Carl Jung foi um psiquiatra e psicoterapeuta suíço, fundador da psicologia analítica. Em seu trabalho, desenvolveu o que chamou de arquétipos, que são personagens que representam conjuntos muito específicos de características humanas. Esses arquétipos são resultado de posições que as pessoas passaram a ocupar, gerações após gerações.

Cada arquétipo apresenta os seus aspectos positivos e os seus pontos de atenção. Assim, cada pessoa tende a se identificar mais com um ou outro arquétipo, de acordo com as suas características pessoais. Os arquétipos também são utilizados na criação de filmes, telenovelas, desenhos e até mesmo campanhas publicitárias.

Quem é o inocente?

Jung, ao observar as características das pessoas, identificou 12 arquétipos. Um deles é o inocente — um indivíduo simples e otimista, mas que pode beirar a ingenuidade se não for cauteloso.

Essas pessoas têm como objetivo serem felizes, vivendo da melhor maneira possível. Para isso, contam com fé e otimismo para fazer aquilo que acreditam ser o certo. No entanto, podem sofrer por confiar em pessoas que não têm as mesmas boas intenções que elas ou por se punirem demais ao perceber que fizeram algo errado.

Quais são as principais características desse arquétipo?

Confira a seguir as 7 características mais marcantes do arquétipo do inocente.

1. Otimismo

O otimismo é a marca registrada do inocente. Ele procura ter uma visão positiva sobre o mundo, sobre as coisas, sobre as pessoas e sobre a própria vida, de maneira geral. É aquela pessoa que consegue se maravilhar com a beleza de tudo o que estiver ao seu redor, como o sorriso de uma criança, a alegria de um animal ou o encanto de um pôr do sol.

PSC Renascimento

Mesmo nas horas mais difíceis, esses indivíduos conseguem enxergar algo positivo nos acontecimentos. Por isso, são pessoas que conseguem ser felizes no momento presente, e não apenas diante da conquista de grandes objetivos.

2. Simplicidade

Além de otimistas, os inocentes são também pessoas simples. O seu objetivo na vida é apenas ser feliz, o que não necessariamente envolve grandes posses e quantias absurdas de dinheiro. O que elas querem é ter o suficiente para viver com tranquilidade, de preferência transmitindo essa tranquilidade também para as pessoas que amam.

Sabe aquele amigo que abriu mão de um emprego em uma notória empresa na cidade grande e foi viver no interior, em busca de paz, sossego e contato com a natureza? Então, muito provavelmente ele tem uma identificação com o arquétipo do inocente.

3. Perfeccionismo

A simplicidade de um inocente pode fazer com que eles sejam felizes com pouco. No entanto, essa busca pela felicidade pode não ser tão fácil quanto possa parecer. Por mais que o inocente esteja à procura de uma vida simples, ele pode ser bastante exigente com o presente e com o futuro.

Por isso, esses indivíduos estão sempre à procura do lugar ideal para morar, do parceiro ideal com quem viver, do emprego ideal, dos filhos ideais, e por aí vai. São pessoas muito corretas na busca pelos seus objetivos e que, por isso, acabam cobrando que as pessoas ao seu redor também sejam assim “certinhas”, o que nem sempre ocorre.

4. Motivação

O otimismo do inocente o leva a sempre crer que o alcance de um objetivo é possível. Dessa forma, alcançar motivação para essa pessoa não é algo difícil. Desde que ela visualize um futuro bom, correto e feliz, ela sente que todo esforço vale a pena.

Dessa forma, quem tem esse arquétipo forte dentro de si não tem medo de estudar, de trabalhar, enfim, de dar o melhor de si para construir uma vida feliz. Mesmo que todos ao redor estejam dizendo que a meta definida é impossível de ser alcançada, o inocente acredita em si mesmo e ignora o pessimismo alheio, seguindo em frente no seu caminho.

5. Busca pelo que é correto

O inocente, como o próprio nome do arquétipo sugere, é aquele indivíduo puro, que sempre tenta agir da melhor maneira e que dificilmente prejudicaria outra pessoa para alcançar os seus próprios objetivos.

Por isso, esse arquétipo é muitas vezes visto como “certinho”, pois são pessoas que conhecem bem as regras e que evitam desobedecê-las, justamente porque acreditam que o caminho certo é o caminho da felicidade. São pessoas que não sabem conviver bem com a culpa de ter feito algum mal.

6. Lealdade e confiança

Outro traço muito comum entre aqueles que se identificam com o arquétipo do inocente é a lealdade. Essas pessoas querem ser felizes, mas desejam propagar essa felicidade aos seus amigos, vizinhos, colegas e familiares. São pessoas leais, as últimas de quem se poderia esperar uma traição.

Esses indivíduos confiam nas pessoas, possivelmente porque acreditam que todos sejam bons como eles mesmos tentam ser. Por isso, fazem de tudo para defender aqueles a quem amam. Se tiverem que criticá-los por algum motivo, farão isso diretamente com a pessoa, e não a terceiros, o que seria visto como deslealdade.

7. Ingenuidade

Otimistas, bondosos, corretos e leais: esses são os inocentes. São pessoas que, de fato, parecem estar no caminho da felicidade. Contudo, elas precisam ter muita cautela para que a sua inocência não se transforme em ingenuidade.

Os inocentes tendem a ver os outros de acordo com a própria imagem. Por isso, podem cair na ilusão de que todo mundo será otimista, bondoso, correto e leal como eles — o que nem sempre é verdade. Assim, esses indivíduos tendem a sofrer quando percebem que os outros não fariam por eles aquilo que eles mesmos fariam pelos outros. Algo a ser trabalhado diariamente!

Concluindo, o inocente é um arquétipo de Jung marcado pela pureza e pelo otimismo, mas que precisa ficar atento para que as outras pessoas, menos escrupulosas, tirem proveito do seu aspecto leal e correto. Procuram a felicidade nas coisas simples, mas, mesmo assim, essas pessoas podem ser perfeccionistas na busca por um mundo ideal.

E você, querida pessoa, se identificou com o perfil do inocente? Por quê? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!