Você sabia que os seus concorrentes são seus grandes aliados? Sim, pois são eles que não deixam você cair na zona de conforto e o estimulam a investir os seus esforços, continuamente, no crescimento da sua empresa.

Por isso, nada de declarar guerra às empresas que atuam no mesmo ramo que você. Faça a sua concorrência de forma leal e honesta, foque nos seus diferenciais e atributos, busque melhorias para o seu negócio e trabalhe para virar um modelo a ser seguido pelos demais.

Com certeza, isso fará de você uma referência positiva no mercado, o ajudará a construir uma boa reputação e possibilitará a atração do interesse dos seus clientes. Muitos empreendedores passam mais tempo olhando para fora do que para o seu próprio empreendimento, o que não é bom.

Obviamente, com a alta competitividade, é necessário investir em benchmarking e informar-se sobre os diferenciais e estratégias dos seus concorrentes. Contudo, é fundamental criar os seus próprios modelos de gestão do negócio, estruturar a sua empresa, treinar bem os seus colaboradores e melhorar, progressivamente, os seus serviços ou produtos ofertados.

Não concorra, saia na frente!

Você sabe o que os seus clientes querem? Quais são as suas novas demandas?  Qual é o perfil do público a ser alcançado? Já ouviu as sugestões de melhoria em relação aos seus produtos? Sabe quais são as suas necessidades atuais e futuras? Entende por que eles escolhem você ou o seu concorrente? O que você tem feito para melhorar os seus processos? Está satisfeito com os seus líderes e colaboradores? Como avalia a gestão que você faz do seu negócio?

Sim, são muitos os questionamentos que você deve fazer a si mesmo para melhorar os resultados da sua empresa. Por isso mesmo, não perca tempo travando batalhas imaginárias com os seus concorrentes ou especulando o que eles fazem e deixam de fazer, 24 horas por dia.

Foque na sua empresa, em desenvolver novas estratégias, implantar melhorias, treinar os seus profissionais e fazer investimentos eficazes e que possibilitem a sua expansão. Esses, sim, devem ser os seus objetivos principais, pois o seu compromisso maior deve sempre ser com o sucesso da sua empresa.

PSC

Procure também inovar, ser criativo e investir no aumento contínuo da qualidade dos seus produtos e serviços. Melhore a gestão de pessoas e financeira e implante sistemas de controle interno que garantam a perfeita execução do trabalho.

Na prática, não são os outros, mas nós mesmos que somos os nossos maiores concorrentes. Por isso, sempre tenha em mente que quanto mais eu melhoro a minha empresa, mais condições também eu tenho de crescer e potencializar os resultados do meu negócio. Invista em si mesmo e saia na frente!

Lidando com a concorrência: o que fazer?

Hoje em dia, é muito raro, para não dizer impossível, encontrar um segmento de mercado em que não existam concorrentes. A menos que você tenha criado um produto ou serviço 100% novo, provavelmente existem outros empreendedores oferecendo à sociedade soluções similares à sua.

Nesse sentido, é claro que há organizações competindo para conquistar o mesmo público. Para vencer essa disputa, é importante definir diferenciais competitivos, ou seja, “critérios de desempate” no coração e na mente do consumidor, de modo que ele escolha a sua empresa, e não a do concorrente.

Para que isso ocorra, é permitido e até mesmo necessário pesquisar e monitorar as ações dos concorrentes. Essa pesquisa de mercado deve avaliar os produtos, os serviços, os diferenciais, as qualidades, o atendimento, as ações promocionais, a comunicação publicitária, enfim todas as estratégias utilizadas pelos concorrentes.

A ideia dessas pesquisas não é sabotar ou copiar as ações de ninguém, mas apenas permitir que a empresa também crie as suas próprias ações de marketing e comunicação para mostrar-se mais atrativa do que os concorrentes. Trata-se apenas de conhecer e pesquisar os adversários, de modo que você mesmo desenvolva estratégias eficazes.

Assim, você pode e deve melhorar a qualidade dos produtos e serviços, oferecer um atendimento especial, aprimorar a diversidade de ofertas, acelerar a entrega, diversificar os canais de comunicação, adotar preços mais acessíveis ao seu público, enfim, fazer o possível para agradar as pessoas ao máximo possível.

Lidando com a concorrência: o que não fazer?

Por outro lado, há diversas posturas adotadas entre as empresas que extrapolam os limites da moral e da ética da competitividade comercial. Sabotar ações de outras empresas, aderir à espionagem para descobrir as suas estratégias antecipadamente, copiar as ideias de outra organização e dizer que elas foram desenvolvidas por você e até mesmo falar mal diretamente dos seus concorrentes são posturas inadequadas e que podem até mesmo configurar crimes.

Todos esses meios são expressões de concorrência desleal, sendo que, dependendo do caso, a questão pode ir parar na justiça. Todavia, independentemente das questões legais, o fato é que o próprio consumidor percebe quando uma empresa teve uma atitude antiética em relação aos seus concorrentes.

Isso prejudica a própria imagem da organização. O consumidor pensa que, se a empresa age de forma desonesta com os competidores, provavelmente também pode agir desse jeito com os seus próprios clientes. Esse clima de desconfiança sobre a organização pode prejudicar a sua reputação, de modo que todo o esforço de competição sai pela culatra.

Conclusão

Resumidamente, podemos concluir que é importante entender que o mercado, em qualquer segmento, apresenta concorrentes. Essa competição deve beneficiar o consumidor, por meio de ações criativas, produtos de qualidade e serviços prestados com excelência.

As sabotagens, espionagens, subornos, acordos ilegais, cópias, plágios e difamações de uma empresa para a outra constituem atitudes antiéticas que configuram uma concorrência desleal e até mesmo crimes, dependendo do caso. Consequentemente, as empresas se prejudicam umas às outras acabam perdendo a credibilidade junto ao próprio consumidor. Evite!

E você, ser de luz, o que pensa sobre a concorrência sadia e a concorrência desleal entre as empresas? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!