Gary Chapman é um autor estadunidense que ganhou notoriedade mundial diante da publicação do seu livro “As 5 linguagens do amor”. Nos mesmos moldes, o autor publicou também “As 5 linguagens do perdão”, em que compartilha com os leitores as diferentes formas pelas quais as pessoas manifestam arrependimento e perdoam-se umas às outras.

Essas linguagens nos ajudam a expressar e a reconhecer o perdão nas nossas interações cotidianas, de modo que possamos construir uma sociedade mais humilde, empática e compassiva. Confira, na sequência a importância do perdão e as 5 linguagens definidas pelo autor Gary Chapman para expressá-lo.

A importância do perdão

O perdão é o ato de livrar alguém da culpa que sente por ter feito algo de negativo, após a expressão do arrependimento. Dessa forma, as pessoas que erram na direção de uma pessoa, ao identificarem a falha cometida, sentem a culpa e manifestam o arrependimento, ou seja, o peso de ter prejudicado outra pessoa. Em seguida, pedem o perdão pelos seus erros.

O perdão é um dos valores cristãos mais virtuosos e divulgados na sociedade. Ele é importante, uma vez que o erro faz parte da natureza humana, e nenhuma pessoa passa pela vida sem errar. Portanto, assim como nós desejamos o alívio do perdão quando cometemos algum equívoco, também devemos perdoar àqueles que erraram e demonstraram arrependimento.

O perdão é o caminho para que as pessoas envolvidas no conflito possam se reconciliar e dar continuidade à vida. Não necessariamente conseguimos esquecer o que ocorreu, mas é possível extrair aprendizados e seguir em frente. Se possível, devemos reparar o erro e, gradativamente, restabelecer a confiança.

As 5 linguagens do perdão

Confira, na sequência, as 5 linguagens do perdão, segundo Gary Chapman, que as pessoas utilizam nesses momentos de recuperação das relações.

Linguagem 1: expressar arrependimento

  • Frase: “Sinto-me envergonhado pela forma como magoei você”
PSC Renascimento

A primeira linguagem do perdão é a expressão do arrependimento. Esse processo consiste, em primeiro lugar, em identificar que alguma das suas atitudes não teve um efeito positivo. Essa detecção do erro gera sentimentos, como vergonha, culpa e uma vontade de voltar ao passado e fazer diferente. Naturalmente, ninguém pode mudar o que já ocorreu, mas podemos expressar o arrependimento.

A expressão dessa emoção corresponde ao aspecto emocional do perdão. Assim, as pessoas conseguem comunicar a quem se sentiu ofendido pelos seus atos que reconhecem que tiveram um comportamento inadequado. Esse gesto expressa consciência do próprio erro, humildade e vontade de fazer diferente. Por isso, esse é o primeiro passo ou a primeira linguagem do perdão.

Linguagem 2: aceitar a responsabilidade

  • Frase: “Eu estava errado por fazer isso com você”

A segunda linguagem do amor consiste em admitir o erro e aceitar a responsabilidade pelos próprios atos. Esse gesto demonstra maturidade e honradez, mas pode ser bastante difícil fazê-lo. Algumas pessoas simplesmente se recusam a admitir o erro, preferindo encontrar diversas justificativas para as suas ações, o que atrasa o perdão. É comum que essas pessoas tenham tido criações muito rígidas na infância e que, até hoje, associem a admissão da culpa à ideia de serem fracos ou sem valor.

Por isso, precisamos abraçar a nossa essência humana e entender que o erro é parte do processo. Contudo, precisamos também assumir a autoria das falhas, sem atribuir a culpa à vítima ou a terceiros. A quebra desse padrão nocivo nos conduz ao perdão real.

Linguagem 3: arrepender-se genuinamente

  • Frase: “Não vou fazer isso de novo. Da próxima vez, vou fazer diferente”

Arrepender-se significa não apenas admitir um erro, mas também comprometer-se a mudar o comportamento equivocado em questão. Isso começa com a admissão da culpa, mas ganha força mesmo quando começamos a manifestar a vontade de mudar. É claro que isso é difícil no começo, mas o esforço empreendido certamente será visto pelas demais pessoas.

Recaídas podem ocorrer nesse processo, mas o importante é que a vontade de mudar nunca desapareça. O indivíduo deve não apenas entender que errou, mas compreender o porquê de aquela ação ter sido considerada um erro. Assim, ele conseguirá desenvolver novos comportamentos diante de situações semelhantes, utilizando os aprendizados extraídos para evitar a repetição da falha. Essa mudança favorece o perdão.

Linguagem 4: reparar o erro, quando possível

  • Frase: “Vou compensar o meu erro de tal forma”

Para algumas pessoas, a simples admissão do erro com a manifestação do arrependimento não é suficiente. O que elas desejam ver no outro é um gesto concreto de reparação do erro cometido. É claro que nem sempre isso é possível, mas, quando for, essa compensação pode ser uma linguagem eficaz do perdão.

Se você perder o colar que uma amiga emprestou, por exemplo, pode ser mais útil explicar o que aconteceu e comprar um colar igual (ou semelhante) do que pedir desculpas um milhão de vezes. Essa atitude de reparação automaticamente manifesta a detecção do erro e o arrependimento. Mais do que isso, informa também o desejo de restabelecer com a pessoa a relação de qualidade que existia antes do fato.

Linguagem 5: pedir perdão

  • Frase: “Você me perdoa por tê-lo decepcionado?”

Por fim, para algumas pessoas, a melhor linguagem do perdão é justamente o pedido de desculpas. O ato ofensivo praticado pode construir barreiras emocionais entre as pessoas envolvidas. Nesse sentido, pedir perdão é um ato de humildade que mostra à pessoa ofendida o arrependimento e a vontade de destruir essa barreira. É também um meio de colocar nas mãos da vítima o futuro do relacionamento.

O medo da rejeição é o que mais torna o ato de pedir perdão tão difícil. No entanto, se realmente valorizamos os nossos relacionamentos, devemos superar esse medo e aguardar a hora em que a pessoa esteja preparada para perdoar.

Infelizmente, algumas pessoas não perdoam. Se você for uma delas, pense nas vezes em que negaram o perdão a você e no sofrimento que isso causou. Perdoar é também um gesto de humildade, em que permitimos ao outro abraçar a sua essência humana, afinal de contas, todo mundo erra!

Cabe agora a você analisar os diferentes contextos da sua vida e identificar qual das linguagens acima é a que mais tem valor para você quando alguém comete uma falha que interfere no seu caminho. Assim, peça perdão ao errar e não negue o perdão a quem errar com você. Você não é obrigado a restabelecer relações com quem o feriu, mas ao menos permita que ambos sigam os seus respectivos caminhos em paz.

Gostou deste conteúdo? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!