Ser uma pessoa analítica é um traço que reflete a capacidade de examinar, compreender e interpretar informações de maneira criteriosa e lógica. A habilidade analítica envolve a capacidade de decompor problemas complexos em partes menores, identificar padrões e tendências, avaliar diferentes perspectivas e tomar decisões embasadas em evidências.

Ser analítico implica também em ser curioso, questionador e ter uma mente orientada para o pensamento crítico. Neste artigo, exploraremos o que significa ser uma pessoa analítica e como essa habilidade pode ser aplicada em diversas áreas da vida, inclusive no trabalho. Continue a leitura e saiba mais!

O que é ser uma pessoa analítica?

Ser uma pessoa analítica, como o nome mesmo sugere, é ter um perfil analista, aquele que para tomar qualquer tipo de decisão faz uma análise profunda dos prós e contras antes de agir. Com certeza, você conhece muitas pessoas assim ou talvez até tenha esse tipo de personalidade, pois ele é necessário na vida pessoal e no trabalho.

O analista é também uma dos perfis comportamentais identificados por meio da avaliação Coaching Assessment, ferramenta de análise comportamental exclusiva do Instituto Brasileiro de Coaching — IBC. Ela faz um mapeamento completo das habilidades, atributos, potenciais e pontos de melhoria tanto do profissional que é analista, como dos outros perfis: executor, comunicador e planejador.

O indivíduo analítico é aquele que sempre busca informações, estuda os dados profundamente e avalia bem as questões antes de decidir o que vai fazer. É atento aos detalhes, metódico, organizado, reservado, preciso, comedido, focado e precisa disso para sentir-se seguro também. Ele sente que é necessário estar no controle da situação, não gosta de correr riscos não calculados e também espera ser reconhecido pela sua precisão.

Como isso ocorre no trabalho?

Tendo esse perfil em uma empresa, podemos dizer que o profissional analítico será mais bem aproveitado em áreas que exigem uma atenção maior aos detalhes, que necessita da construção de relatórios, planilhas e análises de dados mais complexas e completas.  Nesse sentido, os departamentos: financeiro, de tecnologia da informação e também de marketing, por exemplo, podem se beneficiar bastante desse tipo de colaborador.

PSC Renascimento

Por outro lado, não coloque um analista em funções que exigem contato direto com o público, pois isso vai totalmente contra a sua natureza e não seria produtivo — nem para ele e nem para a empresa.  Além de ser muito focado, geralmente, o colaborador não é um bom comunicador e, portanto, é menos propenso a fazer atividades relacionadas a essa habilidade ou a ter muitos relacionamentos interpessoais no trabalho.

Diferentemente do perfil comunicador, você sempre o verá mais calado, centrado, focado nas suas planilhas, textos e análises de informações. Isso não quer dizer que ele não seja um bom colega de trabalho ou liderado, apenas que tem uma forma diferente de interagir, ou seja, ele tem o seu próprio tempo e forma de se comunicar.

Esse é o profissional ideal em diversos setores de uma empresa, que carecem de uma atenção maior aos detalhes e uma minuciosa avaliação de informações. Imagine, por exemplo, como é importante ter um analista no setor financeiro para verificar se os números da empresa estão corretos ou se algo está fora do lugar. O marketing também se beneficia das suas análises de investimentos em campanhas promocionais, a fim de saber se está investido corretamente e nas mídias certas.

Quais características compõem o perfil de uma pessoa analítica no trabalho?

Essas são algumas características que um profissional com perfil analítico apresenta:

  • Pensamento crítico

O profissional com esse perfil é crítico e capaz de identificar vários aspectos de um mesmo problema e compreender o porquê desse problema existir. Assim, ele observa e leva tempo para entender por completo um problema, e por fim, desenvolve a solução mais viável. O pensamento crítico é uma postura positivamente “desconfiada”, em que o analítico não se deixa levar por aquilo que é superficial. Ele quer verificar se é isso mesmo ou se há mais coisas a serem descobertas.

  • Análise de dados e informações

A análise de dados e informações é uma das partes principais do pensamento e do comportamento analítico. Depois que um problema é identificado, é importante saber como revisar e analisar os dados ou informações que serão essenciais para solucionar o problema. A pessoa com esse perfil não tem medo ou preguiça de ler, perguntar, testar hipóteses e verificar o que faz mais sentido. Tudo é interpretado no contexto, sem respostas prontas.

  • Pesquisas constantes

A pesquisa é parte integrante do processo do pensamento analítico desse profissional. Ele identifica o problema e realiza a pesquisa necessária para solucioná-lo. Parte do processo de pesquisa também envolve saber quais informações são valiosas ou essenciais para resolver o problema. Por isso, o profissional com esse perfil está sempre em busca de fontes confiáveis, comparando os dados e verificando se há alguma inconsistência antes de tomar qualquer decisão.

