Shutterstock / amenic181 Os ciclos da vida

 

O tempo é um conceito misterioso, sobre o qual filósofos, escritores e administradores de empresas ponderam, estudam, avaliam e verificam como ele se relaciona com as atividades humanas. Será que as coisas que acontecem são diretamente marcadas pelo tempo ou época em que ocorrem?

A teoria dos setênios surgiu como uma opção para avaliar a vida de uma pessoa com o passar do tempo. Neste artigo, você vai entendê-la em profundidade. Será que ela faz sentido para você? Continue a leitura a seguir e descubra!

O conceito da Teoria dos Setênios

Teoria dos Setênios foi criada a partir da observação da natureza no sentido da vida, na qual todas as pessoas do mundo estão inseridas. Essa teoria faz a divisão da vida em fases de sete anos (setênios). Para falar sobre essa teoria, é preciso enfatizar que o número 7 é considerado um número místico, que possui bastante poder. Esse caráter místico do número está presente em várias culturas.

Essa teoria é o que ajuda as pessoas a compreenderem a situação cíclica da vida, em que, a cada novo ciclo; são somados os conhecimentos que são conquistados no ciclo anterior, e assim sucessivamente, buscando sempre um novo desafio.

PSC Renascimento

As 10 fases da Teoria dos Setênios

Nesta teoria, a vida das pessoas é dividida em dez fases, sendo estabelecidas a cada sete anos. A primeira acontece de 0 a 7 anos de idade. A cada fase nova, um novo ciclo também começa, com mudanças em muitos aspectos na vida de cada um. Isso é dito pelos estudos feitos acerca dos setênios, que se basearam na medicina tradicional chinesa e na Antroposofia — dos gregos — na qual a medicina antroposófica tem o seu embasamento.

Tanto os chineses quanto os gregos observaram, primeiro, as mudanças biológicas e espirituais que aconteciam de sete em sete anos na vida das pessoas, e é por isso que as fases são nomeadas setênios. Se uma pessoa respeitar o ritmo de cada setênio, ela chegará ao décimo, ou seja, aos 70 anos de idade, com bastante sabedoria e consciência, tendo boa saúde, além de vivenciar o amor sem cobranças e ajudar os outros sem indagar.

Logo, o objetivo central do setênios é alertar as pessoas sobre as fases que existem, de modo que elas tenham conhecimento das mudanças e as desfrutem de maneira saudável. Como a vida é passageira, a melhor e única saída é prezar para que as pessoas fiquem atentas, que vigiem a si mesmas e que decidam responder aos vários incentivos diários, mantendo uma vida com saúde, mesmo em constante mudança. Conheça melhor as características de cada fase, na sequência!

0 a 7 anos: o ninho

O primeiro setênio corresponde aos anos iniciais da vida, cujo objetivo é desenvolver o corpo e a mente. Assim, a criança precisa compreender o mundo em que está inserida e conhecer o próprio corpo para identificar as suas possibilidades e limitações. Nessa fase, ela aprende por experimentação, mas também por observação e imitação dos adultos ao seu redor.

7 a 14 anos: o pertencimento

Nessa fase, a criança já tem uma noção mais clara do mundo e, aos poucos, percebe que ele não é igual para todos. Ela identifica que há diferenças entre os indivíduos, mas que todos devem ser tratados com respeito. É o momento de compreender que há regras que precisam ser seguidas e obrigações a serem cumpridas. A criança também começa a compreender o sentido da arte, da cultura, da espiritualidade e do estudo.

14 a 21 anos: a identidade

A terceira fase marca a adolescência e o início da idade adulta. Trata-se de um período cheio de modificações físicas e mentais, que refletem o amadurecimento. Essas mudanças despertam uma vontade de ter mais liberdade e autonomia de pensamento. Nessa fase, o jovem começa a caminhar por conta própria para encontrar o seu lugar no mundo e a sua identidade, diminuindo a dependência da família.

21 a 28 anos: o “eu”

Se a fase anterior desperta a necessidade de encontrar uma identidade, a fase atual a consolida. Na juventude, formamos o “eu”, mas compreendemos que as pessoas também são influenciadas umas pelas outras. Por isso, o grande desafio é saber viver em sociedade, mas sem que a pessoa deixe de ser ela mesma. A autenticidade é o que nos torna felizes.

28 a 35 anos: as crises existenciais

As crises existenciais dão o tom dessa fase, que marca a consolidação da independência e da idade adulta. É uma etapa em que questionamos se as decisões tomadas nos períodos anteriores de fato fazem sentido. Estamos estagnados? Estamos alcançando os nossos objetivos? Precisamos recalcular as rotas? É tempo de reflexão.

35 a 42 anos: as crises de autenticidade

Nessa fase, teoricamente, já construímos as bases da vida, como os relacionamentos, os filhos, a moradia, a carreira, a independência e algum progresso financeiro. Nessa etapa, também podemos perceber que há outras pessoas que dependem de nós. Devemos fazer o possível para ajudá-las, mas sem que nos esqueçamos de nós mesmos.

42 a 49 anos: o altruísmo

Essa fase marca o ápice da maturidade, em que já acumulamos uma quantidade razoável de vitórias, derrotas e aprendizados. Nesse momento, as dificuldades da vida já não pesam tanto, e conseguimos enfrentar as crises com mais facilidade. É como se uma “segunda adolescência” tivesse início, em que finalmente conseguimos realizar antigos sonhos. O avanço da idade pode começar a assustar um pouco.

49 a 56 anos: a compreensão do mundo

A partir dessa fase, o ritmo de vida começa a desacelerar, pois o indivíduo já sabe quem ele é, já compreende o seu lugar no mundo e já entende como a sociedade funciona. É um momento naturalmente mais introspectivo e reflexivo, em que focamos nos valores éticos e morais que cultivamos. É nessa fase que as pessoas se aposentam ou planejam esse momento, o que deve ser feito com muito cuidado, a fim de que ninguém se sinta inútil ou incapaz.

56 a 63 anos: a sabedoria

Nesta última fase, a teoria dos setênios é concluída. Segundo os especialistas, grandes mudanças físicas e mentais ocorrem aos 56 anos, dando início à terceira idade. É um momento em que acumulamos inteligência racional e emocional, devendo compartilhá-la com os mais jovens. É tempo de aproveitar a vida sem tanta cobrança, mas também sem deixar de estimular os sentidos, como a memória.

Cada fase da vida nos traz novos conhecimentos e aprendizados que nos permitem conhecer melhor quem somos e compreender o nosso propósito de vida. Essa autoconsciência é importante para evoluirmos, conhecermos os nossos pontos fortes e aqueles em que, independentemente da idade, precisamos desenvolver para sermos mais felizes, realizados e plenos na nossa história. Por tudo isso, busque ser o melhor ser humano que puder e aproveite cada fase de sua vida. Permita-se!

E você, ser de luz, já conhecia a teoria dos setênios? O que pensa sobre ela? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!