“É que Narciso acha feio o que não é espelho”. Os versos de Caetano Veloso retomam a mitologia grega para relembrar Narciso, um herói famoso por sua beleza e orgulho. Conta o mito que Narciso passou por uma fonte de água cristalina e parou para beber um pouco. Ao ver o próprio reflexo, apaixonou-se por si mesmo e matou-se por não conseguir ter a posse do seu objeto de desejo — ele mesmo.

Mas o que tudo isso tem a ver com a cultura de uma empresa? Na verdade, muita coisa! Alguns líderes parecem se comportar como Narciso, envaidecidos e considerando-se superiores a tudo e todos. A chamada liderança narcisista apresenta uma série de consequência negativas para o ambiente empresarial, conforme você verá a seguir.

O que é narcisismo?

Narcisismo é um termo atualmente utilizado para se referir aos indivíduos que nutrem por si mesmos uma admiração excessiva e envaidecida. Isso faz com que a pessoa se irrite caso não seja o centro das atenções. Para ela, ninguém é tão belo, inteligente e interessante quanto ela. Alguns casos são até mesmo diagnosticados no chamado transtorno de personalidade narcisista, de acordo com os manuais de psiquiatria.

O indivíduo narcisista geralmente tem uma grande sede de poder e também alguma dose de prepotência, pois se considera superior aos demais em diversas questões: aparência, sucesso, inteligência etc.

Essa visão de grandiosidade em relação a si mesmo faz com que esse tipo de pessoa espere ser tratado de forma especial pelos outros, podendo explorá-los para obter ganhos pessoais. Esse indivíduo também pode manifestar falta de empatia, desinteresse pelos outros, inveja e a crença de que os outros o invejam.

Como um líder narcisista afeta uma organização?

Ao ler a descrição acima, pode ser um pouco assustador imaginar um líder com essas características, não é mesmo? Mas eles existem e podem causar problemas bem complexos nas empresas. Confira algumas das consequências desse comportamento no ambiente organizacional.

1. Roubo de créditos

PSC Renascimento

Um líder narcisista sempre vai querer todos os créditos dos projetos bem-sucedidos para si. Mesmo que a conquista tenha sido coletiva, ele sempre fará questão de enfatizar a vitória como sendo sua, utilizando a primeira pessoa do singular. Esse tipo de indivíduo tem uma dificuldade muito grande em conceder créditos a outras pessoas, o que quer dizer que ele raramente reconhece os valores dos outros. Chefes com essa característica dizem que o funcionário “não fez mais do que a obrigação”.

2. Jogo de culpas

Se o líder toma todos os créditos e recompensas para si, o mesmo não se pode dizer das culpas pelos resultados negativos. Nesse caso, ele não hesita em apontar dedos e jogar a culpa nas costas dos seus colaboradores. Mesmo que algum dos erros tenha sido seu, ele não admitirá. No máximo, dirá que a culpa é de todo mundo. Por ter uma visão tão elevada de si mesmo, ele não concebe a ideia de que possa ter cometido um erro. Fará o possível para justificá-lo ou para atribuí-lo a outra pessoa.

3. Egocentrismo e arrogância

Todo narcisista é egocêntrico. Na posição de líder, então, ele se sentirá ainda mais confortável para querer ser sempre o centro das atenções. Dessa forma, esse chefe será daqueles que insistem que as suas ideias são as melhores, mesmo que não sejam. Está sempre se gabando das suas conquistas, da sua experiência, da sua formação profissional, dos seus resultados e por aí vai. Comporta-se com arrogância e prepotência, sempre se vangloriando de conquistas quase sempre exageradas.

4. Descrédito aos conhecimentos dos outros

Ao mesmo tempo em que se envaidece, o líder narcisista torna-se cada vez menos empático e cada vez mais incapaz de reconhecer os méritos dos outros. Mesmo que um funcionário tenha um desempenho acima da média ou um resultado bastante expressivo, isso será visto apenas como a obrigação dele. Além disso, alguns chefes com esse comportamento podem desdenhar da formação, da área de atuação e do conhecimento dos liderados, alegando estarem aquém da posição que ocupam.

5. Desequilíbrio emocional, sobretudo diante de conflitos de ideias

O líder narcisista tem uma dificuldade grande em compreender ou admitir que existam ideias diferentes ou até superiores às suas. Por considerar-se melhor do que os outros, ele tende a ver qualquer ideia diferente como ameaça ao seu poder. Isso faz com que a liderança narcisista esbarre na liderança autocrática em diversos momentos. Para esse indivíduo, é muito difícil lidar com o pensamento diferente do seu, sobretudo quando uma ideia é sugerida por um subordinado.

6. Intimidação e imposição de regras

O líder narcisista é intimidador. Isso significa que ele define regras de funcionamento para a sua equipe, o que geralmente restringe a liberdade dos seus liderados. No entanto, ele mesmo se recusa a seguir essas regras, pois julga que, por ser superior, elas não se aplicam a si mesmo. Isso gera uma consequência negativa, em que os colaboradores percebem uma postura de hipocrisia do líder, pois ele cobra dos outros comportamentos e atitudes que ele mesmo não demonstra no dia a dia.

7. Estímulo à competição, e não à colaboração

As atitudes de um líder narcisista revelam egocentrismo e individualismo. Como sabemos, as atitudes dos líderes influenciam diretamente as atitudes dos liderados. Dessa forma, esse tipo de liderança acaba tornando as pessoas da equipe em geral mais individualistas e interessadas apenas nos próprios resultados. Assim, é construída uma equipe marcada muito mais pela competição do que pela colaboração.

8. Desmotivação e redução da eficácia das organizações

Em consequência de todos os itens já citados, é fato que as pessoas perdem a motivação de trabalhar em um ambiente assim, marcado pela competitividade, pelo roubo de créditos e pelo jogo de culpas. Sem motivação, os colaboradores trabalham menos e com menos dedicação, o que eleva as chances de erros, ou ao menos diminui a produtividade da equipe. Dessa forma, os resultados da organização em geral ficam piores.

Como você pode notar, a liderança narcisista é muito prejudicial a qualquer organização. Assim, é importante evitá-la e realizar feedbacks constantes, que incluem a forma como os liderados avaliam os líderes, e não apenas o contrário.

E você, querida pessoa, já trabalhou com um líder narcisista? Como lidou/lida com a situação? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!