A liderança é a arte de conduzir um grupo de pessoas ao alcance de um objetivo coletivo. No entanto, devemos compreender que ser um líder é muito mais do que dar ordens e cobrar resultados. Na atualidade, a liderança é vista como uma postura composta por uma série de competências técnicas e comportamentais para vencer os desafios.

Mas quais são os principais desafios que os líderes contemporâneos enfrentam? Neste artigo, selecionamos as 8 maiores dificuldades às quais devemos ficar atentos. Para descobrir quais são elas, é só dar continuidade à leitura a seguir!

1. Engajar a equipe no alcance de metas organizacionais

As metas organizacionais são os objetivos que a empresa ou que aquele departamento específico deve atingir. Nesse sentido, cabe ao líder explicar a importância de alcançar essas metas e como isso pode gerar benefícios aos próprios liderados — até porque uma empresa que alcança o sucesso terá como pagar melhores salários e gerar mais benefícios aos seus funcionários.

Por isso, todo líder deve ser um grande motivador. Ele deve acreditar na competência dos seus liderados e demonstrar que de fato acredita. Assim, ele consegue delegar funções estrategicamente e permitir que todos compreendam a sua importância individual no sucesso de toda a equipe.

2. Gerir o tempo

A gestão do tempo é sempre um desafio para todos os colaboradores, sobretudo para os líderes. Muitas vezes, a vida na empresa demanda prazos apertados para que as atividades sejam realizadas, tudo isso sem perder a qualidade.

Diante disso, um bom líder consegue planejar estrategicamente os projetos e os processos da sua equipe. Distribuindo bem as tarefas, ele consegue acompanhar o trabalho de cada um, desde que explique a cada colaborador qual é a prioridade do momento, isto é, o que deve ser feito primeiro. Se o líder der essas instruções com clareza, os liderados saberão o que fazer e não vão perder tempo.

3. Ajudar sem microgerenciar

PSC Renascimento

Também é função do líder explicar como os processos devem ser executados, tirar as dúvidas dos colaboradores, compartilhar conhecimentos, prestar auxílio e corrigir aquilo que estiver errado ou que puder melhorar.

O desafio é ser esse líder presente, mas sem microgerenciar, ou seja, sem querer controlar tudo o que cada funcionário faz. É importante orientar o colaborador, mas dar espaço para que ele trabalhe e desenvolva as suas habilidades, sem ficar “em cima” o tempo todo. Portanto, confie nas competências da sua equipe e permita que ela trabalhe. Supervisione, mas não microgerencie, querendo controlar cada passo dado.

4. Corrigir sem desmotivar

Um dos momentos mais delicados da liderança é dizer ao colaborador que o que ele fez está errado ou pode melhorar. O líder não pode fugir dessa responsabilidade, afinal de contas, não haverá progresso no desempenho dos funcionários se eles não forem corrigidos e aprenderam com as falhas.

Todavia, é fundamental que o gestor faça isso pode meio de uma comunicação não violenta, isto é, que não agride, ofende ou humilha. A ideia é explicar ao liderado os aspectos em que ele pode melhorar, mostrando o jeito ideal de agir. O líder deve explicar essas coisas com paciência, demonstrando confiança no trabalho do colaborador. Funcionários motivados aprendem mais e progridem com mais facilidade. Dessa forma, não humilhe ninguém ao corrigir!

5. Administrar conflitos

O ambiente organizacional é formado por pessoas que (provavelmente) nunca se viram antes na vida e que precisam trabalhar juntas para alcançar os objetivos que estão sendo cobrados. Como se isso, por si só, já não fosse estressante o suficiente, o trabalho em equipe ainda é feito por indivíduos com personalidades, culturas, formações e ideias diferentes entre si.

No meio dessa diversidade, nem sempre as ideias coincidem, e é aí que nascem os conflitos. Quando há maturidade, o debate pode gerar soluções criativas e eficazes. Entretanto, quando não há essa maturidade, o conflito pode ser levado para o lado pessoal, gerando problemas de relacionamento. Nessas horas, cabe ao líder aconselhar os envolvidos e reforçar as regras do estatuto interno da empresa, a fim de evitar maiores consequências.

6. Moderar o estresse do ambiente

Especialmente em decorrência do que citamos no item acima, podemos compreender que o ambiente organizacional pode ser bastante estressante. Por isso, é essencial notar o poder do líder para apaziguar ou inflamar ainda mais os ânimos da sua equipe.

Se o líder estiver estressado, ele não pode descontar os seus sentimentos na equipe, pois isso fará com que todos fiquem estressados e os problemas se agravem. O desafio do líder, portanto, é manter o seu equilíbrio emocional e estimular os liderados a agirem da mesma forma. Mesmo nos momentos difíceis, ele deve manter a serenidade, reunir o time e acalmar os ânimos de todos, mantendo um clima organizacional pacífico e harmônico.

7. Conceder feedbacks completos

O feedback é aquela breve reunião individual em que o gestor comunica ao seu funcionário o resultado da sua avaliação de desempenho. Esse processo deve ser completo, no sentido de que é preciso reconhecer o funcionário pelos seus acertos e orientá-lo na correção dos erros e pontos de melhoria.

Essa conversa deve ser franca e baseada em dados. Além disso, o líder deve sempre encerrá-la de forma motivacional, mesmo que o feedback em questão tenha sido negativo. O gestor deve dar sugestões práticas para que o liderado possa progredir, demonstrando acreditar na sua capacidade de fazer melhor a cada dia.

8. Cobrar sem ser autoritário

Por fim, um dos maiores desafios do líder é encontrar o equilíbrio entre “ser legal” e cobrar resultados. O líder pode e deve criar laços de amizade e relacionar-se bem com todos, mantendo um clima leve e descontraído. Contudo, isso não o exime da obrigação de cobrar dos membros da equipe que deem o melhor de si no alcance de bons resultados.

Alguns líderes exageram na vontade de serem aceitos, tornando-se muito permissivos. Outros, em contrapartida, preocupam-se apenas com os resultados, tornando-se autoritários ao impor as suas ideias e deixando de ouvir o que os colaboradores têm a dizer. Esse talvez seja o maior desafio da liderança atual, pois é preciso encontrar um meio-termo entre esses dois extremos.

Os desafios acima são relatados por líderes de organizações de diversos segmentos e portes. São pontos em comum entre aqueles que desejam liderar com eficácia. Portanto, fique atento a essas questões, caso você queira ser ou já seja um líder!

E você, ser de luz, enfrenta algum desses desafios na sua liderança? Qual deles é o mais complexo, em sua opinião? Por quê? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!