Você já ouviu falar em arquétipos junguianos? Os arquétipos são personagens que representam determinadas características da humanidade, como “o sábio”, “o mago” e “o amante”. Esses personagens são construções do inconsciente coletivo, ou seja, são representações de características típicas, que foram identificadas na humanidade, gerações após gerações.

O psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Jung foi o responsável por fazer a identificação e a definição desses arquétipos, chegando a um total de 12 — daí o nome “arquétipos junguianos”.

É comum que as pessoas se identifiquem, de alguma maneira, com ao menos um desses 12 arquétipos. Neste artigo, vamos conhecer melhor um deles: o arquétipo do amante. Acompanhe!

Quem é o amante?

O amante é um dos arquétipos junguianos que mais atraem o interesse das pessoas. Essencialmente emocional e intenso, esse arquétipo representa as pessoas que têm por objetivo relacionar-se de forma significativa com outras pessoas. Aqui, estamos falando não apenas do relacionamento amoroso, mas também da amizade, do apego à família, dos colegas de trabalho, e por aí vai.

São indivíduos que valorizam a intimidade, a paixão, a gratidão e o compromisso. Por isso, fazem de tudo para serem sedutores, física e emocionalmente. A sua fraqueza é a necessidade excessiva de agradar ao outro, com medo de ficarem sozinhos, o que pode provocar a perda da própria identidade.

Quais são as principais características desse arquétipo?

Confira, a seguir, as 7 principais características do arquétipo do amante.

  • Vaidade e sensualidade: indivíduos com o arquétipo do amante priorizam a estética e a sensualidade, dedicando-se à sua aparência física e ao cultivo de uma aura atraente. A sua busca por aprovação e companhia está intimamente ligada a esse aspecto, e eles usam a sua sensualidade para atrair e seduzir aqueles ao seu redor.
  • Valorização dos diferentes tipos de amor: por mais que o termo “amante” remeta à sensualidade e ao romance, esse arquétipo abrange uma apreciação por todas as formas de amor humano, como o amor entre familiares, amigos, colegas e comunidades. Eles buscam pertencimento e aceitação em diversos grupos sociais, não se limitando apenas ao amor romântico.
  • Dificuldade de ficar sozinho: extremamente extrovertidos e emocionais, os amantes sentem uma aversão à solidão. Eles recarregam as suas energias na presença de outras pessoas e anseiam por compartilhar os seus pensamentos e sentimentos com os outros, tanto nos momentos bons quanto nos ruins.
  • Exploração dos 5 sentidos: para estabelecer conexões profundas, os amantes usam todos os recursos sensoriais disponíveis. Eles se comunicam não apenas verbalmente, mas também por meio de expressões faciais, linguagem corporal, voz, perfumes e outras formas de comunicação sensorial, buscando criar um impacto emocional e sensorial duradouro.
  • Sedução de diferentes formas: a sedução para os amantes vai além da mera vaidade física. Eles seduzem por meio de várias qualidades, como inteligência, simpatia, empatia e solidariedade, mostrando-se como pessoas interessantes e cativantes em todas as áreas da vida.
  • Criação de conexões profundas: os amantes buscam conexões emocionais, intelectuais e espirituais significativas nas suas interações. Eles se abrem e se entregam completamente aos seus relacionamentos, procurando estabelecer laços verdadeiros e duradouros com os outros.
  • Vontade excessiva de agradar ao outro: uma fraqueza dos amantes é a sua tendência a se submeterem excessivamente aos desejos e necessidades dos outros, com medo de perder a sua companhia e aprovação. Eles devem estar atentos para não sacrificarem a sua própria identidade e felicidade em prol dos outros.

Os 12 arquétipos de Jung: você sabe qual é o seu?

Além do arquétipo do amante, conheça um pouco mais sobre os demais arquétipos junguianos.

O Criador

PSC

O criador representa aqueles que buscam criar algo de valor duradouro e têm medo de serem apenas mais um na multidão. Esse arquétipo é conhecido por sua criatividade, perfeccionismo e apreciação por arte e cultura. Tendem um pouco ao tédio. Essas pessoas são artistas, inventores, inovadores, músicos, escritores, sonhadores.

O Governante

O governante é caracterizado pelo desejo de exercer poder e controle, pois teme perder a sua posição de autoridade. Ele é geralmente responsável e organizado e lidera naturalmente, mas deve evitar tornar-se um tirano. Quando governa com empatia e com clareza de comunicação, torna-se um líder de sucesso.

