Quando pensamos em traição, a imagem que nos vem à mente quase sempre é a de um casal apaixonado em beijos intensos, enquanto os seus respectivos esposos estão em outro lugar sem saber de nada. Essa cena é muito comum em filmes e telenovelas, de modo que ajuda a criar uma ideia coletiva de que a traição consiste apenas em contato físico.

Isso não é verdade. A infidelidade apresenta diferentes dimensões, de modo que há diferentes meios de trair alguém. Quer saber como isso ocorre? Então, acompanhe-nos na reflexão a seguir!

Traição: o que é?

A traição é a quebra de fidelidade e de confiança entre duas ou mais pessoas, o que pode acontecer em diferentes contextos: amor, amizade, vida familiar, trabalho, finanças etc. Quando uma pessoa trai a outra, isso significa que ela teve uma atitude prejudicial ao outro, de modo que há uma perda de confiança.

Algumas traições são perdoadas, mas, em geral, lidar com esse processo é muito complexo. Dependendo da atitude do traidor, a pessoa traída pode preferir cortar a relação. É assim que amizades e até casamentos de anos são desfeitos. Portanto, ser fiel aos próprios valores e aos compromissos assumidos com o outro é uma grande virtude.

Quais são as dimensões da infidelidade?

Além do contato físico, há diferentes formas pelas quais uma pessoa pode trair outra. A seguir, confira algumas dessas maneiras, de modo a ficar atento e a evitar magoar aqueles a quem você ama.

Envolvimento emocional

A traição clássica envolve um envolvimento íntimo ou sexual fora da relação “oficial” em que a pessoa está inserida. No entanto, pode acontecer também um envolvimento emocional, ou seja, em que a traição não se resume ao corpo a corpo.

PSC Renascimento

Nesse caso, pode haver um compartilhamento íntimo de sentimentos e o desenvolvimento de carinho, afeto, paixão etc. A pessoa pode partilhar com a outra os seus sonhos, medos, desejos, planos e vontades com o outro, que não seja o parceiro oficial. Segundo algumas pessoas que já foram traídas, o envolvimento emocional pode ser até mais doloroso e difícil de lidar do que uma traição puramente física.

Contato digital

Hoje em dia, é relativamente “fácil” manter sob sigilo conversas com terceiros, escondendo-as inclusive dos parceiros amorosos. Por meio de senhas nos smartphones, as pessoas podem manter secretas as mensagens de texto e de áudio que enviam a outros, fora do relacionamento.

Os contatos digitais são um tipo de “traição virtual”, em que há trocas de mensagens e fotografias que constituem flertes por aplicativos, e-mails e redes sociais. É um meio de diminuir a exposição e o risco de ser pego, mas que nem por isso deixa de trazer consequências. O contato digital pode ser pego e gerar muito sofrimento.

Infidelidade financeira

Imagine que um casal tenha feito um combinado de juntar dinheiro para quitar o valor do imóvel recém-adquirido. Essa meta é importante para ambos, de modo que os esforços devem ser feitos pelas duas partes. No entanto, um dos dois, sigilosamente, deixou de poupar o dinheiro do mês e fez uma compra por um interesse individual.

Esse tipo de caso corresponde à chamada “infidelidade financeira”. Ela envolve esconder finanças, fazer gastos sem o conhecimento do parceiro, omitir fontes de renda, enfim, ter qualquer comportamento que possa prejudicar a confiança do parceiro no relacionamento — ao menos em termos de dinheiro.

Falta de tempo de qualidade

O tempo de qualidade é uma das linguagens do amor e é também um pilar fundamental em qualquer relacionamento. Se você deseja que as suas relações sejam felizes, você precisa dedicar um tempo especial às pessoas a quem ama: parceiro amoroso, amigos, familiares etc.

A traição por falta de tempo é aquela em que você “troca” o tempo que passaria com a pessoa amada para fazer outra coisa, como um hobby, um trabalho ou a companhia de outra pessoa. É claro que ninguém é exclusividade de ninguém, e todos nós precisamos conciliar diferentes áreas da vida, mas essas coisas devem ser conversadas. Se você simplesmente reduz o convívio com a pessoa amada sem diálogo e sem justificativas, isso pode ser entendido como traição e falta de prioridade.

Infidelidade de respeito e de atenção

Se um parceiro não está emocionalmente disponível, por mais que esteja fisicamente presente, isso pode ser considerado uma forma de infidelidade de atenção. Nesse caso, o parceiro até está com a pessoa na mesma hora e no mesmo lugar, mas pode estar focado no trabalho, no jogo do celular ou até em conversas com outras pessoas.

Além disso, a falta de respeito pelos limites e acordos estabelecidos no relacionamento também pode ser vista como uma forma de traição, independentemente do aspecto específico. Se um combinado feito pelo casal (ou amigos, colegas etc.) não for cumprido adequadamente, pode-se falar em infidelidade.

Como lidar com esses tipos de traição?

Confira algumas recomendações para evitar e/ou lidar com esses diferentes tipos de traição:

  • Converse com as pessoas e deixe claras as expectativas que você tem em relação a elas, e vice-versa;
  • Abra um diálogo honesto, caso tenha ocorrido alguma traição;
  • Defina expectativas claras para construir a confiança;
  • Exponha os seus sentimentos com sinceridade;
  • Fale sobre tudo, inclusive sobre finanças;
  • Reconheça as suas próprias falhas, dando o exemplo para que o outro aja da mesma forma;
  • Jamais desrespeite o parceiro ou permita que ele faça o mesmo;
  • Em caso de traição, verifique se há a possibilidade de reconstruir a confiança ou se é melhor cada um seguir o seu caminho;
  • Cuide da sua saúde mental durante esse processo de decisão.

Como você pode notar, traição não é só contato físico. Lidar com a traição é um processo complexo, e pode ser útil buscar orientação profissional, como terapia de casal ou aconselhamento individual, para obter suporte adicional. Cuide-se e tome a melhor decisão!

E você, ser de luz, já enfrentou algum tipo de traição? Como lida com esse processo? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!