Imagine que alguém peça para você fazer um texto. Você o redige com tranquilidade, mas, por via das dúvidas, contrata um revisor para checar se o que você escreveu faz sentido e se a gramática está correta. Nesse processo, você terceirizou a etapa da revisão, ou seja, a atribuiu a outra pessoa/empresa, mediante um pagamento.

O processo de terceirização é uma prática muito comum nas empresas, na atualidade, especialmente porque quase todo mundo depende, em maior ou em menor aspecto, de outras pessoas ou empresas. No entanto, o assunto é polêmico, tendo em vista que há vantagens e desvantagens nesse processo. Neste, artigo você conhecerá melhor os prós e os contras da terceirização. Confira!

O que é a terceirização e quais são os exemplos mais comuns?

A terceirização de um trabalho ocorre quando uma empresa contrata outra organização para prestar alguns serviços específicos (que não serão desempenhados pelos próprios funcionários da empresa contratante). Trata-se, portanto, de uma relação B2B (business to business, ou de empresa para empresa).

É o que acontece, por exemplo, quando uma empresa contrata funcionários de outra instituição para fazer a limpeza do ambiente. Nesse caso, os funcionários realizam o serviço nas dependências da empresa contratante, mas quem paga o seu salário é a empresa contratada (que, por sua vez, é paga pelos contratantes).

Em geral, os serviços terceirizados costumam ser referentes às atividades-meio, e não às atividades-fim da empresa. Por exemplo: equipes de limpeza, funcionários de entregas (motoboys, motoristas, caminhoneiros), seguranças, escritórios de contabilidade, analistas de recursos humanos, entre outros, costumam ser terceirizados, pois não constituem a atividade central da empresa contratante.

Pode ocorrer também de haver terceirização em atividades-fim, como pode ser o caso de uma agência de publicidade que contrata redatores freelancers em um projeto que demanda um alto volume de textos em pouco tempo, por exemplo. Contudo, esse último caso costuma ocorrer em menor frequência.

Vantagens proporcionadas

Conforme citamos no início do artigo, o processo de terceirização é marcado por vantagens e desvantagens. Na sequência, você conferirá 3 aspectos positivos que a terceirização pode proporcionar às organizações.

1. Foco no core business

PSC

Core business é uma expressão que se refere às atividades-fim de uma empresa, ou seja, ao seu propósito de existir. Sendo assim, o core business de um escritório de advocacia, por exemplo, é cuidar dos casos jurídicos dos seus clientes. Dessa forma, se esse escritório terceirizar, por exemplo, a contabilidade e o pagamento dos funcionários, ele poderá concentrar-se integralmente ao estudo dos casos e das leis.

Portanto, uma das maiores vantagens da terceirização de determinados serviços é que ela permite que as empresas não tenham que contratar profissionais que não estejam diretamente relacionados ao negócio principal, ocupando boa parte da empresa com atividades-meio.

2. Contratação de equipes qualificadas

Se você tem uma loja, poderia até pedir para o seu estagiário passar uma vassoura e um pano úmido pelo ambiente para deixá-lo mais limpo e perfumado. No entanto, dois problemas ocorreriam se isso acontecesse. Em primeiro lugar, o próprio estagiário poderia não gostar, afinal de contas, não foi para isso que ele foi contratado. Em segundo lugar, quem garante que essa limpeza ficaria boa?

A contratação de uma empresa especializada em determinado serviço, no entanto, garante que ali existe mão de obra qualificada, de preferência com pessoas experientes e com as ferramentas mais indicadas para a prestação do serviço, de modo que um resultado melhor possa ser obtido.

3. Otimização de uma estrutura mais enxuta

Por fim, é preciso ressaltar que, ao terceirizar algumas atividades, a empresa contratante não precisaria ter tantos funcionários nem contar com uma estrutura física muito grande. Assim, a terceirização deixa a empresa mais enxuta, o que torna os processos mais ágeis e rápidos.

Além disso, se pensarmos que a contratante não precisa efetivamente pagar o salário e os encargos trabalhistas dos terceirizados, poderia também haver algum benefício financeiro — no entanto, é preciso fazer as contas, pois a empresa contratada também vai querer ter algum lucro, certo?

Desvantagens do processo

Se a terceirização permite a contratação de equipes especializadas, a criação de uma estrutura mais enxuta e o foco na atividade principal do negócio, por outro lado, é preciso pontuar que nem tudo são flores. O processo também tem alguns contras, que você conferirá agora.

1. Distanciamento da cultura organizacional

O profissional terceirizado muitas vezes nunca esteve na sede da empresa contratante. Isso gera algum distanciamento, de modo que ele conhece pouquíssimas pessoas da empresa e não vivencia os valores daquela cultura organizacional, o que pode gerar certas incompatibilidades.

Dessa forma, o funcionário presta serviços à empresa, mas não se sente parte dela, sendo apenas alguém que cumpre as suas funções e ponto final, sem envolver-se mais do que isso. É por esse motivo que a recomendação geral é de que só sejam terceirizadas as atividades “acessórias”, da empresa, e não as suas atividades principais.

2. Qualidade do trabalho questionável

Por conta desse distanciamento, a verdade é que a empresa contratante só conhecerá especificamente a qualidade do serviço prestado quando os terceirizados começarem a trabalhar. Nessa hora, o barato pode sair caro.

Muitas empresas enxergam na terceirização uma oportunidade para reduzir custos e economizar algum dinheiro. Isso até pode ser possível, mas, em compensação, a qualidade do serviço terceirizado pode não ser a esperada. Nesse caso, o benefício financeiro adquirido pode ser perdido devido a outros fatores: perda de agilidade, trabalho de baixa qualidade, perda de clientes etc. Dessa forma, optar sempre pela empresa mais barata pode não ser a melhor saída.

3. Demissões e alta rotatividade

Por fim, é preciso considerar que muitas empresas que optam pela terceirização de alguns serviços precisam abrir mão dos seus próprios funcionários que realizavam as funções a serem terceirizadas. Isso pode elevar o desemprego, pois nem sempre a reabsorção da mão de obra dispensada acompanha o ritmo das terceirizações em um país.

Quando o desemprego aumenta, as crises financeiras nas famílias disparam, o que prejudica a qualidade de vida das pessoas e também a economia desses lugares. Portanto, trata-se de um processo muito delicado, que demanda estudos, planejamento e alguma sensibilidade.

Como você pode perceber, o processo de terceirização nas empresas não é difícil de compreender. Contudo, a sua dificuldade consiste em analisar o cenário e identificar se ela é mesmo a melhor opção naquele momento. Só quem pode responder a essa dúvida é o próprio empresário, ponderando os prós e os contras da questão, conforme citamos acima.

E você, ser de luz, o que pensa sobre a questão da terceirização do trabalho nas empresas? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!