Desde os primórdios da humanidade, afastar-se de vez de alguém para não ter mais que se relacionar com essa pessoa é um comportamento identificável. No entanto, com o advento da internet e de novas tecnologias, essa técnica de “sumir do mapa” tem ganhado contornos muito mais expressivos.

Essa tática recebeu o nome de “ghosting” e se refere a um meio não muito agradável de pôr fim a um relacionamento. O ghosting é muito criticado, pois gera consequências negativas tanto para quem o pratica como para a vítima. Para saber mais sobre essa novidade, suas motivações e suas consequências, continue a leitura deste artigo.

O que é Ghosting e por que ele ocorre?

Ghosting é um termo derivado de ghost, que significa fantasma em inglês. Esse conceito se refere ao ato de terminar um relacionamento “desaparecendo”, sem deixar rastros. Na atualidade, ele tem ganhado muita força no universo digital.

Hoje em dia, é grande a quantidade de pessoas que começam a se relacionar por meio de redes sociais, mensagens de texto e aplicativos especializados em amizades e relacionamentos. O ghosting ocorre quando duas pessoas desenvolvem uma relação por meio desses canais de comunicação, podendo até ter encontros presenciais, mas uma delas perde o interesse e resolve terminar.

O término, porém, não ocorre por meio de uma conversa, mas pelo simples ato de bloquear a pessoa em todos esses canais digitais. Assim, a vítima simplesmente perde todo tipo de contato com o companheiro, sem saber por que foi deixada de lado.

Quais as consequências do Ghosting?

As consequências do ghosting são bastante negativas, tanto para quem o comete quanto para quem o recebe. Confira quais são elas a seguir.

1. Baixa autoestima

PSC Renascimento

A pessoa que foi vítima do ghosting fica completamente perdida ao perceber que os contatos da outra pessoa desapareceram e que as suas mensagens e ligações estão sendo completamente ignoradas. Sem entender o que ocorre, logo a ficha cai: “a pessoa cortou relações comigo!”.

Nesse momento, pode ocorrer uma crise de autoestima, em que a pessoa se questiona se fez algo de errado, se não foi simpática, se não é fisicamente atraente, entre outras questões. Ela tenta encontrar algo que justifique o fim da relação.

2. Culpa e vergonha

Segundo os especialistas, as pessoas que praticam o ghosting tomam esse tipo de atitude porque têm medo da reação da outra pessoa ao ouvir que o indivíduo não tem mais interesse nela. É mais fácil e mais rápido apenas cortar as relações sem dar chance para que a outra pessoa entenda o que ocorreu do que dialogar e explicar os motivos.

Na hora, essa solução parece mais fácil, mas, com o passar do tempo, a pessoa que cometeu o ghosting percebe que não é uma maneira digna de encerrar um relacionamento. É nesse momento que surgem a vergonha e a culpa por ter deixado a outra pessoa “no escuro”.

3. Incapacidade de lidar com conflitos

Como você pode ter percebido, o ghosting é uma saída fácil e nada digna para se encerrar uma relação. Se as pessoas começarem a desenvolver a ideia de que é melhor desaparecer do que enfrentar os conflitos que surgem, estaremos diante de indivíduos cada vez mais desonestos e covardes.

Faz parte da experiência humana gerenciar conflitos. Por isso, o diálogo deve ser incentivado para que os problemas possam ser resolvidos, mesmo que isso implique no fim da relação. O ghosting não é uma saída inteligente, seja para amizades, seja para relacionamentos amorosos.

4. Perda da empatia

O ghosting é, acima de tudo, um ato de desrespeito para com os sentimentos do outro. Se você está numa relação com alguém, mas essa pessoa te decepcionou em algum aspecto, explique a ela o que está ocorrendo. Terminar a relação com todas as letras pode ser cruel na hora, mas é melhor do que o ghosting, que é cruel na hora e pode ser também por um bom tempo depois.

Se as pessoas acostumarem-se a resolver os seus problemas “sumindo no mundo”, cada vez menos vão se preocupar com os sentimentos do outro, o que acaba com todo e qualquer senso de empatia.

5. Perda da oportunidade de aprender

Quando terminamos um relacionamento, é importante saber o porquê de ele ter chegado ao fim. Essa situação, ainda que desagradável, estimula as pessoas a refletirem sobre os seus comportamentos, de modo que evitem repetir os erros num próximo relacionamento.

O ghosting não permite que isso ocorra, pois a pessoa que foi bloqueada simplesmente não sabe por que a outra parte quis terminar. Não houve diálogo e, portanto, não tem como haver reflexões mais intensas, exceto uma série de deduções, que podem ou não estar corretas. O ghosting anula essa oportunidade de crescer emocionalmente e de aprender com os próprios erros.

Fui vítima de ghosting. Como lidar com a situação?

Ser vítima de ghosting é algo extremamente desagradável. Por isso, é importante saber como lidar com essa situação, caso ela venha a ocorrer. Confira algumas dicas nesse sentido.

1. Aceite que acabou

Se você perceber que foi vítima de ghosting, não crie mais expectativas. Aceite que acabou. Em geral (mas nem sempre!), o ghosting acontece em relacionamentos menos sérios, em que os indivíduos geralmente não sabem o endereço um do outro. Por isso, entenda que acabou e que a atitude do parceiro não foi bacana. Coloque um ponto final e siga em frente.

2. Não tente restabelecer o contato

Algumas vítimas do ghosting alimentam a crença de que só estão sendo ignoradas por algum problema técnico. Por isso, continuam a enviar mensagens de texto ou a dar telefonemas, sem resposta. Pode ser que seja um problema técnico, mas também pode ser pura má-fé da outra pessoa.

Em todo caso, a dica é definir um limite de tempo ou de tentativas para entrar em contato com a outra parte. Se não houver resposta, aceite que é um caso de ghosting. Evite criar expectativas que o prendam a quem não soube valorizar você e desapareceu.

3. Pare de pensar em justificativas

Nos casos de ghosting, simplesmente não há como saber o que motivou a outra pessoa a agir dessa maneira. Portanto, é inútil e torturante ficar examinando em si o que você poderia ter feito para justificar essa atitude. Na maioria dos casos, não há nada de errado com você, mas com a outra pessoa, que apenas perdeu o interesse ou tem medo de criar vínculos mais profundos. Em todo caso, não é algo que mereça a sua atenção. Foque em quem lhe quer bem!

4. Não se sinta culpado e cuide da sua autoestima

Se você foi vítima de ghosting, saiba que você não tem culpa. Todo mundo erra num relacionamento, mas todo mundo tem o direito de se defender, ou ao menos de ter um término digno. A outra pessoa foi medrosa ou inflexível, portanto, não se culpe. Além disso, cuide da sua autoestima. Valorize-se, pois não há nada de errado com você!

Fique com quem lhe faz bem, tenha hobbies e foque nas coisas boas da sua vida. Por fim, para evitar que o problema se repita, embora não haja exatamente muito o que se fazer para preveni-lo, a dica é ser claro em suas relações. Ao conhecer alguém pela internet, ou mesmo pessoalmente, deixe claras as suas intenções e as suas expectativas. Com as duas partes “na mesma página”, fica mais difícil que o ghosting ocorra.

E você, já fez ou foi vítima de ghosting? Conhece alguém que já teve que lidar com isso? O que pensa a respeito? Deixe o seu comentário no espaço abaixo e compartilhe este artigo nas suas redes sociais!

Imagem: Por Antonio Guillem