A motivação é uma força interna que nos desperta a vontade de fazer algo. Por exemplo: se você se sente feliz em acordar cedo e ir para a academia porque sabe que esse hábito fará de você uma pessoa mais bonita e saudável, tanto física quanto mentalmente, é sinal de que você já encontrou essa motivação.

Quando não a encontramos, fazemos as coisas por obrigação, e não por vontade. Isso pode ser terrível e, infelizmente, é o que mais se vê, inclusive nas empresas. O salário é importante, mas será que não há mais nada que motive a pessoa naquela atividade profissional além dele?

Seja na vida pessoal, seja na vida profissional, o fato é que precisamos de motivação, ou seja, dessa fonte de propósito e de energia que nos leva a agir. Neste artigo, reunimos 8 problemas associados à desmotivação, podendo ser causas ou consequências dela. Por isso, se você estiver se sentindo desmotivado, vale a pena conferir esses problemas. Quem sabe a origem da sua desmotivação não esteja em algum deles, não é mesmo? Para descobrir, continue a leitura!

1. Companhias negativas

As pessoas com as quais mais convivemos têm um poder enorme sobre a nossa energia, o nosso humor e a nossa motivação para viver. Quando estamos ao lado de amigos, familiares ou colegas que nos colocam para cima, que têm assuntos agradáveis e que são exemplos de energia e felicidade, sentimo-nos bem, animados e alegres.

Em contrapartida, conviver com quem só reclama, só aponta problemas, só critica e não faz nada para resolver ou para olhar a situação de uma maneira minimamente positiva pode nos adoecer. Dessa forma, sempre que possível, afaste-se dessas pessoas que só despertam sentimentos negativos. Selecione melhor as suas companhias.

2. Notícias ruins

Assim como as pessoas com as quais convivemos, o tipo de conteúdo que consumimos também tem um efeito direto sobre o nosso estado de espírito e sobre a nossa motivação para o dia a dia. Diante disso, você se sentirá com muito mais coragem e disposição para viver se ler ou assistir a mensagens motivacionais, histórias de superação, bons exemplos etc.

PSC Renascimento

Contudo, se você passar o dia lendo notícias trágicas, assistindo a programas sensacionalistas e acessando as redes sociais (onde há a falsa ideia de que todo mundo é mais feliz do que você), certamente você terá emoções negativas, como o medo, a revolta, a tristeza, a inveja e, consequentemente, a desmotivação.

3. Medo de fracassar

Um dos maiores ladrões de motivação que existem é o medo de fracassar. Ele surge quando a pessoa ainda nem começou o seu projeto e já pensa em desistir por acreditar que não será possível concretizá-lo. Isso pode ocorrer por dois motivos: porque a pessoa não confia em si mesma ou porque ela não planejou direito o alcance do seu objetivo.

Sendo assim, as duas soluções que podemos apontar para recuperar a motivação desse indivíduo são: autoconhecimento e planejamento. O autoconhecimento faz com que a pessoa identifique as suas forças e pontos de melhoria, e quanto maior for esse conhecimento, mais confiante a pessoa vai se sentir. Já o planejamento serve para desenhar as estratégias e minimizar os riscos aos quais estamos expostos.

4. Falta de ação

Ainda falando em planejamento, é importante citar que há pessoas que planejam, planejam, planejam, mas, na hora de colocar tudo em prática, sempre procrastinam, ou seja, adiam o quanto for possível. Essa falta de ação é fruto da falta de coragem e também é bastante problemática.

Você já percebeu que ficamos menos motivados quando não fazemos nada? Ficar parado gera um sentimento de estagnação que é extremamente desmotivador. Por isso, comece, da maneira que puder. Lembre-se sempre de que o primeiro passo é o mais importante. Começar a agir, mesmo que de forma discreta, ajudará você a sair dessa estagnação e a liberar um sentimento de mais confiança em si mesmo.

5. Ação em excesso

Parece paradoxal em relação ao item anterior, mas a verdade é que agir demais também pode acabar com a nossa motivação. Pessoas que se envolvem em vários projetos ao mesmo tempo e que assumem mais responsabilidades do que podem dar conta podem esgotar as suas energias, perdendo a motivação para tomar qualquer atitude.

Não é à toa que os casos de síndrome de burnout (o esgotamento associado ao trabalho) têm se tornado cada vez mais comuns. A pessoa tem tantas obrigações para dar conta que se esgota física e mentalmente. Para evitar, seja equilibrado, descanse, durma, recupere as suas energias e diga “não” quando estiver próximo do seu limite.

6. Apego ao passado

O apego ao passado pode provocar a desmotivação de diferentes formas. Pode ser, por exemplo, que você idealize o passado, ou seja, que o considere perfeito e infinitamente superior ao presente. Isso certamente o desmotivará para viver o “aqui e agora”.

Por outro lado, há pessoas que consideram o passado tão horrível que têm verdadeiros traumas de que ele se repita no presente, o que também não é saudável. De um jeito ou de outro, compreenda que o seu passado não é determinante ao seu presente e ao seu futuro. Tudo depende do que você faz agora. Como dizia Chico Xavier, “Ninguém pode voltar atrás e fazer um novo começo, mas qualquer um pode recomeçar e fazer um novo fim”.

7. Ansiedade

Se o apego ao passado pode destruir a motivação de uma pessoa, o mesmo pode-se dizer da ansiedade, que é uma antecipação do futuro. É claro que tudo aquilo que fazemos no presente tem o objetivo de nos conduzir a um futuro melhor. Todavia, não devemos colocar a nossa felicidade apenas no alcance das nossas metas. É preciso aprender a ser feliz também com o que já temos, no presente mesmo.

Em outras palavras, ser feliz não está apenas na linha de chegada, mas também em aproveitar o percurso e em monitorar o nosso progresso, degrau após degrau. Mesmo que você ainda não tenha o emprego dos sonhos, a casa perfeita e a vida que sempre sonhou, não se esqueça de ser feliz com aquilo que você já tem. Isso o motivará a viver o presente, e não apenas a sonhar com o futuro.

8. Falta de prioridade sobre si mesmo

Por fim, outro fator que também desmotiva as pessoas é quando elas deixam de colocar a si mesmas em primeiro lugar. Há indivíduos que passam a vida em função dos outros — dos pais, dos filhos, dos amigos, da empresa etc., mas que se esquecem de si mesmos e dos seus próprios sonhos.

É importante cuidar de todas essas pessoas e também da carreira, mas não podemos nos esquecer de cuidar de nós mesmos. A saúde física, a saúde mental, os estudos, a espiritualidade, a situação financeira, o trabalho, a família, os amigos, o lazer, o descanso — tudo isso faz parte da nossa qualidade de vida. Quando negligenciamos algum desses itens, perdemos o nosso bem-estar e, consequentemente, a motivação para viver.

Como você pode perceber, a motivação é um aspecto multifatorial, já que há muitas variáveis que podem comprometê-la. Sendo assim, fique atento aos itens citados acima, de modo que você encontre sempre, dentro de si, essa força tão nobre para agir. Se você não lutar pela realização dos seus sonhos, quem fará isso por você?

E você, querida pessoa, como avalia a sua motivação nos últimos tempos? Quais fatores a beneficiam? Quais fatores a prejudicam? Deixe o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!