Ser inflexível é algo muito negativo. Quem leva a vida a ferro e fogo não consegue abrir exceções, tolerar os próprios erros ou conviver bem com o próximo. Essa postura nos traz uma série de dificuldades, frustrações e decepções.

Por esse motivo, a flexibilidade mental e emocional é um traço a ser desenvolvido por todas as pessoas. As pessoas flexíveis conseguem lidar melhor com as adversidades da vida, especialmente porque são muito poucos os fatores que de fato estão sob o nosso controle.

Na sequência, você vai conferir 10 dicas para ser mais flexível e usufruir dos benefícios desse estilo de vida. Acompanhe!

Aqui no IBC já citamos algumas vezes que existem dois tipos de mentalidade: o mindset fixo e o mindset de crescimento. O fixo é o daquelas pessoas que acham que já aprenderam tudo o que tinham para aprender e que acreditam que mudar de opinião é uma fraqueza. O mindset de crescimento, porém, é o daquelas pessoas que estão abertas a adquirir novos conhecimentos e perspectivas, bem como a mudar de opinião quando necessário. Adote esse mindset para ajudá-lo na sua evolução.

  • Pratique a aceitação

Aceite que algumas coisas não estão sob o seu controle. Foque a sua energia naquelas que estão. Assim, entenda que nem sempre as coisas sairão como você planeja. É dessa aceitação que conseguimos desenvolver mais paciência, resiliência e habilidade de adaptação a diferentes circunstâncias. Lembre-se de que a vida é uma sucessão de momentos diferentes, ou seja, de mudanças contínuas. Quanto mais resistente você for a essas alterações, mais dificuldades emocionais enfrentará.

  • Aprenda e gerenciar o estresse

O estresse é uma reação natural a qualquer ser humano quando se depara com uma situação desafiadora, como um momento inédito, uma mudança inesperada ou um problema. No entanto, é importante administrar esse sentimento para que ele seja produtivo. A atividade física, a meditação e a respiração consciente, por exemplo, nos ajudam a manter o estresse em níveis saudáveis, que nos ajudam a resolver as situações. Em descontrole, porém, o estresse nos paralisa e bloqueia as nossas reações.

  • Desenvolva habilidades de comunicação

Ser flexível envolve não apenas a forma como uma pessoa se relaciona consigo mesma, mas também como ela se relaciona com as outras. Por isso, desenvolver habilidades de comunicação é fundamental. Aprenda a escutar ativamente o outro e a genuinamente compreender o seu ponto de vista, sem querer se impor a todo instante. Esteja aberto ao feedback construtivo e entenda que está tudo bem não ter razão o tempo todo. Reconheça o valor do outro e abra-se a diferentes perspectivas.

  • Estabeleça metas realistas

PSC Renascimento

Todo mundo precisa planejar o alcance dos seus objetivos. No entanto, esse planejamento não pode ser rígido. Ao longo do percurso, as circunstâncias mudam, o inesperado surge, e nós precisamos nos adaptar a tudo isso. É comum descobrirmos que precisamos modificar as nossas metas ou ao menos alterar o seu valor, que estava muito fora da realidade. Essas adaptações são muito comuns, tanto para pessoas quanto para empresas, e são necessárias para que a gente não insista no erro.

  • Experimente coisas novas

Uma forma de desenvolver a sua flexibilidade é experimentar coisas novas. Especialmente se você é do tipo de pessoa que tem um gênero preferido de filme, de comida, de música etc., é importante abrir-se ao novo. Talvez existam muitas coisas que você pode adorar, mas nunca ter conhecido, justamente por ter um mindset fixo e bloqueado ao novo. Você pode estar perdendo oportunidades incríveis fora da famosa “zona de conforto”. Expanda os seus horizontes para aprender mais sobre si mesmo.

  • Saiba dizer “não” quando necessário

Ao contrário do que alguns possam pensar, ser flexível não significa dizer “sim” para tudo e todos. Na verdade, é uma questão de definir as próprias prioridades, o que obrigatoriamente passa por reconhecer os seus limites. Se você assumir mais compromissos do que é capaz, certamente ficará sobrecarregado, correndo o risco de desenvolver problemas de saúde física e mental. Dessa forma, ser flexível envolve dizer “sim” e dizer “não”, de acordo com as suas possibilidades e prioridades. Atente-se!

  • Crie uma rede de apoio

O convívio com o outro é o que nos torna naturalmente mais flexíveis. Quanto mais isolada uma pessoa for, mais ela terá dificuldades de relacionamento. Por isso, procure conviver bem com quem faz parte da sua vida. Em especial, construa uma rede de apoio junto dos seus amigos e familiares. É importante ter pessoas com quem contar e em quem confiar, sobretudo nos momentos mais complexos. Pedir ajuda é algo natural, e não uma fraqueza. Busque ajuda sempre que necessário.

  • Pratique a empatia

Ser flexível com as outras pessoas depende fundamentalmente da empatia. Assim, em todas as circunstâncias, tente colocar-se mentalmente na posição do outro, de modo a compreender como ele deve estar pensando ou se sentindo naquela situação. Isso o ajudará a agir com mais solidariedade, respeito e tolerância. Portanto, esteja disposto a ajustar as suas opiniões com base em novas informações. Apenas evite abrir mão das suas crenças fundamentais (os seus princípios e valores pessoais).

  • Aprenda com os erros

Por fim, a flexibilidade também envolve a capacidade de lidar adequadamente com os erros. Para isso, aceite o erro como parte da vida de qualquer ser humano, inclusive da sua. A perfeição não existe, de modo que você vai errar, assim como o seu marido, o seu colega de trabalho, o seu filho, o seu vizinho etc. O importante é que estejamos atentos para extrair aprendizados dessas falhas, pois é isso o que nos ajuda a não repetir os erros e a fazer melhor na próxima tentativa. Aproveite!

Lembre-se de que a flexibilidade é uma habilidade que pode ser desenvolvida ao longo do tempo, com prática e conscientização. Seja paciente consigo mesmo durante esse processo e celebre os seus progressos, por menores que sejam. Coloque as dicas acima em prática e aproveite os benefícios de ser flexível!

E você, querida pessoa, se considera uma pessoa flexível? Em quais aspectos você pode melhorar nesse sentido? Contribua deixando o seu comentário no espaço a seguir. Além do mais, que tal levar estas informações a todos os seus amigos, colegas de trabalho, familiares e a quem mais possa se beneficiar delas? Compartilhe este artigo nas suas redes sociais!