Líderes de sucesso não são pessoas que nascem com dons especiais. São indivíduos com uma profunda compreensão do ser humano e que, por isso, conseguem mobilizar equipes rumo ao alcance de determinados objetivos. Eles se destacam em diversos ambientes, como as empresas, as religiões, as comunidades e até mesmo o mundo dos esportes.

Os líderes esportivos têm uma missão específica: conduzir o atleta ou a equipe à vitória. Esse processo é complexo, pois envolve estudar as estratégias dos adversários, conhecer os membros do time, explorar as forças de cada um e planejar táticas para vencer. Além disso, é preciso conduzir os treinos, corrigir as falhas, testar jogadas e ser um grande motivador de cada atleta, especialmente quando ele mesmo deixa de acreditar nas suas próprias capacidades.

Neste artigo, você vai conhecer a trajetória de sucesso de um dos maiores líderes do universo dos esportes no Brasil: Bernardinho do vôlei. Continue a leitura a seguir e saiba mais sobre as características desse líder vencedor!

A história de Bernardinho Rezende

Nascido para vencer! Essa frase pode facilmente definir a trajetória de Bernardo Rocha Rezende. Se você não liga este nome à pessoa, saiba que estamos falando, em nada menos do que Bernardinho, consagrado técnico, 7 vezes medalhista olímpico à frente das seleções brasileiras de vôlei — masculina e feminina.

Nascido em, 25 de agosto de 1959, no Rio de Janeiro, esse coach “sangue quente” começou a sua carreira no esporte, como jogador de vôlei. Por sete anos, disputou vários campeonatos, defendo times do Rio de Janeiro, além da seleção brasileira. Iniciou a sua carreira de técnico em 1989, nas Olimpíadas de Seul, na Coreia do Sul, quando foi auxiliar do então treinador Bebeto de Freitas.

Começava ali um caminho glorioso, cheio de vitórias e de grandes conquistas para o voleibol brasileiro. Entretanto, Bernardinho não encontrou tudo pronto, e teve que batalhar muito para trazer uma nova mentalidade ao segundo esporte mais praticado no Brasil.

Estilo de jogo inovador

PSC Renascimento

Ao se propor a fazer isso, Bernardinho revolucionou, verdadeiramente, o vôlei nacional. Segundo os próprios atletas, liderados por ele, também ajudou os jogadores a crescerem profissionalmente.

“O Bernardinho trouxe uma mentalidade diferente para a seleção. Tirou a gente do que chamamos de zona de conforto’. Passamos a acordar mais cedo, a fazer um esforço adicional. E, de uma seleção que não vencia nada, passamos a vencer tudo.”, declarou Gustavo Endres, campeão olímpico com Bernardinho.

Perfeccionista, Bernardinho enfatiza a importância do ritmo dos treinos, que sempre deve ser forte e focado em corrigir a postura e as jogadas dos atletas, além de realizar um trabalho de fortalecimento muscular. A ideia de tirar os atletas da zona de conforto serve justamente para estimulá-los a alcançar resultados e desempenhos superiores ao que eles mesmos acreditam que sejam capazes.

Transformando suor em ouro

Mais do que um treinador comum, Bernardinho transcendeu o modo de pensar e conduzir o esporte, ao unir os seus conhecimentos técnicos aos princípios da administração de empresas e às teorias de especialistas, como John Wooden, Winston Churchill e James Hunter.

Ao fazer isso, decidiu reunir as suas experiências e habilidades no livro: “Transformando suor em ouro”, onde evidencia como essa junção de conhecimentos foi decisiva para alcançar as suas vitórias, tanto dentro, como fora das quadras.

Bernardinho se destaca como um coach de alta performance e, além disso, usa técnicas e ferramentas de coaching, para alavancar os resultados das equipes que comanda. Com um perfil de liderança nato, ele mudou a forma de treinar e desenvolveu uma geração de atletas, assim como ele, de alto desempenho.

Com os seus estudos no desenvolvimento humano, criou a ferramenta “Roda da Excelência”, que define os itens necessários no planejamento estratégico para que uma pessoa alcance as suas metas: comprometimento, cumplicidade, perseverança, obstinação, superação, disciplina, ética, hábitos positivos de trabalho, trabalho em equipe, liderança e motivação. Isso leva as pessoas à busca constante pela excelência, mostrando que conhecimentos-chave de recursos humanos podem ser úteis nos esportes e na vida em geral.

Dessa forma, tanto à frente das equipes femininas como masculinas, Bernardinho incorporou uma nova visão, não apenas ao voleibol, mas ao esporte como um todo. Com isso, o técnico campeão, tem inspirado gerações de novos atletas a ousarem ir além, nas suas carreiras e na vida de maneira geral.

