O mercado de trabalho é extremamente dinâmico. Isso significa que, de tempos em tempos, algumas profissões ganham força, enquanto outras parecem sofrer modificações ou substituições. Tudo isso se deve ao fato de que as necessidades da sociedade mudam, pois o comportamento humano e as tecnologias que utilizamos também sofrem mudanças.

Dessa forma, é importante acompanhar os sinais que o mercado dá para que possamos identificar as profissões que tendem a crescer nos próximos anos, bem como as competências técnicas e comportamentais que elas exigem. Isso nos ajuda a prosperar na carreira! Na sequência, você vai conferir 12 profissões que prometem estar em alta no futuro próximo.

1. Advogado especialista em proteção de dados

A legislação brasileira inclui a LGPD — Lei Geral de Proteção de Dados, entre outras leis que abordam as regras que as empresas devem seguir ao utilizar os dados das pessoas. Isso inclui bancos, serviços públicos e empresas privadas que diariamente utilizam milhões de dados de colaboradores, clientes e potenciais consumidores. Essa legislação é complexa, e as organizações precisam saber como prevenir qualquer ação ilegal nesse sentido, o que demanda o auxílio de profissionais do Direito especializados.

2. Streamer

O streamer é o profissional que produz conteúdo digital em plataformas de transmissão ao vivo. Os mais famosos desse setor são os que transmitem jogos online, tendo em vista que o mundo dos e-sports não para de crescer e de movimentar cifras elevadíssimas — inclusive sendo transmitido pela televisão, em alguns casos. Todavia, há diferentes tipos de conteúdos que podem ser transmitidos ao vivo. Estamos falando do trabalho de DJs, artistas, designers, profissionais da gastronomia etc.

3. Alfaiate digital

O nome parece estranho, mas não é difícil de entender. O alfaiate digital é o profissional que, por meio de programas e aplicativos digitais, consegue obter as medidas do corpo das pessoas antes de produzir roupas nos mais diversos estilos. Esse processo é conhecido como digitalização corporal e permite o trabalho remoto. Ele é baseado em softwares que aprimoram o serviço da alfaiataria e possibilitam a criação de peças exclusivas, com menor gasto de tecidos e de tempo.

4. Analista de Big Data

Big Data é uma expressão em inglês utilizada para se referir aos grandes volumes de dados que as organizações precisam coletar e analisar antes de tomar as suas decisões estratégicas. Esses dados podem incluir o desempenho de vendas da empresa, os acessos recebidos no site, os cliques que um anúncio publicitário gerou e a situação financeira da organização. Esse profissional deve verificar quais são os dados mais relevantes, sabendo como filtrar, analisar e interpretar as informações.

5. Profissional de cloud computing

Cloud computing, ou computação na nuvem, é uma tecnologia de armazenamento de arquivos digitais, sem que precisemos depender de pen-drives ou CDs. Nos smartphones, é onde estão automaticamente armazenadas as nossas fotos, por exemplo. Esse profissional deve ser um indivíduo atualizado em termos de tecnologia, de modo que seja capaz de estudar e desenvolver meios de aperfeiçoar a computação na nuvem, identificando novas possibilidades de uso — para pessoas e empresas.

6. Analista de cibercidade

PSC

Cibercidade é o nome dado à execução de projetos de arquitetura e urbanismo por meio de recursos digitais. Planejar estratégias de desenvolvimento urbano pode ficar mais fácil e rápido com o auxílio dessas ferramentas tecnológicas. Isso permite aos profissionais da área melhorar a mobilidade urbana, analisar o fluxo de pessoas em diferentes ruas ao longo do dia, desenvolver estratégias de aproveitamento dos espaços públicos e privados nas cidades, e por aí vai.

7. Analista de ética e compliance

Esse tipo de profissão não é exatamente uma novidade, mas tende a crescer nos próximos anos. A ética deve fazer parte das empresas em todos os seus processos: contratos, negociações, relações com os colaboradores, relações públicas, meio ambiente, transparência na prestação de contas, e por aí vai. O analista de ética é o profissional responsável por analisar se o que se faz em todos esses processos ocorre com honestidade e transparência, revisando contratos, otimizando processos etc.

8. Consultor espiritual

A Organização Mundial da Saúde (OMS) define a saúde não apenas como a ausência de doenças, mas como um estado de bem-estar físico e mental. Assim, é natural que, na correria da vida contemporânea, cada vez mais pessoas estejam estressadas e afastadas de uma rotina saudável e da espiritualidade. O consultor espiritual não prega uma religião específica, mas apenas ouve o que o cliente tem a dizer e proporciona paz, equilíbrio e harmonia, por meio de uma perspectiva terapêutica sistêmica.

9. Atendente virtual de pacientes

Hospitais e consultórios precisam de humanização no atendimento nas recepções, na triagem, no agendamento de exames e nas orientações gerais. Por isso, com os websites e aplicativos de celulares, é possível executar essas etapas iniciais dos atendimentos de forma virtual, mas sem a “frieza” dos robôs e chatbots. Os espaços de saúde demandam uma presença humana mais intensa, e é aí que o atendente virtual se faz necessário — ao recepcionar e acolher os pacientes com empatia.

10. Bioinformacionista

A tecnologia e a área da saúde caminham e evoluem lado a lado. É por isso que a área da bioinformática já está sendo divulgada e estudada em cursos de especialização. Dessa forma, o bioinformacionista é o profissional da ciência que executa procedimentos clínicos para aprimorar o desenvolvimento de medicamentos e os processos de análise laboratorial, por meio da tecnologia.

11. UX designer

UX designer, ou designer da experiência do usuário, é o profissional que pensa na experiência de uma pessoa ao acessar um site, aplicativo, canal de televisão ou qualquer outro sistema digital. Ele planeja a melhor maneira de conduzir toda a jornada do usuário nesses ambientes, de modo que as informações estejam claras e organizadas, além de terem uma aparência agradável. Uma empresa pode ser muito prejudicada ao colocar no ar um site poluído e bagunçado, por exemplo.

12. Coach de bem-estar financeiro

No Brasil, a cultura da educação financeira não é forte, e só agora parece estar ganhando relevância. Assim, os coaches de bem-estar financeiro tendem a se popularizar. Esses profissionais compreendem a situação de cada cliente e oferecem auxílio personalizado, com orientações de organização, planejamento, administração das emoções, economia, geração de renda e investimentos. Isso permite que o cliente alcance os seus objetivos financeiros e consiga viver com mais qualidade.

O que podemos perceber na lista acima é que a tecnologia não está substituindo o trabalho humano, mas potencializando-o. Ética, empatia, entretenimento, saúde, qualidade de vida e bem-estar continuam sendo prioridades. As novas profissões apenas aprimoram a satisfação de antigas necessidades, com o auxílio da tecnologia. Cabe a cada um de nós ficarmos atentos ao que está por vir!

E você, querida pessoa, como avalia o futuro da sua profissão? O que espera da sua área de atuação? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!