Carl Jung foi um médico psiquiatra e psicoterapeuta, nascido na Suíça em 1875. Ele dedicou a sua vida ao estudo e à compreensão da mente e do comportamento humano. Ao longo da vida, Jung, identificou que a humanidade apresentava alguns perfis comportamentais clássicos, que poderiam ser identificados em diferentes eras e em diferentes lugares. A esses perfis, deu o nome de “arquétipos”.

Os arquétipos são personagens que representam tipos de personalidades humanas que são facilmente identificáveis. Assim, qualquer pessoa pode se identificar com ao menos um deles, como “o sábio”, “o amante” e “o prestativo”, por exemplo.

Quem é o prestativo?

O prestativo, também conhecido como “o cuidador”, é um arquétipo junguiano que representa as pessoas compassivas e benevolentes. Ele tem um espírito paternal ou maternal, que se preocupa em cuidar do outro, protegendo-o e garantindo a sua segurança.

São representadas por esse arquétipo todas as pessoas que gostam de ajudar, de facilitar e de doar algo ao próximo. São pessoas voltadas ao outro, mas que, justamente por isso, devem tomar cuidado para não serem exploradas e para que não se esqueçam de si mesmas. A compaixão e a generosidade não podem substituir o amor-próprio.

Quais são as principais características desse arquétipo?

Confira, na sequência, os traços dominantes em quem se identifica com o arquétipo prestativo.

1. Empatia

O conceito de empatia refere-se à capacidade que alguns indivíduos têm de colocarem-se momentaneamente e mentalmente no lugar de outra pessoa. Assim, conseguem imaginar como eles mesmos se sentiriam, falariam a agiriam se estivessem naquela situação.

PSC Renascimento

Essa é uma característica muito forte nesse arquétipo. Sendo empáticos, os indivíduos com esse traço apresentam mais compaixão com o outro, procurando ouvi-lo para compreender a sua realidade, e não para julgá-lo em tom de superioridade, como se fosses juízes do que é certo e do que é errado.

2. Altruísmo

O altruísmo é o oposto do egoísmo, ou seja, é o ato de deixar de pensar apenas em si e de pensar também nas necessidades, nos desejos, nos medos e nos objetivos das outras pessoas. Quase sempre, a empatia e o altruísmo caminham juntos.

O arquétipo do prestativo gosta e se esforça para conhecer a fundo a realidade do outro, especialmente no que diz respeito às suas fragilidades. É adquirindo esse conhecimento que esse tipo de pessoa entende como pode ajudar o próximo da melhor forma possível.

3. Cuidado e proteção

Com empatia e altruísmo, esse arquétipo faz um exercício de momentaneamente desligar-se das preocupações que tem consigo mesmo, dedicando um pouco do seu tempo e dos seus esforços ao outro — que, na sua visão, precisa de mais atenção do que ele mesmo.

Assim, é uma preocupação comum a todos os que se identificam com esse arquétipo a necessidade de cuidar, de proteger e de dar carinho. Nesse caso, estamos falando não apenas de pais e mães que cuidam dos seus filhos, mas de todos aqueles que agem dessa forma com os pais, com os irmãos, com os amigos, com os vizinhos e, muitas vezes, com completos desconhecidos.

4. Compaixão e generosidade

Em consequência de todas as características já citadas, não fica difícil constatar que os trabalhos voluntários são muito frequentes em indivíduos com esse perfil. Essas pessoas gostam de ajudar o outro e sentem prazer ao fazê-lo — ao contrário de outros perfis, que podem ver a caridade e a solidariedade como fardos.

Dessa forma, a compaixão e a generosidade tornam-se traços típicos do DNA do prestativo. Ele se sente feliz e realizado quando ajuda alguém. É quase como se essa fosse a sua missão de vida. Sentem-se úteis e valorosos quando conseguem levar algo de bom a um amigo, familiar, colega de trabalho, vizinho etc.

5. Desejo de prover estabilidade e segurança

O arquétipo do prestativo fica bem fácil de identificar quando pensamos naqueles indivíduos que atuam como provedores. Estamos falando não apenas de pais e mães de família, mas também de empresários, de professores, de médicos, de enfermeiros, de bombeiros e de pessoas que atuam de modo voluntário para ajudar a sociedade em geral.

O objetivo das ações desses indivíduos é levar mais estabilidade e segurança aos outros, sobretudo àqueles que se encontram em algum tipo de vulnerabilidade. Assim, procuram cuidar de quem estiver sofrendo, não importa qual seja o motivo. Se há um amigo desempregado, um primo doente ou um desconhecido passando fome, o prestativo certamente se interessará em ajudá-lo.

6. Ponto de atenção 1: exploração

Em meio a tantas virtudes, podemos acreditar que o prestativo praticamente não tem defeitos. Isso não é verdade, afinal de contas, todos os arquétipos têm as suas forças e os seus pontos de atenção.

No caso do prestativo, ele precisa tomar muito cuidado para que a sua boa vontade não seja tomada como fraqueza ou ingenuidade. Nas mentes de quem é egoísta e perverso, a bondade desse arquétipo pode ser explorada excessivamente, em um abuso da solidariedade alheia.

7. Ponto de atenção 2: esquecimento de si mesmo

Por fim, outro ponto que merece atenção por parte daqueles que se identificam com esse arquétipo é o esquecimento de si mesmo. Isso significa que boa parte dos indivíduos que dedicam muito esforço e muito tempo das suas vidas aos outros podem acabar deixando as próprias necessidades em segundo plano.

Isso certamente não será positivo. Alguém que vive em função dos outros e negligencia o autocuidado e os próprios objetivos pode acabar adoecendo, física e/ou mentalmente. É bacana ser solidário, mas certamente poderemos ajudar mais pessoas quando nós mesmos estivermos bem também!

Diante disso, podemos concluir que o prestativo é um indivíduo com espírito maternal e compassivo, sempre pronto para auxiliar os demais. O mundo realmente precisa de pessoas assim, sobretudo diante de tantos indivíduos sofrendo pelos mais diversos motivos. Essas pessoas têm um propósito nobre. Só não podem se esquecer de cuidar de si mesmas!

E você, ser de luz, se identifica com o perfil do prestativo? Por quê? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!