Uma vida plena e feliz depende fundamentalmente de saúde física e mental. É complicado falarmos em plenitude e desenvolvimento pessoal se o nosso corpo e a nossa mente não estiverem funcionando adequadamente, o que depende de uma série de fatores.

Recentemente, um estudo da Universidade de Harvard (EUA) concluiu que a amizade está entre os fatores que mais beneficiam a saúde. Por isso, fica aqui o questionamento: quem são os seus amigos? Você tem convivido com eles? Ampliar essa convivência pode ser determinante para a sua saúde e longevidade. Continue a leitura e saiba mais!

O que compõe uma vida saudável?

Conforme citamos, uma vida saudável é multifatorial, ou seja, depende de diferentes elementos e atitudes em todas as áreas da vida. Entre eles, podemos citar:

  • Hidratação adequada;
  • Alimentação equilibrada (diversidade de grupos nutricionais);
  • Prática regular de atividade física;
  • Realização periódica de exames médicos preventivos;
  • Descanso e sono em boa quantidade e qualidade;
  • Momentos de lazer e hobbies;
  • Vida social ativa.

É nesse último item que se encontram as amizades. Além de conviver com familiares e colegas de trabalho, por exemplo, é importante ampliar o convívio com aqueles que nós mesmos escolhemos para fazer parte das nossas vidas.

Justamente por serem uma escolha nossa, os amigos revelam afinidades, interesses em comum, relações de simpatia, enfim, uma aproximação harmônica e que gera alegria e bem-estar. São pessoas que enriquecem os nossos dias e que nos alimentam de felicidade e coragem.

Qual é a importância da amizade nesse processo?

De acordo com a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, o fator que mais afeta a saúde das pessoas é justamente a amizade construída ao longo da vida. Mais do que genética ou riqueza, ter amigos é determinante para o nosso bem-estar. 

PSC Renascimento

Esse estudo foi conduzido por 75 anos e trouxe aprendizados importantes. Entenda melhor a importância da amizade para a saúde nos 5 itens a seguir.

  • Longevidade

O estudo concluiu que as pessoas com amizades de qualidade tiveram em média 10 anos a mais de vida do que as pessoas consideradas solitárias. Isso não diz respeito à quantidade de amigos, mas ao fato de ter alguém com quem contar. Essas companhias promovem transformações no corpo e na mente que nos levam a viver mais.

Outras pesquisas também demonstraram que ter boas amizades pode aumentar a expectativa de vida das pessoas em até 50%. Indivíduos com 70 anos ou mais têm 22% a mais de chance de alcançar os 80 anos de vida quando têm amigos.

  • Prevenção de doenças físicas

Os pesquisadores de Harvard detectaram que ter amigos beneficia a nossa saúde física, ou seja, o comportamento do nosso corpo. Talvez isso explique o porquê dessa longevidade aumentada.

Segundo o estudo, o convívio com os amigos aumenta a liberação do neurotransmissor ocitocina, aquele que aparece quando convivemos e criamos afeto com outros indivíduos. Esse hormônio ameniza a ação de outro neurotransmissor, a adrenalina.

Como resultados, podemos sentir uma redução nos níveis de estresse, nos batimentos cardíacos e na pressão sanguínea, o que diminui consideravelmente a chance de ocorrência de problemas cardiovasculares, como derrames. Além disso, a ocitocina aumenta a disponibilidade no sangue da substância interleucina, que fortalece o sistema imunológico no combate a infecções.

  • Prevenção de doenças da mente

A ocitocina nos ajuda a administrar melhor as nossas emoções e a conduzir com mais harmonia os nossos relacionamentos interpessoais. Além disso, por amenizar as sensações de estresse e medo, ele também está associado a uma melhora expressiva no nosso humor do dia a dia.

Dessa forma, acredita-se que ter amigos e conviver com eles com alguma frequência possa auxiliar no tratamento e até na prevenção de determinados transtornos da mente, como a depressão e os transtornos de ansiedade.

  • Sucesso compartilhado

Existem pessoas que são absurdamente bem-sucedidas na carreira, que ganham muito dinheiro, que têm saúde, que têm os carros que sempre desejaram e que viajam para onde quiserem. No entanto, são pessoas solitárias. Elas não têm com quem dividir todo esse sucesso.

Como se sabe, a alegria compartilhada se multiplica, ou seja, ela fica ainda maior. É por isso que existem pessoas simples, mas que se consideram muito felizes por terem com que compartilhar as alegrias, por menores que sejam. Em contrapartida, existem pessoas muito realizadas que permanecem com essa sensação de falta, pela ausência de amigos.

  • Apoio nas adversidades

Por fim, não poderíamos deixar de citar que ter amigos significa ter pessoas com quem compartilhar não apenas as nossas alegrias, mas também os nossos momentos de dificuldade.

Quem já passou por perdas na família, dificuldades financeiras, demissões, enfim, adversidades de maneira geral, sabe que ter um amigo pode ser muito útil nessas horas. Mesmo que a pessoa não possa nos ajudar de forma concreta, o simples fato de ela nos ouvir atentamente e nos oferecer uma palavra de consolo já produz na mente uma resposta muito positiva no processo de superação.

E a amizade virtual?

Ao mesmo tempo em que a pesquisa de Harvard ressalta os benefícios das amizades para a nossa saúde, é importante pontuar que há muitos outros estudos que apontam que temos vivido um momento de muita solidão.

Parece um paradoxo, mas as redes sociais, que encurtam distâncias ao redor do mundo e potencialmente aumentam as nossas possibilidades de amizade, têm nos afastado cada vez mais das pessoas a quem amamos.

Será que curtir uma foto equivale a um elogio dito ao vivo? Será que um bate-papo virtual produz os mesmos efeitos de uma conversa “olho no olho”? Será que um comentário positivo é mais benéfico do que um abraço apertado?

A amizade virtual pode ser uma saída para aqueles que estão distantes ou que não conseguem se encontrar com muita frequência. Entretanto, não podemos assumir essa modalidade como norma, mas como exceção. Assim, aproveite a presença física das pessoas para vivenciar as amizades em plenitude. A sua saúde — física e mental — agradece!

E você, ser de luz, como tem vivenciado as suas amizades? Tem dado a elas o devido valor? Tem sentido os benefícios dos amigos sobre a sua saúde? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!