  • Comunicação clara e eficaz

O analítico está sempre em comunicação com a parte interessada no problema, identificando-a a fim de desenvolver soluções. Realiza pesquisas e discute resultados. Após a identificação de uma solução, comunica-se com a pessoa envolvida ou empresa e parte para o objetivo final. Transmite informações sempre de forma muito clara, objetiva e completa, ou seja, tem grande habilidade no processo de pensamento analítico. Ele não é “falador”, ou seja, não joga conversa fora, preferindo ir direto ao ponto.

  • Foco em resolução de problemas

Esse profissional faz uso das suas grandes habilidades de pensamento analítico para classificar e organizar os dados descobertos durante a fase de pesquisa para encontrar uma solução razoável e eficaz com habilidades de resolução de problemas. É um indivíduo que consegue não apenas detectar erros com mais facilidade, como também verificar as possibilidades mais úteis para resolvê-lo.

Quais são os pontos em que o analítico precisa se desenvolver?

Como ocorre com as pessoas de qualquer perfil comportamental, o analítico também tem pontos em que precisa se desenvolver. As pessoas têm características diferentes justamente para que possam se complementar e tornar os grupos dos quais fazem parte mais fortes e sábios. Pensando nisso, confira, na sequência, alguns dos principais pontos de desenvolvimento das pessoas analíticas.

  • Tendência à análise excessiva: pessoas analíticas podem ficar presas em detalhes e tendem a analisar informações minuciosamente. Isso é importante, mas, em excesso, pode levar à paralisia da análise, dificuldade em tomar decisões rápidas e uma abordagem excessivamente cautelosa.
  • Dificuldade de lidar com incertezas: devido ao seu desejo de ter informações precisas e confiáveis, as pessoas analíticas podem se sentir desconfortáveis em situações ambíguas ou incertas. Elas podem hesitar em agir até que tenham todas as informações necessárias, o que pode resultar em perda de oportunidades.
  • Falta de criatividade: a ênfase na lógica e na análise pode limitar a capacidade das pessoas analíticas de pensarem “fora da caixa”. Elas podem ter dificuldade em encontrar soluções inovadoras e criativas para problemas, preferindo abordagens mais tradicionais e baseadas em dados. Improvisar é terrível para esses indivíduos.
  • Dificuldade de lidar com emoções: as pessoas analíticas tendem a se concentrar na análise objetiva e racional, às vezes negligenciando a dimensão emocional das situações, que também é importante. Isso pode dificultar a empatia e a compreensão das emoções dos outros, afetando a comunicação e as relações interpessoais.
  • Perfeccionismo: a busca pela precisão e pela análise detalhada pode levar as pessoas analíticas a estabelecerem padrões extremamente altos para si mesmas e para os outros. Isso pode resultar em frustração, procrastinação e dificuldade em concluir tarefas, devido ao desejo de ser perfeito.

É importante destacar que esses pontos de desenvolvimento não se aplicam a todas as pessoas com perfil analítico, e muitos podem desenvolver estratégias para mitigar essas questões e aproveitar ao máximo as suas habilidades analíticas.

Como melhorar as suas habilidades analíticas?

Se você melhorar as suas habilidades analíticas, com certeza vai alcançar os objetivos que tanto almeja. Destacar essas competências no seu currículo e durante a entrevista de emprego, por exemplo, pode ajudá-lo a se destacar como candidato em processos seletivos.

Fique de olho nos seguintes tópicos: 

  1. Assumir papel de liderança que exige as suas habilidades analíticas críticas;
  2. Praticar as principais habilidades analíticas na sua função atual;
  3. Participar de programas que enfatizam o uso de habilidades analíticas;
  4. Participar de atividades que exijam o uso de habilidades analíticas, como esportes coletivos, jogos ou leitura;
  5. Procurar aconselhamento ou orientação de profissionais da sua área;
  6. Realizar pesquisas sobre as melhores práticas para o seu departamento;
  7. Melhorar o seu autoconhecimento e conhecimento do assunto. Isso é primordial para a solução mais rápida de problemas;
  8. Reservar um tempo para considerar quais habilidades analíticas você tem e aquelas em que você tem condições de potencializar as melhorias;
  9. Anotar momentos específicos em que você usou habilidades analíticas para melhorar algo ou resolver um problema, seja no trabalho, seja em outro ambiente.   

É essa visão diferenciada que torna o trabalho do profissional que é analista tão importante e traz ao negócio um diferencial competitivo. Portanto, antes de contratar para áreas-chave e que necessitam desse perfil, verifique realmente se o seu futuro colaborador apresenta as características comportamentais do analista, pois isso aperfeiçoará o trabalho e potencializará os resultados. Para isso, conheça o Coaching Assessment e seja mais eficaz na hora de contratar.

E você, querida pessoa, se identifica com o perfil analítico? Em quais aspectos? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!