“O seu jeito é o jeito certo”. Essa afirmação é uma forma de explicar que cada um, de acordo com a sua história e com as suas experiências, tem a sua própria forma de enxergar e entender a vida. Entretanto, muitas vezes, a nossa tomada de decisões ocorre de forma inadequada, e essas atitudes acabam nos prejudicando seriamente.

Por isso mesmo, é sempre importante lembrar que tudo o que fazemos tem consequências. Muitas pessoas ignoram essa realidade e pensam apenas no resultado que desejam atingir, alcançar, esquecendo-se de que eles são decorrentes das decisões que tomamos no presente. Mas como fazer isso do jeito certo? Por que tomamos tantas decisões erradas em certos momentos? É o que você vai conferir na reflexão a seguir. Siga em frente e tenha uma ótima leitura!

O jeito certo e o jeito errado de fazer escolhas

É fundamental aprender a tomar decisões eficazes, de modo que elas permitam a você conquistar os seus objetivos, sem prejudicar a si mesmo e as pessoas à sua volta. A partir disso, vem a pergunta: como tomar decisões corretamente?

O jeito errado de tomar decisões é bem conhecido: agindo de forma impulsiva, deixando de lado o planejamento estratégico, sem considerar e analisar as informações recebidas, seguindo as modas apenas porque todo mundo está agindo dessa ou daquela forma, e por aí vai.

O jeito certo, contudo, é o oposto de tudo isso: refletindo e analisando, previamente, cada ação e as suas possíveis consequências. Isso é essencial tanto na carreira como em âmbito pessoal, uma vez que as nossas definições impactam decisivamente o ambiente de trabalho em que estamos inseridos e até mesmo as relações que construímos com as pessoas das nossas vidas particulares.

5 dicas para tomar decisões mais eficazes nas diferentes áreas da vida

Na sequência, você vai conferir 5 dicas simples, mas poderosas, na hora de fazer escolhas que o deixem mais feliz e satisfeito em todos os âmbitos da sua vida. Confira-as e coloque-as em prática!

1. Tenha visão sistêmica 

PSC Renascimento

Essa competência consiste em visualizar as situações de forma integral e em entender os prós e contras de cada opção que aparece no seu caminho. Com isso, é possível fazer uma avaliação mais exata dos seus atos e perceber o que, de bom ou ruim, cada ação pode trazer.

A visão sistêmica recebe esse nome porque ela não considera apenas um ou outro aspecto, mas sim tudo aquilo que deve ser considerado ao tomar uma decisão. Ao escolher uma vaga de emprego, por exemplo, é necessário considerar o salário, a profissão, as atividades a serem exercidas, as possibilidades de crescimento na empresa, os benefícios, o estilo de vida, enfim, tudo aquilo que aquela decisão envolve.

2. Desenvolva a inteligência emocional

As emoções não são as vilãs da nossa vida, ao contrário do que muita gente diz. Os sentimentos, sejam eles positivos, sejam negativos, nos ajudam a compreender os estilos de vida que nos fazem bem, assim como aqueles que nos afastam da felicidade. O erro está em não equilibrar as emoções com a razão, um processo conhecido como inteligência emocional.

Isso permite analisar e resolver os problemas de forma mais concisa e menos impulsiva. A impulsividade, por sua vez, é uma das maiores responsáveis por decisões errôneas, já que o que é escolhido no calor do momento tem mais chances de gerar arrependimentos. A Inteligência Emocional é a solução para essa questão, pois possibilita compreender melhor as emoções e motivações para tomar esta ou aquela decisão, equilibrar sentimentos e reagir de modo mais eficaz aos acontecimentos.

3. Colha informações

Saiba que quanto mais informações você tiver, mais terá chances de analisar e tomar boas decisões profissionais e pessoais.  Estar bem-informado permite ainda antecipar-se aos problemas e solucioná-los, antes que causem mais consequências negativas.

Pense, por exemplo, em um médico que precisa tratar um paciente: quanto mais informações ele obtiver sobre o estado de saúde do indivíduo, mais certeza ele terá da doença que se apresenta e, consequentemente, do tratamento mais apropriado para o caso em questão. É por isso que as entrevistas, a análise dos sintomas e a realização de exames diversos fazem parte dessa profissão, pois são fontes de informações que embasam a tomada de decisão.

4. Peça orientação

A tomada de decisão não precisa ser uma obrigação apenas sua. Mesmo que a palavra final caiba a você, você pode consultar aqueles que, na sua visão, sabem mais sobre o tema e podem contribuir com informações e argumentos.

Diante disso, não seja orgulhoso ao ponto de se deixar tomar decisões ruins, para só então, pedir ajuda. Busque orientação de pessoas da sua confiança, que julga serem mais experientes, eficazes e justas e que, por isso, podem lhe dar boas orientações sobre como tomar determinada decisão. Mesmo que você seja um chefe de equipe, saiba que os seus colaboradores podem ajudá-lo nesses momentos — aliás, essa é uma das funções deles!

5. Controle a sua impulsividade

Este elemento é, sem dúvida, a causa da maioria das decisões que são tomadas de forma errada. Envolve falta de inteligência emocional, imaturidade para lidar com frustrações e uma porção extra de egocentrismo. Por isso, controle os seus impulsos, pondere antes de agir, meça as consequências dos seus atos e evite ser controlado por emoções negativas.

O pessimismo, o medo, a raiva e até mesmo uma empolgação excessiva podem nos afastar da realidade e da racionalidade. Por isso, se você estiver diante de uma emoção intensa, evite tomar decisões neste momento. Espere que os seus sentimentos fiquem mais brandos, de modo que o equilíbrio entre a razão e a emoção surja de forma mais fácil e clara para que você faça a sua escolha.

Aproveite estas dicas extraordinárias e aprimore, continuamente, a sua capacidade de avaliar as situações e de tomar decisões adequadamente. Em todos os âmbitos da sua vida, essa competência será bem-vinda, evitará problemas e trará resultados importantes para você. Experimente e tenha muito sucesso!

E você, querida pessoa, tem mais alguma dica sobre como ser eficaz na hora de tomar decisões? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!