O jeito Harvard de ser feliz é um livro de autoria do estadunidense Shawn Achor. Ao longo do livro, o autor cita 7 princípios que, com base nos seus estudos, são capazes de estimular um indivíduo à conquista de uma vida de mais felicidade e sucesso.

O 5º desses princípios tem um nome particularmente curioso: o círculo do zorro. O que será que o herói defensor das populações mais vulneráveis da Califórnia espanhola tem a nos ensinar sobre a felicidade e sobre o desenvolvimento pessoal? Bastante, coisa na verdade! Ficou curioso? Então, continue a leitura a seguir e confira!

O círculo do Zorro

Conta a história que Zorro nem sempre foi um herói valente, mestre de todas as armas. Na verdade, o cinema traz algumas cenas de um jovem e impetuoso Alejandro que tinha muito desejo de combater as injustiças do mundo, mas que ainda não conseguia controlar as suas emoções e conduzir a própria vida com disciplina. Quando o mestre ancião Don Diego o conhece, Alejandro está, na verdade, sem rumo e mergulhado na bebida.

Em uma caverna isolada, Don Diego ajuda o jovem Alejandro a controlar o corpo e a mente para vencer essa imagem derrotada. Ele desenha sobre o chão um círculo, de modo que o seu jovem pupilo tenha que passar horas combatendo e treinando os movimentos com a espada sem sair dos limites do anel.

Ao longo do filme, percebemos que Alejandro gradativamente domina o próprio corpo e diferentes armas com as quais luta pela justiça que tanto deseja. Contudo, antes de partir para qualquer outro obstáculo maior, ele precisaria primeiro dominar aquele círculo. Antes de conseguir o feito, o pupilo de Don Diego não tinha disciplina, controle emocional, autoconfiança e habilidades diversas. Apenas após o domínio do círculo inicial, foi que Alejandro assumiu o controle do próprio destino e tornou-se Zorro, a lenda.

Quais aprendizados podemos extrair?

A partir do círculo do Zorro, podemos extrair, ainda que metaforicamente, uma série de aprendizados que podem ser aplicados nas diferentes áreas das nossas vidas, em busca do sucesso e da felicidade. Confira os principais desses aprendizados na sequência!

1. O domínio da força e das emoções

PSC Renascimento

No início da história, Zorro já tinha dentro de si um bom potencial para tornar-se o herói que viria a ser. Contudo, ele demonstra um descontrole acerca da própria força, um desconhecimento das próprias habilidades e uma imaturidade diante das próprias emoções. É dentro do círculo de Don Diego que ele aprende a dominar a força do seu corpo e as emoções que surgem na sua mente. Esses dois aspectos do ser caminham juntos e precisam estar em equilíbrio, antes que possamos alcançar qualquer objetivo.

2. O desenvolvimento de conhecimentos e habilidades

Dentro do círculo, Alejandro recebeu muitos conhecimentos de Don Diego, tanto sobre a vida quanto sobre as técnicas de luta e domínio de armas. Esse processo de aprendizado é contínuo e faz parte da vida de todos aqueles que desejam progredir na vida. Por isso, é muito importante ter exemplos a serem seguidos e mentores em quem possamos confiar para receber valiosos conhecimentos. Além disso, o domínio de uma habilidade só é estabelecido diante da prática, com repetições e aperfeiçoamentos.

3. A paciência e a persistência

Convenhamos que um rapaz impulsivo como Alejandro provavelmente não se sentia confortável ao ter que permanecer dentro do círculo para dominar a sua força e as suas habilidades. Contudo, a paciência também é uma virtude a ser desenvolvida, pois ninguém se torna uma grande referência em qualquer habilidade da noite para o dia.

Por isso, não podemos dar o passo maior do que a perna. Além disso, no desenvolvimento das nossas competências, devemos ter persistência para não desistir diante dos erros, do cansaço ou dos resultados esperados que ainda não chegaram.

4. A conquista gradativa do progresso

Ao longo dos filmes do Zorro, podemos perceber que ele domina diferentes técnicas de combate, colocando-as em prática nas situações em que se envolve. Contudo, antes de dominar as espadas, as cordas e as acrobacias, ele precisava dominar a si mesmo dentro daquele círculo. Aos poucos, ele conseguiu partir para desafios maiores, respeitando a velocidade do seu progresso. Assim também devemos agir na vida: definir objetivos grandiosos, mas que devem ser alcançados aos poucos, meta após meta.

5. O acompanhamento contínuo dos resultados

Uma das vantagens de contar com um mentor, como ocorreu com o jovem Alejandro, é ter alguém que possa corrigir as falhas, recompensar os acertos e, de modo geral, oferecer uma visão acerca do progresso que está sendo feito. O feedback, portanto, é um meio de manter a chama da motivação acesa, o que é fundamental para que todas as pessoas continuem progredindo em direção às metas que pretendem alcançar. Sair de um círculo pequeno e partir para desafios maiores é uma demonstração de crescimento.

6. O autoconhecimento para as vitórias

Ao longo da sua evolução pessoal, Alejandro passou a identificar os seus conhecimentos, habilidades, emoções e atitudes. Por outro lado, também identificou as suas fraquezas e pontos que precisavam ser desenvolvidos. Assim também deve ser na vida de qualquer pessoa: os nossos progressos e erros são termômetros do autoconhecimento, ou seja, do quanto conhecemos a nossa própria essência (em forças e fraquezas). Sem essa compreensão, jamais conseguiremos “sair do círculo”.

O círculo do Zorro, em conclusão, é uma metáfora para os momentos de treino e aprendizado, antes que possamos sair em busca da conquista das nossas metas. Esse processo é gradativo, de modo que possamos partir para novos desafios, na medida em que provamos o domínio de conhecimentos e habilidades.

Trata-se de uma técnica que estimula a força, a inteligência emocional, o conhecimento, as habilidades, a paciência, a persistência, o progresso gradativo, o feedback e o autoconhecimento. Não há felicidade e sucesso sem passarmos por cada uma dessas etapas.

E você, ser de luz, como lida com o seu pequeno círculo antes de partir para as batalhas da vida? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!