O Cuidador

O cuidador é conhecido por sua generosidade e empatia, uma vez que deseja ajudar os outros. Ele teme situações de egoísmo e ingratidão. Representa o altruísmo e a preocupação com o bem-estar dos demais. Com empatia e carinho, o cuidador é o amigo ou familiar que todos gostariam de ter, mas deve tomar cuidado para não negligenciar a si mesmo.

O Indivíduo Comum

O indivíduo comum busca pertencer a um grupo e teme ser deixado de lado. Ele é aquele personagem coadjuvante que vemos nas séries, filmes, livros e telenovelas. É amigável e humilde, preferindo não se destacar e valorizando a aceitação social. Não se sente confortável com as próprias diferenças que o colocam em alguma posição de destaque.

O Amante

Protagonista deste artigo, o amante, conforme citamos, foca em relacionamentos e valoriza a intimidade e conexões profundas. Ele receia a solidão e não ser amado, buscando ser atraente e formar laços emocionais significativos. Isso se vê não apenas no amor romântico, mas também no seu apego aos amigos e familiares.

O Tolo

O tolo é um arquétipo que vive o momento sem preocupações, buscando o prazer, mas temendo o tédio. É alegre e otimista, porém, pode ser visto como ingênuo ou irresponsável. Engraçado, esse indivíduo usa o humor como um meio de alegrar a si mesmo e as pessoas ao seu redor. Divertido, está sempre bem-humorado. 

O Herói

O herói deseja demonstrar coragem e fazer a diferença no mundo, temendo mostrar vulnerabilidade. É resiliente e autoconfiante e busca o bem comum, mas deve cuidar para não agir de forma imprudente. Corajoso e “salvador”, ele trabalha duro e tem vontade de fazer a diferença no mundo, restabelecendo a paz para si e para todos.

O Rebelde

Contrário às normas estabelecidas, o rebelde busca mudanças e teme não conseguir realizá-las. Conhecido por desafiar o status quo, ele conhece as regras para poder desobedecê-las. É um indivíduo que não se conforma com as injustiças que detecta no meio ao seu redor, agindo sempre para tentar transformar essa realidade com a qual não concorda.

O Mágico

O mágico busca compreender o universo e transformar sonhos em realidade, temendo consequências negativas de seus atos. É um visionário que une conhecimentos diversos em busca de soluções. Interessa-se por diferentes áreas do saber, como ciência, espiritualidade e tecnologia. Deseja expandir a sua consciência para encontrar soluções.

O Inocente

O inocente procura a felicidade e acredita em um mundo melhor, temendo agir de forma errada e sofrer punição. É simples, honesto e leal, buscando sempre fazer o que é certo e seguir as regras. É considerado o “par perfeito” do arquétipo do herói e o extremo oposto do rebelde. Romântico e sonhador, é o clássico “bom moço”.

O Explorador

O explorador deseja liberdade e busca novas experiências, temendo sentir-se preso em uma vida monótona. É corajoso e determinado, explorando diferentes caminhos em busca de autoconhecimento. Gosta de experimentar o que é novo até encontrar aquilo que faz sentido para si. É também chamado de andarilho ou de aventureiro.

O Sábio

Por fim, o sábio busca entender o mundo por meio do conhecimento e da reflexão, temendo a ignorância e a manipulação. É analítico e estudioso e deseja desvendar os mistérios do universo para melhorá-lo. Esse arquétipo representa as pessoas desconfiadas e racionais, que estudam para entender o funcionamento das coisas.

Conclusão

Apaixonado, intenso, emotivo e sedutor: esse é o perfil do arquétipo do amante, um dos mais interessantes dos 12 arquétipos de Jung. Com todas essas características, ele procura estar sempre cercado de pessoas e construir com elas relações profundas. Contudo, o amante não pode anular a si mesmo nesse processo.

É importante ressaltar que os arquétipos junguianos não são verdades absolutas. Na verdade, eles representam características gerais da sociedade. Assim, por mais que as pessoas se identifiquem predominantemente com um desses arquétipos, é natural que tenham características de vários deles.

Quer entender mais sobre o comportamento humano? Clique aqui e saiba mais!

E você, querida pessoa, se identificou de alguma maneira com esse arquétipo? Por quê? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!