O abraço é um dos símbolos universais de amizade, carinho e conforto. Quando damos e recebemos um abraço, estabelecemos um laço único de confiança, apreço e respeito por nós e pela pessoa abraçada. Esse gesto simples mostra a importância de vencermos crenças limitantes e nos permitirmos abraçar, tanto para acolher quanto para sermos acolhidos pelo outro.

Nesse sentido, a dinâmica do abraço se destaca em reuniões, cursos, treinamentos, encontros e formações, como uma poderosa ferramenta para ajudar a estreitar os laços entre os participantes. Seja este vínculo pessoal, seja pessoal, o abraço abre um canal de interação, em que o objetivo é que as pessoas fiquem mais receptivas aos conhecimentos e aprendizados que estão por vir.

Neste artigo, convidamos você para refletir sobre a importância e os significados dos abraços em diferentes contextos, além de conhecer duas dinâmicas interessantes que têm o abraço como protagonista. Ficou curioso? Então, continue a leitura e saiba mais!

Por que abraçar, inclusive no ambiente de trabalho?

E você, o que prefere? Abraçar ou cumprimentar com um aperto de mão? Talvez você seja daquelas pessoas que preferem o aperto de mão ao abraço. Ou já tenha experimentado aquela tensão na hora de uma saudação que deu errado, sobretudo no ambiente profissional.

Os locais de trabalho estão se tornando cada vez mais informais, o que não é ruim, mas isso também significa que o abraço se tornou cada vez mais comum, tornando mais fácil esses momentos — especialmente para aqueles que não estão totalmente à vontade com o abraço em clientes e colegas de trabalho.

Por mais que o aperto de mão ainda seja um procedimento muito padrão entre profissionais de negócio, o abraço vai depender muito da situação e da pessoa, afinal, algumas pessoas gostam de abraçar, outras não. E é também disso que vamos falar aqui, nesse artigo: a história do aperto de mão e do abraço e como evitar cumprimentos ou despedidas “desajeitadas”.

PSC Renascimento

Só porque os abraços nos negócios estão se tornando mais populares, porém, isso não significa que eles sempre são apropriados.

O que está por trás do aperto de mão e do abraço?

Com certeza, os costumes são surpreendentes em cada região do mundo. 

Na Nova Zelândia, as pessoas se cumprimentam tocando o nariz, enquanto os etíopes tocam-se nos ombros. No Congo, a forma de cumprimento é tocando na testa um do outro, e, em muitos países asiáticos, curvar o corpo é uma das formas mais comuns de saudação.

Abraçar e beijar sempre foram mais típicos nos países europeus e árabes, pelo menos entre amigos, mas, hoje em dia, o aperto de mão triunfou como a maneira mais predominante de cumprimentar o mundo — talvez devido ao aumento da globalização e do comércio internacional.

Não faz muito tempo que o aperto de mão não era algo que você fazia com qualquer pessoa, devido às normas culturais. Hoje, isso vem mudando. As formalidades do passado revelam como as coisas se alteraram. As normas culturais, incluindo as linguagens, estão se tornando cada vez mais informais no nosso dia a dia pessoal e profissional. 

Assim, o abraço tem ganhado força como a maneira mais íntima de cumprimentar alguém, como provavelmente foi desde o início. Fisicamente, estamos nos aproximando um do outro.

Você já viveu a experiência de ingressar em uma equipe onde todos se abraçam?

Muitas equipes hoje estabeleceram o abraço como padrão. Embora você ainda não se sinta à vontade com um abraço, pode ser indelicado estender a mão quando todos os outros o abraçam. O medo de se sentir exposto pode causar esse desconforto.  Algumas pessoas simplesmente preferem reservar os seus abraços e beijos para amigos próximos e familiares — abraçar fora desse círculo interno pode ser desagradável porque parece forçado e pouco sincero. 

Mas só porque você não gosta de se abraçar em um ambiente profissional, isso não significa que você não pode cumprimentar alguém com carinho e respeito. É bom lembrar que um aperto de mão, em combinação com olhos sorridentes e um olá caloroso, também pode ser terno e tão bom quanto um abraço — talvez até melhor, pois você evita pisar no pé de qualquer pessoa.

Assim, existem inúmeras maneiras de abraçar alguém, e as pessoas geralmente expressam esse estilo de abraçar com base na personalidade e no relacionamento com a outra pessoa. Vamos conhecer os 3 tipos de abraços mais comuns:

  • Abraços a longa distância

Esse tipo de abraço é algo que você vê com frequência em ambientes profissionais, em que nenhuma das partes se sente à vontade com a situação. É formada uma distância, onde o corpo e os braços permanecem rígidos. 

