Você já ouviu falar na zona de conforto? Não se trata de um lugar físico, mas de um lugar mental. De acordo com a psicologia, a zona de conforto é constituída de pensamentos e comportamentos que mantêm o indivíduo longe de todos os riscos, sem medos e ansiedades.

À primeira vista, isso parece ótimo, mas existe também o lado negativo dessa zona. Sem correr riscos, ninguém aprende nada, ninguém desenvolve novas habilidades e, consequentemente, ninguém progride nas diferentes áreas da vida. Se a sua versão bebê, por exemplo, não tivesse saído da zona de conforto, você estaria até hoje sem falar e sem andar. Já parou para pensar nisso?

Portanto, a zona de conforto é tão falsa e perigosa quanto o seu nome. Muitas pessoas deixam de realizar os seus sonhos ou de crescer na vida por não saírem dela. Para deixar essa zona para trás e sair em busca dos seus objetivos, confira as 8 dicas a seguir.

Quer vivenciar uma oportunidade extraordinária na sua vida?
Acesse o meu curso “Introdução ao Coaching”, é um presente!

1. Faça coisas que você nunca fez

Você sabe cozinhar? Trocar o pneu de um carro? Declarar o seu imposto de renda? Já fez alguma atividade voluntária? Já ensinou alguém a fazer algo? Pois saiba que essas são excelentes oportunidades para você sair da zona de conforto.

Quando realizamos uma atividade que nunca fizemos antes, o cérebro entende que aquele universo é novo e fica mais atento ao desenvolvimento de novos conhecimentos e habilidades. Pode dar um frio na barriga no início, mas, conforme realizamos a tarefa, desenvolvemos mais autoconfiança.

PSC Renascimento

Quando percebemos que somos capazes de fazer uma tarefa nova, isso altera a nossa crença, abrindo portas nunca antes imaginadas. Assim, nossa mente entende que podemos fazer várias coisas novas.

2. Dê voz aos seus pontos de vista

Na zona de conforto, as pessoas acostumam-se a fazer o que outros indivíduos mandam ou a seguir o rumo da maioria, sem refletir e sem questionar se aquilo de fato está fazendo bem a elas. Para sair desse lugar, desenvolva um olhar mais crítico. Aprenda a comunicar os outros de que há algo com que você não concorda.

O comodismo e o medo do conflito nos levam a esconder as nossas opiniões. Não alimente esse comportamento. É claro que você não deve sair procurando briga a todo instante, mas também não precisa ser omisso e esquecer-se dos seus interesses e objetivos. Se você não lutar por eles, quem fará isso por você? Seja na vida pessoal ou na vida profissional, tenha voz ativa.

3. Enfrente os seus medos

O medo é uma emoção importante. Por meio dele, somos capazes de antever riscos e de nos preparar adequadamente para eles. No entanto, quando ele aparece de forma excessiva em nossas vidas, ele nos paralisa e nos leva a desistências. Por isso, é preciso se expor aos riscos e aprender a lidar com eles, ao invés de evitá-los a todo custo. Já imaginou como seria a sua vida se você ficasse com medo de engasgar a cada vez que bebesse água?

Em contrapartida, quando enfrentamos os nossos medos, não é o risco que diminui, mas a nossa sensibilidade a ele. Aprendemos a administrar essa emoção e a lidar com as situações difíceis. Sempre que isso ocorre, o terreno perigoso começa a ser dominado e se torna uma nova zona de conforto.

4. Conheça novos lugares

Os medos não desaparecem completamente, mas diminuem, de modo que tenhamos mais liberdade para errar, aprender e acertar. Uma maneira de desenvolver essa postura mais corajosa e desbravadora é conhecer novos lugares.

Visitar outros bairros, outras cidades e até mesmo outros países é uma oportunidade de conhecer diferentes culturas e estilos de vida. Isso nos leva à compreensão de que o mundo é muito maior e mais diverso do que imaginamos. Assim, saímos da bolha em que vivemos, destruímos os nossos próprios preconceitos e aprendemos a lidar melhor com as diferenças, desenvolvendo uma atitude mais flexível.

5. Aprenda novos conceitos, assuntos e atividades

Quais são os seus conhecimentos sobre futebol americano? Sobre a língua francesa? Sobre música pop? Sobre os filmes indicados ao Oscar deste ano? Sobre física quântica? É impossível que alguém saiba tudo sobre todos os assuntos existentes na face da Terra. No entanto, a curiosidade é uma característica que nos fortalece.

Quanto mais uma pessoa pesquisa, estuda e vivencia uma nova área do conhecimento, mais ela desenvolve habilidades que podem ser aplicadas em outros aspectos da sua vida. Se você já extraiu uma lição de um livro de ficção e aplicou-a em seu dia a dia, sabe bem do que estamos falando. Lembre-se: toda atividade que realizamos tem o potencial de nos fornecer algum aprendizado.

6. Amplie a sua rede de contatos

Conviver sempre com as mesmas pessoas significa expor-se sempre aos mesmos assuntos e dificilmente aprender algo novo. Em compensação, aquelas pessoas que transitam por lugares diferentes e que se abrem a novos contatos, amizades, parcerias profissionais e quem sabe namoros conseguem construir uma rede mais rica.

Cada indivíduo é um universo particular. Em cada troca e em cada contato, transmitimos os nossos conhecimentos, valores, crenças e estilos de vida. Da mesma maneira, recebemos todos esses itens da outra pessoa. Isso expande os nossos horizontes. Assim, fique atento aos locais que você frequenta, pois pessoas interessantes podem estar mais perto do que você imagina.

7. Desenvolva novos hobbies

Você tem um hobby, ou seja, uma atividade que pratica por prazer? Se ainda não tem, é uma boa ideia encontrar esse passatempo. Além de melhorar a sua qualidade de vida, essas atividades têm o poder de, despretensiosamente, estimular diferentes áreas do seu corpo e da sua mente, tornando você um ser humano mais completo e habilidoso.

Praticar esportes, tocar um instrumento musical, cantar, desenhar, escrever, bordar, cuidar de animais — todas essas atividades estimulam o desenvolvimento de diferentes competências. Muitas delas podem ser úteis em outras áreas da vida, também. O foco para tocar um teclado, por exemplo, pode ser utilizado também no ambiente de trabalho.

8. Saia das atividades do piloto automático

Por fim, reflita sobre a sua rotina. Quais atividades você realiza no piloto automático? Perder duas horas do dia navegando nas redes sociais? Assistir sempre aos mesmos tipos de filmes no tempo livre? Fazer sempre os mesmos trajetos a pé ou de carro?

O estilo de vida contemporâneo é tão corrido que, às vezes, não nos damos conta de como os nossos dias são repetitivos. Essa monotonia favorece a zona de conforto. O cérebro se acostuma àqueles lugares e àquelas atividades, de modo que ir para um novo local torna-se um desafio.

Portanto, gradativamente, promova pequenas mudanças em seu dia a dia. Mostre à sua mente que está tudo bem em fazer algo diferente. Assim, ela se acostumará a novas realidades, permitindo que o ato de sair da zona de conforto não pareça mais tão ameaçador.

E você, como vai a sua zona de conforto? Você está preso nela ou enfrenta alguns riscos para ampliá-la e desbravar o mundo ao seu redor? Deixe o seu comentário no espaço abaixo. Por fim, não se esqueça de compartilhar este artigo nas suas redes sociais. Divulgue este conteúdo para que mais pessoas consigam sair de vez das suas respectivas zonas de conforto!

Imagem: Por Tatyana Soares