Bernardinho fora das quadras

Além do sucesso na carreira no voleibol, Bernardinho também se utiliza dos seus conhecimentos em liderança e desenvolvimento de pessoas para empreender, estando à frente dos seguintes projetos:

  • Delírio Tropical: rede de restaurantes no Rio de Janeiro;
  • Grupo BodyTech: maior rede de academias da América Latina;
  • Instituto Compartilhar: ONG fundada por Bernardinho para auxiliar jovens de comunidades carentes, com o incentivo à prática esportiva;
  • EduK: instituição que oferece cursos profissionalizantes online;
  • Escola de vôlei Bernardinho: voltada ao ensino do voleibol a crianças e adolescentes, bem como à sua formação cidadã.

Os números de um líder de sucesso

Confira todos os títulos conquistados ao longo da carreira por Bernardinho:

1. Como jogador

  • 1981 – Campeão sul-americano;
  • 1981 – Bronze na Copa do Mundo de Voleibolde 1981;
  • 1982 – Campeão do Mundialito;
  • 1982 – Prata no Mundial de 1982;
  • 1983 – Bicampeão sul-americano;
  • 1983 – Ouro no Pan-americano de Caracas;
  • 1984 – Prata na Olimpíada de Los Angeles;
  • 1985 – Tricampeão sul-americano;
  • 1986 – Campeão sul-americano.

2. Como técnico

Clubes

  • Torneio Top Volley: 2006 e 2009;
  • Salonpas Cup: 2004, 2006 e 2007;
  • Campeonato Sul-Americano de Clubes de Vôlei Feminino: 2013, 2015, 2016 e 2017;
  • Superliga Brasileira de Voleibol:  97/98, 99/00, 05/06, 06/07, 07/08, 08/09, 10/11, 12/13, 13/14, 14/15 e 15/16
  • Copa do Brasil de Voleibol: 2007, 2016, 2017 e 2020;
  • Supercopa Brasileira de Voleibol: 2015, 2016 e 2017;
  • Campeonato Carioca de Voleibol: 2004, 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011, 2012, 2013, 2014, 2015, 2017, 2018 e 2019;
  • Campeonato Paranaense de Voleibol: 2003;
  • Supercopa dos Campeões de Vôlei: 2001;
  • Copa Rio de Vôlei: 2009.

Seleção Feminina

  • Grand Prix de Voleibol: 1994, 1996, 1998;
  • Campeonato Sul-Americano de Voleibol Feminino: 1995, 1997 e 1999;
  • Jogos Pan-americanos: 1999;
  • Montreux Volley Masters: 1994 e 1995;
  • 1994 – Vice-campeão no Mundial de Voleibol Feminino;
  • 1996 – Bronze na Olimpíada de Atlanta;
  • 1997 – Bronze na Copa dos Campeões;
  • 1999 – Prata no Grand Prix;
  • 1999 – Bronze na Copa do Mundo de Voleibol;
  • 2000 – Bronze no Grand Prix;
  • 2000 – Bronze na Olimpíada de Sydney.

Seleção Masculina

  • Jogos Olímpicos: 2004e 2016;
  • Campeonato Mundial de Vôlei: 2002, 2006e 2010;
  • Copa dos Campeões de Voleibol: 2005, 2009e 2013;
  • Copa do Mundo de Voleibol: 2003e 2007;
  • Liga Mundial de Voleibol: 2001, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2009e 2010;
  • Jogos Pan-Americanos: 2007e 2011;
  • Campeonato Sul-Americano de Voleibol Masculino: 2001, 2003, 2005, 2007, 2009, 2011, 2013 e 2015;
  • 2001 – Copa América de Voleibol;
  • 2001 – Campeão do Torneio Ponte di Legno, na Itália;
  • 2001 – Campeão do Torneio Consorzio Metano de Vellecamonica, na Itália;
  • 2001 – Vice-campeão da Copa dos Campeões de Voleibol, no Japão;
  • 2002 – Vice-campeão da Liga Mundial de Voleibol, em Belo Horizonte;
  • 2002 – Campeão do Torneio Sei Nazioni;
  • 2003 – Bronze no Pan-americano de Santo Domingo;
  • 2004 – Ouro na Olimpíada de Atenas;
  • 2005 – Vice-campeão da Copa América de Voleibol;
  • 2007 – Vice-campeão da Copa América de Voleibol;
  • 2008 – Prata na Olimpíada de Pequim;
  • 2010 – Campeão do Torneio Hubert Jerzy Wagner, na Polônia;
  • 2011 – Vice-campeão da Liga Mundial de Voleibol, na Polônia;
  • 2011 – Bronze da Copa do Mundo;
  • 2012 – Prata na Olimpíada de Londres;
  • 2013 – Vice-campeão da Liga Mundial de Voleibol, na Argentina;
  • 2014 – Vice-campeão da Liga Mundial de Voleibol, na Itália;
  • 2014 – Vice-campeão Mundial, na Polônia;
  • 2015 – Prata no Pan-americano de Toronto;
  • 2016 – Vice-campeão da Liga Mundial na Polônia;
  • 2016 – Ouro na Olimpíada do Rio, no Brasil.

Gostou deste conteúdo? Então, contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!

Imagem: Salty View