Talvez você já tenha ouvido falar ou lido em algum lugar que você é “a média” das 5 ou 6 pessoas com as quais mais convive. Falar em um número específico é complicado, mas podemos entender a ideia por trás desse princípio, que nada mais é do que o fato de que as nossas ideias e comportamentos são muito influenciados pelas pessoas com quem mais compartilhamos o nosso tempo.

Neste artigo, vamos entender melhor a teoria dos grupos de referência, do Dr. David McCullen, que comprova essa ideia-base. Vamos entender também por que essa influência é tão grande. Continue a leitura e saiba mais!

A teoria dos grupos de referência

O Dr. David McCullen, pesquisador da Universidade de Harvard (EUA), conduziu estudos por mais de 25 anos para descobrir por que algumas pessoas têm tanto sucesso na vida. Ele descobriu que 99% desse sucesso é relacionado ao que ele chamou de “grupos de referência”.

Os grupos de referência de um indivíduo são os conjuntos de pessoas com as quais ele mais se associa e compartilha o seu tempo. Esses grupos são a sua família, os seus vizinhos, os seus colegas de trabalho e de estudo, os seus amigos, as pessoas dos locais que ele frequenta (igrejas, academias etc.), enfim, aqueles com quem mais convive.

Essas pessoas são determinantes no nosso sucesso porque, por mais que tenhamos a nossa individualidade, é fato que as ideias, opiniões e atitudes delas acabam por influenciar o nosso próprio conjunto de crenças e, consequentemente, o nosso comportamento.

Segundo o autor, se mudarmos uma pessoa de grupos de referência, ela provavelmente vai mudar algumas das suas crenças e atitudes, de acordo com os hábitos do novo grupo. Assim, conviver com pessoas bem-sucedidas pode, por tabela, nos estimular a alcançar o nosso próprio sucesso.

PSC Renascimento

Por que isso ocorre?

A Psicologia e a Sociologia têm se debruçado sobre o tema e levantado algumas das razões que potencialmente explicam essa influência dos grupos dos quais fazemos parte sobre os nossos comportamentos e os nossos resultados. Confira alguns desses motivos.

  1. Modelagem de comportamento

As pessoas imitam ou modelam comportamentos que identificam nos grupos dos quais fazem parte. É o caso da criança que desenvolve uma alimentação saudável ao perceber que os pais se alimentam dessa maneira, por exemplo. Dessa forma, se você vive em um meio em que as pessoas estudam, trabalham, investem dinheiro e planejam o alcance dos seus próprios objetivos, é provável que você internalize e reproduza esses mesmos mecanismos de ação.

  1. Normas sociais

Assim como os comportamentos, as normas que regem os grupos dos quais fazemos parte também são importantes delineadores das nossas atitudes e resultados. Os grupos determinam, de alguma maneira, o que é aceitável ou valorizado. Portanto, se você faz parte de meios que valorizam o estudo, o trabalho, a saúde etc., provavelmente vai desenvolver esses valores pessoalmente, conduzindo as suas atitudes de acordo com eles. Isso pode ser uma pressão positiva para o seu sucesso.

  1. Apoio e encorajamento

A convivência com pessoas que estimulam em você determinadas atitudes torna-se um incentivo para fazer desses comportamentos verdadeiros hábitos. Se os seus amigos e familiares incentivam os seus estudos, por exemplo, é provável que você desenvolva essa atitude. Já aqueles que crescem e vivem em meios onde o estudo é tido como “perda de tempo” podem encontrar mais dificuldade em ter esse tipo de atitude. O apoio emocional e o encorajamento fortalecem a nossa autoestima.

  1. Oportunidades de aprendizado

Conviver com pessoas de sucesso também permite que o indivíduo tenha acesso a conhecimentos e a meios de desenvolver habilidades importantes. Como mentores, essas pessoas podem nos ensinar a ter sucesso em determinado aspecto, estimulando o estudo, o treinamento e o surgimento de oportunidades de aprendizado e crescimento. Por isso, é importante conviver com aqueles que já conquistaram ou que estão conquistando os objetivos que nós também desejamos.

  1. Networking e conexões

Isso nos leva ao item 5 da nossa lista, que é justamente fazer networking. Essa palavra em inglês designa a construção e o fortalecimento de redes de contatos estratégicos. Isso é particularmente útil na troca de experiências, no compartilhamento de dicas e conhecimentos sólidos e na indicação de diferentes tipos de oportunidades profissionais. Conviver com pessoas de sucesso, portanto, pode abrir muitas portas para oportunidades, parcerias e colaborações.

  1. Feedback construtivo

Além de compartilhar conhecimentos, um grupo de referência composto por pessoas bem-sucedidas também pode fornecer feedbacks construtivos. Pessoas mais experientes podem nos ajudar a reconhecer os nossos méritos, bem como a identificar os pontos de melhoria — geralmente indicando, de forma específica, como podemos melhorar. Esses feedbacks também podem fortalecer a motivação de quem está lidando com os medos e desafios típicos do caminho para alcançar as próprias metas.

  1. Responsabilidade e prestação de contas

Para as metas que serão alcançadas coletivamente, a postura dos membros do grupo de referência pode estimular você a também se empenhar e se sentir mais responsável por cumprir a sua parte. Especialmente nos ambiente em que é preciso prestar contas dos seus resultados, como nas empresas, esse é mais um estímulo para que a pessoa dê o melhor de si nas suas atividades. Já em ambientes em que a responsabilidade e a prestação de contas não são importantes, fica mais difícil desenvolver essa postura.

  1. Influência social

Por fim, entendemos que esses grupos dos quais participamos podem, desde tenra idade, influenciar as nossas escolhas, preferências, opiniões e valores. Se o seu grupo de referência valoriza determinadas conquistas ou realizações, você pode ser influenciado a seguir o mesmo caminho. A opinião alheia ainda é um importante “validador” dos caminhos que optamos por seguir nas diferentes áreas da vida.

É importante observar, porém, que a influência do grupo de referência pode variar com base em fatores individuais, como personalidade, valores e objetivos pessoais. Nem todas as pessoas são igualmente afetadas pelas influências do grupo de referência, e algumas podem optar por se distanciar de grupos que não estão alinhados com os seus objetivos e valores.

Dessa forma, por mais que essa influência exista, é importante que o indivíduo reconheça a sua autonomia, afinal de contas, ele pode e deve selecionar melhor as influências que recebe. Assim, se você deseja ser bem-sucedido em algo, cerque-se de pessoas que estimulem e despertem o seu melhor no alcance dessa meta!

E você, querida pessoa, como avalia a questão dos grupos de referência e a sua influência no sucesso? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!