Aqui, a nossa linguagem corporal é determinada pelos nossos cérebros, cuidando da lacuna e mantendo a distância. Não é algo que fazemos de propósito, mas revela como realmente sentimos esse abraço em particular. É um abraço bem formal no ambiente de trabalho ou em algum evento de networking, sem um contato muito caloroso.

  • O abraço “machista”

O abraço do homem é a edição “machista” do abraço. É algo que você normalmente vê entre homens e meninos — e líderes mundiais, como Donald Trump.

Geralmente começa com um aperto de mão que é rapidamente abraçado por uma ou ambas as partes. Na maioria das vezes, o abraço do homem é acompanhado por uma batida firme nas costas, como se fosse para compensar o ato emocional do abraço.

  • O abraço sincero

Esse é o mais apreciado dos abraços. O abraço sincero é um abraço macio, confortável e reconfortante, que dura o tempo suficiente para o cérebro liberar endorfinas que reduzem o estresse e a ansiedade.

Existem muitas variações desse abraço, mas, de um modo geral, é daqueles em que você se envolve com relações próximas e com pessoas em quem confia. Você pode chamar esse tipo de abraço como o “abraço genuíno”. 

Então, como devo cumprimentar os meus colegas de trabalho?

A melhor maneira de abraçar é aquela que deixa você e seu colega em uma situação confortável. Isso exige que você ouça os seus sentimentos e interprete o seu colega e a situação em que estiver inserido. 

  • Na primeira vez que você encontra alguém, especialmente em um contexto profissional, apertar as mãos geralmente é a melhor abordagem. Com o tempo, você pode optar por abraçar, mas, talvez nesse primeiro momento, seja melhor não correr o risco de ultrapassar limites. Conheça o colega primeiro!
  • Mantenha o contato visual e vá devagar. Mantendo um contato visual constante e mútuo, será muito mais fácil avaliar a situação e escolher a saudação apropriada.
  • Todavia, se você é uma daquelas pessoas que não se importam com nenhum desconforto e precisam abraçar alguém, vá em frente! Se você estiver desconfortável, isso será mostrado. Não precisa ser sincero, mas um abraço honesto será muito mais confortável para ambos. 
  • Enfim, a maneira mais profissional de cumprimentar alguém é sempre com sinceridade e troca, lembrando que, sabendo decifrar a situação e o contexto, mais vale um aperto de mão sincero do que um abraço forçado.

Exemplos de dinâmicas do abraço

Dinâmica Txai

Essa palavra de origem indígena significa: “O melhor em mim que habita em você e o melhor de você que habita em mim”. A dinâmica do Txai convida os participantes a mentalizar coisas boas. Para isso, o instrutor deve colocar ao fundo uma música relaxante e calma e induzir os participantes do grupo a pensarem em sentimentos e emoções positivas, por alguns instantes e a conectarem-se com o seu melhor. 

Estabelecida essa conexão interna, peça que todos troquem abraços e falem ao colega uma palavra positiva que tenha pensado enquanto refletia. Ao final, todos receberão o melhor um do outro e estarão mais felizes e positivos também.

Dinâmica do abraço coletivo

Por que receber um abraço, se eu posso ganhar todos de uma só vez? Essa é a ideia do abraço coletivo. A intenção é entregar a cada pessoa, de uma vez só, todas as energias boas dos participantes, de modo que ela se sinta amada, confiante e pertencente ao grupo. Para realizar essa dinâmica, é preciso um local espaçoso, onde as pessoas possam se locomover e pular. 

A aplicação é simples e rápida. Para fazê-la, o instrutor deve colocar uma música animada ao fundo, criar uma roda e chamar, uma pessoa por vez, para ser abraçada. Quando o participante estiver no centro do círculo, todos os demais devem abraçá-lo por alguns instantes e passar toda a sua animação e motivação. Ao final, todos estarão com a sensação de pertencimento e sentindo-se abraçados e com a energia em alta.

Aposto que você sentiu daí de onde está a energia maravilhosa que essas dinâmicas do abraço trazem às pessoas, não é mesmo? Faça esses exercícios nos seus encontros e leve uma semente positiva para todos também. Aqui no IBC, nos nossos cursos de coaching, nós sempre nos conectamos com um abraço forte, sincero e carinhoso — o famoso “coração com coração”.

E você, ser de luz, o que pensa dos cumprimentos com abraços? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!