“Como os bons líderes valorizam você” é o título do livro da especialista em liderança Liz Wiseman e do seu consultor de gestão Greg McKeown. Por 17 anos, a autora trabalhou com 150 executivos de 35 empresas em 4 continentes. As entrevistas e observações realizadas durante esse período possibilitaram a publicação do livro, com as suas análises fundamentais sobre o conceito de liderança.

A esse respeito, Liz define que existem 2 tipos de líder: os multiplicadores e o diminuidores. Os primeiros ressaltam o potencial e as qualidades da equipe, enquanto os últimos centralizam o poder e sugam as capacidades dos seus liderados — ainda que nem sempre percebam que estão agindo dessa forma.

Neste artigo, você vai compreender melhor as características desses tipos de liderança levantados por Liz Wiseman e quais são as recomendações para que possamos ser líderes multiplicadores. Ficou curioso? Então, continue a leitura e saiba mais!

Diminuidores e multiplicadores: quais são os 2 perfis de liderança?

Segundo os autores, os líderes multiplicadores, como o nome sugere, são capazes de multiplicar as competências dos seus liderados e, com isso, alcançar resultados muito mais expressivos. Eles identificam os talentos da equipe, permitem que os colaboradores se desenvolvam, mantém uma relação de proximidade com eles, compreendem as necessidades dos liderados, sabem a hora de falar e a hora de ouvir e utilizam o feedback como uma cultura que alimenta a motivação de todos.

Os líderes diminuidores, porém, são centralizadores e autocráticos. Eles sugam as capacidades dos profissionais apenas em benefício próprio, sem preocuparem-se em desenvolver os seus liderados. Esse tipo de líder é o típico “chefe”, que faz do feedback um instrumento de punição, pressão e ameaça — o que desmotiva as equipes. Esse tipo de líder não dá espaço para que as pessoas cresçam. Também não tem uma relação de proximidade e compreensão com o seu time.

Como ser um bom líder?

Ao ler as definições acima, não é difícil chegar à conclusão de que o líder multiplicador alcança melhores resultados, sobretudo nos sistemas mais modernos de gestão e administração organizacional, não é mesmo? Portanto, confira os 7 passos a seguir para adotar essa postura de liderança!

1. Identificar o talento de cada profissional

PSC Renascimento

O líder multiplicador é atento às competências das pessoas que compõem as suas equipes desde os processos de recrutamento e seleção. Ele identifica as necessidades da equipe e contrata indivíduos com saberes compatíveis com essas necessidades. Além disso, esse líder procura conhecer as forças e os pontos de desenvolvimento de cada profissional, utilizando as suas habilidades da melhor maneira possível, conciliando o alcance das metas coletivas com o desenvolvimento individual.

2. Saber a hora de falar e a hora de ouvir

Esse líder tem uma visão sistêmica da equipe que coordena, mas compreende que os seus liderados são especialistas nas suas respectivas funções. Dessa forma, ele dá valor aos conhecimentos de cada um e sabe que incluí-los nos processos de tomada de decisão oferece mais riqueza e precisão nas ações estratégicas a serem adotadas. Portanto, esse líder é essencialmente democrático, sabendo a hora de ouvir a todos e sabendo a hora de definir prioridades e tomar decisões com clareza.

3. Adotar a cultura do feedback como ferramenta de motivação

O feedback é o processo em que um líder comunica aos seus liderados os resultados das suas avaliações de desempenho, individuais e/ou coletivas. Esse processo inclui o reconhecimento dos pontos positivos e a divulgação dos pontos que podem e devem ser desenvolvidos pelo profissional. Ao contrário do líder diminuidor, que usa esse processo como instrumento punitivo, o líder multiplicador conduz a conversa com respeito e empatia, fazendo com que o colaborador saia dela inspirado e motivado a melhorar.

4. Gerar uma visão sistêmica

Conforme citamos, o líder deve ter uma visão sistêmica, ou seja, uma compreensão geral do todo da equipe, composta por indivíduos especialistas. No entanto, o líder multiplicador também estimula nos colaboradores essa mesma visão sistêmica. Isso faz com que cada um compreenda a inter-relação existente entre as funções, compreendendo que as suas atividades tanto influenciam como são influenciadas pelas atividades dos outros. Isso alimenta a colaboração e a empatia dentro da equipe.

5. Permitir que os colaboradores se desenvolvam

Esta talvez seja a mais forte das características dos líderes multiplicadores: eles permitem que cada indivíduo evolua. Assim, não têm medo de compartilhar o que sabem e ainda permitem, com o auxílio do departamento de recursos humanos, que iniciativas de capacitação contínua sejam adotadas. Palestras, eventos, cursos e treinamentos são algumas das ferramentas concedidas para que as equipes se fortaleçam. Elas são vistas como investimentos, e nunca como gastos.

6. Manter uma relação de proximidade com a equipe

O líder diminuidor é distante é assume uma posição de superioridade. Ele dá ordens e comunica resultados, apenas. O líder multiplicador, no entanto, é muito mais próximo e presente no dia a dia da equipe. Ele ensina, compartilha conhecimentos, ajuda, dá instruções, corrige com serenidade, delega funções de modo estratégico e ouve o que os liderados têm a dizer, sendo aberto a sugestões e feedbacks construtivos. Assim, ele cresce junto, tendo a consciência de que os resultados da equipe são construções coletivas.

7. Inspirar confiança e ser um bom exemplo

Por fim, é importante ressaltar que o líder multiplicador é um grande motivador. Ele demonstra ânimo e confiança nas suas próprias capacidades e nas competências de todos da equipe, fazendo com que esse clima de otimismo se propague. Além do mais, ele é um exemplo vivo das características que deseja ver nos membros da equipe. Assim, age com pontualidade, organização, disciplina, dedicação, criatividade, enfim, com as competências que deseja ver na equipe inteira!

Os líderes multiplicadores reúnem essas características e multiplicam o potencial das equipes que lideram. Os líderes diminuidores, porém, limitam potenciais, são restritivos e lideram mais pelo medo e pela punição do que pelo exemplo e pela motivação. É algo a se pensar dentro das organizações que desejam modernizar a sua gestão e alcançar verdadeiros resultados extraordinários!

E você, ser de luz, que tipo de líder é ou pretende ser? Que tipo de líder você tem atualmente? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!