Perdoar é um gesto difícil até mesmo para os adultos, imagine para as crianças. Isso não quer dizer que os pequenos não tenham empatia. Ao contrário, eles conseguem demonstrar amor e compaixão. No entanto, ainda não compreendem que o gesto de perdoar é importante e traz paz ao coração de todos os envolvidos.

Dessa forma, é importante ensinar o perdão às crianças, de modo que se tornem adultos mais empáticos e altruístas, contribuindo com uma sociedade mais pacífica e harmônica. Por isso, é fundamental ensiná-los tanto a pedir perdão quanto a perdoar, mas sem forçar nada. A ideia é transmitir conhecimento, e não empurrar-lhes palavras mecânicas à força — que não fazem diferença.

Para auxiliá-lo, separamos algumas dicas para ensinar o perdão aos pequenos desde cedo. Confira!

1. Explique à criança o que é o erro

Em primeiro lugar, é importante explicar à criança que todo mundo erra. Errar significa fazer algo que não é bom ou correto e que pode prejudicar a si mesmo ou a outra pessoa. Bater no amiguinho é errado, pois isso o machucou, sendo que há outros meios mais eficazes de resolver as desavenças.

Nesse momento, é importante explicar que o seu filho erra e citar algum exemplo. Também é importante explicar que os adultos também erram, inclusive você, podendo também citar algum exemplo. Por isso, explique que errar é normal, mas que devemos sempre nos esforçar para evitar o erro.

2. Explique à criança o que é o arrependimento e o que é o perdão

Muitas vezes, cobramos dos pequenos que se perdoem uns aos outros, sem que ao menos saibam o que é o perdão. Por isso, comece a conversa explicando o que é arrependimento. Trata-se de um sentimento muito ruim de culpa, como se fosse um peso por ter feito algo de errado.

PSC Renascimento

Em seguida, explique o que é o perdão. Perdoar é dizer para o amigo que errou que está tudo bem, que ele não precisa se sentir mal com o erro que ele cometeu. É falar para ele que o que passou já não tem mais importância, e que a amizade continua. A criança vai perceber que o perdão traz sentimentos bons para todos os envolvidos.

3. Ajude o pequeno a perceber quando ele erra

Os próprios adultos, que já têm uma noção mais clara de justiça e de conceitos morais, podem ter dificuldades em identificar quando cometem um erro. Imagine, então, como isso é complexo para a mente de uma criança. É aos poucos que a noção de certo e errado é desenvolvida.

Por isso, ao corrigir o seu filho, não diga simplesmente “é errado” ou “não pode”. Dar explicações e justificativas faz parte do processo educativo. Se a criança pegou um brinquedo de um amigo sem permissão, por exemplo, explique que sempre que quisermos algo que não é nosso, devemos pedir permissão ao dono. Lembre a criança de que ela provavelmente não gostaria que alguém pegasse algo que é dela sem avisar.

4. Ensine-o a pedir perdão quando notar que errou

Com o auxílio das explicações acima, o seu filho começará a perceber quando cometeu um erro, ao notar principalmente a reação do amigo — de tristeza, de raiva, de frieza, e por aí vai. Ele perceberá que fez algo que não deveria. Nesse momento, pode ser que ele se sinta mal, o que é normal. Explique a ele que esse sentimento é o arrependimento.

Nesse momento, ensine-o a pedir perdão ou desculpas ao amiguinho. Pode ser que ele desculpe, mas pode ser que demore um pouco mais. Em geral, porém, as crianças guardam muito menos mágoa do que os adultos, de modo que logo estão brincando juntas novamente. Reforce que sempre que a criança sentir culpa, é importante pedir perdão a quem estiver envolvido no seu erro.

5. Auxilie o seu filho a administrar as próprias emoções

Quando a criança comete um erro ou quando percebe que um amiguinho (ou um irmão) a ofendeu de alguma maneira, os ânimos podem ficar exaltados. Podem surgir a tristeza, o ciúme, a raiva, o choro, a vontade de partir para cima ou de xingar etc. Nesse momento, afaste o pequeno da situação de conflito e permita que as emoções fiquem mais brandas.

Ensine que é importante afastar-se um pouco das situações para recuperar a calma e pensar com mais clareza. Aos poucos, permita que o pequeno explique o que aconteceu, de modo que ele possa identificar quais foram os seus próprios erros e quais foram os erros do amiguinho.

6. Ressalte que é importante perdoar quem nos prejudicou

Assim como você ensinou ao seu filho a importância de pedir perdão, ensine-o também a importância de perdoar. Lembre-o de algum momento em que ele errou e se sentiu culpado, pediu perdão ao amigo, mas o amigo não o perdoou e ficou algum tempo sem falar com ele. Pergunte à criança como ela se sentiu nesse momento.

Provavelmente, ela dirá que se sentiu triste. Explique que é isso o que acontece quando negamos o perdão a alguém — deixamos a pessoa aflita, triste, culpada e arrependida. Nesse momento, reforce um dos ensinamentos mais importantes da infância: não devemos fazer ao outro aquilo que não queremos que façam a nós. Assim, se o pequeno deseja ser perdoado, ele também tem que aprender a perdoar. Esse ensinamento despertará na criança o sentimento de empatia.

7. Ensine-o a seguir em frente

Outro ensinamento importante a ser concedido às crianças é o de que nenhuma situação ou emoção dura para sempre, embora essa seja a impressão no momento. Aos poucos, os sentimentos ruins de uma briga vão diminuindo, e a vontade de retomar a amizade surge. Explique que é assim mesmo.

Não force a criança a pedir desculpas, a abraçar ou a fazer o que não queira. Respeite o tempo dela. Contudo, se perceber nela a vontade de fazer as pazes com o amiguinho ou o irmão, permita que ela se expresse da maneira que desejar. Nem sempre será com uma palavra ou com um abraço. Pode ser apenas que eles queiram brincar novamente ou assistir a um desenho juntos. Essa linguagem infantil também expressa o perdão — à maneira dos pequenos.

8. Dê o exemplo

A essência do perdão é compreender o próprio erro, assumir a responsabilidade pelas suas atitudes, entender que elas têm consequências e pedir perdão a quem você possa ter ofendido. Da mesma maneira, envolve também a empatia de colocar-se no lugar do outro, de modo a não negar-lhe o perdão quando ele errar.

Se você deseja que o seu filho aprenda tudo isso, saiba que ele vai adotar esses hábitos muito mais observando os seus atos do que ouvindo as suas explicações. Portanto, dê o exemplo: peça perdão quando errar e perdoe quando alguém errar com você. Ao ver as suas atitudes, a criança tentará imitá-lo para resolver os próprios conflitos. Assim, ela entenderá que desculpar-se não é uma fraqueza, mas uma força. Contudo, seja paciente, pois todo processo de aprendizado leva algum tempo, OK?

E você, ser de luz, como tem ensinado o perdão aos seus filhos? Como tem dado a eles o exemplo de como agir diante dos conflitos? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas reflexões a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!