal no ambiente interno estão os fatores sob o seu controle, como as suas capacidades intelectuais, competências, conhecimentos técnicos e empíricos, inteligência emocional, entre outros. Observe que esses fatores podem ser melhorados ou alterados com dedicação, melhor conhecimento de si mesmo e treinamento.

Ambiente externo: nesse grupo estão os fatores alheios ao controle do indivíduo, podem ser características relativas ao ambiente em que o indivíduo vive ou trabalha. Quando esses fatores são relacionados assertivamente aos fatores do ambiente interno podem gerar resultados bastante positivos.

Quadrantes da matriz

Os quadrantes da matriz são: forças, fraquezas, oportunidades e ameaças.

Forças: consistem nos fatores do ambiente interno, características e aptidões do indivíduo que podem ajudá-lo a conquistar melhores resultados. Podem ser incluídos nesse quadrante: formação acadêmica, espírito de liderança, conhecimento de idiomas, bom relacionamento interpessoal.

Fraquezas: nesse quadrante devem ser listados os fatores que impedem o crescimento e sucesso do indivíduo que está sendo analisado. Basicamente, são os pontos em que se pode melhorar. Dentre as fraquezas que podem ser incluídas nesse quadrante estão: insegurança, falta de qualificação profissional, falta de equilíbrio emocional, baixa autoestima.

Oportunidades: no quadrante das oportunidades devem ser listadas as circunstâncias que podem se tornar proveitosas se aliadas às forças, mas que não se encontram sob o controle do indivíduo. Podem ser incluídos nesse grupo ter reservas financeiras, bom networking, mercado de trabalho aquecido, estabilidade do mercado.

Ameaças: o oposto das oportunidades, ou seja, circunstâncias que, se aliadas às fraquezas, podem tornar ainda maiores os impedimentos para conquistar as metas. São exemplos a grande concorrência no setor de atuação profissional, falta de disponibilidade para viajar a trabalho, impossibilidade de mudar de cidade, falta de conhecimento tecnológico.

Segundo passo: levantamento de dados

Com o entendimento sobre cada um dos quadrantes da matriz SWOT você já pode listar os dados a seu respeito. No início, talvez ache um pouco estranho ter que refletir tão sinceramente sobre si mesmo, mas com o passar do tempo (e com treino) conseguirá ser mais franco sobre expectativas e realidades.

Uma forma de conseguir criar listas mais assertivas para cada quadrante é fazer perguntas a si mesmo.

Forças

– Quais são minhas características que mais se destacam para outras pessoas?

– Quais são meus diferenciais profissionais?

– O que as outras pessoas mais elogiam em mim?

Fraquezas

– No que posso melhorar?

– No que ainda não sou confiante?

– Em que atividades ainda não tenho um desempenho satisfatório?

Oportunidades

– Tenho uma boa rede de networking?

– Estou atualizado em relação às novidades tecnológicas da minha área?

– Tenho aproveitado as oportunidades que surgem? Como posso aproveitá-las mais?

Ameaças

– Quais são os obstáculos que estão à minha frente?

– Tenho as competências necessárias para ser bem-sucedido em minha área?

– Como é a concorrência na minha área de atuação?

Terceiro passo: a matriz na prática

Tendo seguido os dois passos anteriores, você já terá listados os itens de cada um dos quadrantes. O passo seguinte consiste em fazer o desenho da matriz (um plano cartesiano com duas linhas cruzadas). O preenchimento deve ser feito da esquerda para a direita e de cima para baixo.

O quadrante 1 deve ser destinado às forças, o quadrante 2 será das fraquezas, o 3 das (primeiro na parte inferior) das oportunidades e o último das ameaças. Os pontos positivos ficam à esquerda e os negativos à direita, os fatores internos ficam em cima e os externos em baixo.

Quarto passo: faça a análise

A matriz SWOT permite ter uma visão gráfica dos pontos que te ajudam a crescer e daqueles que te impedem de seguir. Você pode e deve fazer o cruzamento de dados entre os quadrantes, identificando, assim, formas de direcionar a sua carreira para um ponto de mais sucesso. Potencialize suas forças aproveitando melhor as suas oportunidades e reduza as ameaças, aprimorando as suas fraquezas.

Com essas dicas você pode se tornar um profissional mais completo e preparado para o sucesso!

Se este conteúdo te ajudou de alguma maneira, passe-o adiante, compartilhando em suas redes sociais!